PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Faculdade de Medicina da UFC recomenda ampliação do isolamento social no Ceará até maio

Em nota técnica, a entidade defende que a medida é a estratégia fundamental para evitar "disseminação rápida e ampliada" do novo coronavírus

00:44 | 18/04/2020
O isolamento social é estratégia fundamental para evitar "disseminação rápida e ampliada" do novo coronavírus. (Foto: AURELIO ALVES)
O isolamento social é estratégia fundamental para evitar "disseminação rápida e ampliada" do novo coronavírus. (Foto: AURELIO ALVES)

A Faculdade de Medicina (Famed) da Universidade Federal do Ceará (UFC), por meio do Comitê de Enfrentamento da Covid-19, lançou nota técnica na qual recomenda que a determinação de isolamento social do Governo do Ceará, via decreto, seja ampliada até o início do mês de maio, pelo menos. Conforme a faculdade, na data, as tendências epidemiológicas devem ser reavalias.

Em documento divulgado no dia 9 de abril, a entidade defende que a medida é a estratégia fundamental para evitar "disseminação rápida e ampliada" do novo coronavírus. O decreto em vigor no Estado tem prazo até a próxima segunda-feira, 20. 

Horas após a publicação do decreto que prorrogava a quarentena obrigatória e autorizava o funcionamento de feiras de gêneros alimentícios e de boa parte dos setores da indústria produtiva, o governador Camilo Santana (PT) revogou a medida. O recuo, conforme o chefe do executivo, foi feito após argumentação do Comitê de Saúde e de equipes técnicas. 

Na nota técnica, a Famed critica o foco apenas em ações voltadas para os casos sintomáticos respiratórios e/ou para populações de maior risco, como pessoas idosas. Essa, conforme o texto, "é reconhecidamente uma estratégia insuficiente, permitindo o agravamento das consequências danosas da pandemia à saúde e à vida da população". O documento defende que a flexibilização das medidas de distanciamento social "apresentou resultados dramáticos em países como Itália, Inglaterra e Estados Unidos".

A Famed pondera o impacto socioeconômico que as medidas atuais de enfrentamento à pandemia podem impor à sociedade. "Porém os efeitos sobre a saúde e a vida das pessoas seriam ainda mais devastadores, devendo ser prioritariamente considerados", destaca.

A entidade defende ainda a ampliação da realização de testes para o diagnóstico do SARS-CoV-2 na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Isso deve possibilitar a melhor definição para o retorno às atividades da vida diária das pessoas recuperadas, inclusive dos profissionais de saúde, além do "planejamento da transição para níveis menos restritivos de isolamento social".

Leia a nota na íntegra.

Assine a newsletter do O POVO sobre o coronavírus.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >