PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Grupo ICC cria plataforma para ajudar grupo de risco da Covid-19

Os voluntários inscritos podem se disponibilizar para prestar diversos serviços, que vão desde conversas até fazer compras para quem buscar ajuda

00:00 | 01/04/2020
. (Foto: .)
. (Foto: .)

Atualizada às 13h36min

Para reunir voluntários em Fortaleza que tenham o desejo de auxiliar pessoas do grupo de risco em meio à pandemia do novo coronavírus, o grupo ICC, do qual faz parte o ICC Biolabs, em conjunto com a startup
Ponto de Saúde, criou a plataforma "Ponto de Saúde no Combate ao Coronavírus".

A ideia é que essa rede de solidariedade auxilie perfis de público mais delicado para se expor a riscos de contaminação pelo vírus durante o período de isolamento social, conforme explicou a gerente de inovação do ICC Biolabs (ICC Biolabs, HUB de inovação e tecnologia do grupo ICC), Marina Lecas. “A gente observou que esse voluntariado já está acontecendo de forma informal e quisemos organizar e facilitar a conexão entre os dois lados”, relatou.

Os voluntários inscritos podem se disponibilizar para prestar diversos serviços, que vão desde conversas até fazer compras, para quem buscar a ajuda. A única exigência feita é que só se voluntarie pessoas maiores de 18 anos que não tiveram nenhum sintoma de gripe e que não tiveram contato com pessoas diagnosticadas com a Covid-19, mesmo assintomáticas.

As pessoas interessadas em participar devem fazer um cadastro através do site covid19-fortaleza.pontodesaude.com.br. Neste mesmo endereço de internet, pessoas do grupo de risco que desejam ser auxiliados podem solicitar a ajuda. Basta apenas, ao entrar na plataforma, chamar o voluntário em um bairro mais perto que se dispôs a prestar o serviço desejado.

Dentre os voluntários que já se cadastraram está a coordenadora de eventos Rose Bezerra. Já engajada em outros serviços sociais, ela pretende auxiliar dentro da plataforma com doação de alimentos, idas até a mercearia, ligações para conversas e transportes nos bairros doMontese, Parangaba, Maraponga e Itaoca.

“Já fazia isso no meu condomínio e me inscrevi. É essencial que se dê uma assistência maior a pessoas do grupo de risco em época de isolamento social. Idosos gostam de conversar e me disponibilizei para isso e para fazer outros serviços por eles”, contou a coordenadora de eventos.