PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Cientistas afirmam que redução da atividade humana pode ter afetado vibração da Terra

Pesquisadores estão relatando uma "queda no ruído sísmico" do planeta, ação que costuma ocorrer apenas no final do ano e indicaria levíssima redução rotacional do Planeta

Gabriela Almeida
17:38 | 01/04/2020
Na foto: Planeta Terra
Foto: AFP PHOTO / NASA/GSFC/SUOMI NPP (Foto: )
Na foto: Planeta Terra Foto: AFP PHOTO / NASA/GSFC/SUOMI NPP (Foto: )

A redução da atividade humana devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) teria afetado o movimento do planeta Terra. É o que aponta estudo realizado por grupo de geólogos da Bélgica e divulgados nessa terça-feira, 31, na revista especializada em ciência Nature.

De acordo com matéria, os pesquisadores estão relatando uma “queda no ruído sísmico” da Terra. O movimento é uma espécie de zumbido provocado pelo impacto de atividades humanas, como a de transporte e de industriais na crosta terrestre do planeta. A redução dessas atividades fez com que o ruído também diminuísse. 

Segundo especialistas, a diminuição do “zumbido” permite que seja mais fácil detectar terremotos menores e que o monitoramento de atividades vulcânicas e de outros eventos dessa natureza sejam intensificados. Essa faixa de menos "barulho" geralmente só acontecia, de acordo com geólogos, em uma data próxima ao período natalino.

A diminuição do ruído foi percebido de forma significativa em Bruxelas, Bélgica, e também identificada em uma estação em Los Angeles, Estados Unidos — uma das pesquisadoras chegou a definir a queda como sendo “seriamente selvagem".

As atividades humanas foram reduzidas em diversos países após a Covid-19 virar uma pandemia, quando a doença se dissemina entre continentes, e governos decretarem o fechamento de Shoppings, hotéis, comércios e bares, entre outros, como forma de evitar que ela continuasse se alastrando. Patologia já matou mais de 20 mil pessoas no planeta. 

Para corrigir imprecisões da matéria, a reportagem do O POVO entrou em contato com o físico Geová Alencar, da Universidade Federal do Ceará (UFC).