PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Comércio e praias vazios durante primeiro sábado de quarentena no Ceará

No Centro de na Praia do Futuro quase não havia movimentação

Filipe Pereira
18:50 | 21/03/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 21-03-2020: Praia do futuro vazia por conta do período de quarentena no Ceará. (Foto: Beatriz Boblitz/ O POVO) (Foto: BEATRIZ BOBLITZ)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 21-03-2020: Praia do futuro vazia por conta do período de quarentena no Ceará. (Foto: Beatriz Boblitz/ O POVO) (Foto: BEATRIZ BOBLITZ)

O primeiro fim de semana após o decreto do governador Camilo Santana com medidas para coibir a propagação do novo coronavírus no Ceará foi de significativa redução na circulação de pessoas na Capital. Nos centros comerciais e nas barracas de praia, pontos onde há maior concentração de pessoas, a redução na movimentação esteve aparente durante todo sábado, 21.

 

Até o dia 29 de março, bares, feiras livres, restaurantes, lanchonetes, templos, igrejas, barracas de praia, shoppings centers, museus, cinemas e academias devem permanecer fechados. O descumprimento prevê multa de R$ 50 mil. Hospitais, farmácias e supermercados estarão abertos.


A medida impactou diretamente o Centro de Fortaleza.O POVO constatou apenas uma farmácia aberta. Mesmo prestando serviço, a gerente do estabelecimento, Jaqueline Veras, fotografava a pouca movimentação no entorno da Praça Capistrano de Abreu. “Estou enviando ao meu coordenador para avisar que só nós estamos abertos. Ontem eles liberaram a gente duas horas antes, e hoje vai ser do mesmo jeito”, disse.


A procura por medicamentos e o uso de máscara e de álcool em gel para o combate ao vírus teve efeito direto nas farmácias de Fortaleza. O que não impediu, segundo Jaqueline, a falta de clientes nos estabelecimentos neste sábado. “Não houve grande fluxo. Hoje, se eu tiver atendido seis pessoas foi muito. Ontem, por acharem que ainda teria movimento, veio mais gente, mas hoje pouquíssimas” afirma.


A medida também influenciou a realização dos cultos religiosos. Na catedral da Igreja Universal do Reino de Deus, na avenida Tristão Gonçalves (Centro), seguranças estiveram nos portões orientando o retorno dos fieis às residências. Segundo um funcionário da casa que preferiu não se identificar, a regra está válida para todos os templos da Capital. Na segunda-feira 16, o bispo Edir Macedo, líder da Universal, minimizou os riscos da pandemia e atribuiu a culpa a Satã. Apesar disso, sua maior igreja vem implantando diversas medidas de precaução.


No litoral, a quarentena determinou o fechamento das barracas da Praia do Futuro. A medida foi confirmada pela Associação dos Empresários da Praia do Futuro (AEPF). De acordo com um dos seguranças que também não quis se identificar, apesar da presença de banhistas, há o esvaziamento nas barracas e em comércios próximos. Ele também denunciou o aumento de arrastões na orla.


Carros de som da Prefeitura também já circulam pelas praias pedindo dispersão de aglomerações. Para Roberto Lopes, motorista de um dos veículos, o momento de conscientização é indispensável no momento. “Estou aqui percorrendo toda a orla da Praia do Futuro, mas há outros espalhados em toda a cidade” reforça. A medida faz parte de uma série de ações de prevenção ao coronavírus anunciadas pelo prefeito Roberto Cláudio (PDT), diagnosticado positivo para o Covid-19 na noite da última sexta-feira, 21.