PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

De kits de higiene a compras para idosos: as boas ações em meio à pandemia do coronavírus

Moradores se mobilizam para ajudar idosos e pessoas que optaram por não sair de casa

Rubens Rodrigues
14:13 | 20/03/2020
O farmacêutico Davi Gurgel, de 26 anos, se dispôs a fazer compras para idosos no condomínio onde mora, no bairro Aldeota (Foto: WhatsApp O POVO)
O farmacêutico Davi Gurgel, de 26 anos, se dispôs a fazer compras para idosos no condomínio onde mora, no bairro Aldeota (Foto: WhatsApp O POVO)

Isolamento social, cuidados redobrados e medidas governamentais pesadas para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19). Em meio aos caos, moradores de Fortaleza encontram formas de praticar boas ações e cuidados com vizinhos que não podem sair de casa, seja por estar com sintomas e gripe, por fazer parte de grupos de risco ou por precaução. Os exemplos de empatia surgem, principalmente, de quem mora em condomínio e pessoas sadias, que de alguma forma continuam trabalhando.

Subiu para 68 o número de casos confirmados do novo coronavírus no Ceará, de acordo com boletim da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa) divulgado na noite desta sexta-feira, 20. A Sesa não divulgou o número de casos suspeitos e descartados. 

Moradora do bairro Vicente Pinzon, a farmacêutica Georgeline Silveira, de 48 anos, é uma dessas pessoas. O exercício de empatia foi se colocar no lugar de quem ainda estava confuso, sem saber o que fazer diante de tanta informação e recomendações. "Aqui no meu prédio tem vários idosos, então procurei ajudar no que pude. Fiz um kit de máscaras, luvas e um sabonete antisséptico que eu produzo no meu trabalho. É um sabonete à base de plantas medicinais que tem indicação antisséptica", explica.

Após produzir 20 kits, ela avisou aos moradores no grupo do condomínio no WhatsApp que faria a entrega e bateu na porta de cada apartamento. O "delivery" foi sem contato, com a sacolinha deixada na porta dos moradores. "Todos nós podemos ajudar. Se cada um fizer sua parte da forma que pode, contribuímos para melhorar um pouco essa situação", indica.

Georgeline Silveira, de 48 anos, produziu 20 kits para vizinhos
Georgeline Silveira, de 48 anos, produziu 20 kits para vizinhos (Foto: WhatsApp O POVO)

Davi Gurgel, de 26 anos, também é farmacêutico e se dispôs a fazer compras para idosos no condomínio onde mora, no bairro Aldeota. "Coloquei um papel no elevador avisando que as pessoas mais velhas não precisavam sair de casa, que elas poderiam contar com outras pessoas do condomínio que não fazem parte do grupo de risco", conta.

"Pessoas mais jovens que estão saudáveis podem sair para comprar coisas que os mais velhos precisam, como medicamentos na farmácia, alimentos e bebidas no supermercado", continua. Ele disse que a ideia surgiu após ver posts nas redes sociais de outras pessoas que fizeram o mesmo Brasil a fora. Mas a boa ação vem acompanhada de um alerta: "Devemos ajudar as pessoas, mas também precisamos nos prevenir".

A microempreendedora individual Angela Morais, de 24 anos, é moradora do Benfica, bairro universitário e lugar de muitos bares que são pontos de encontros populares em Fortaleza e que agora terão que fechar as portas - alguns criaram até vaquinha virtual para se manter.

Para ajudar a reduzir a propagação do vírus e evitar que mais pessoas saiam de casa, no edifício onde mora, ela ofereceu ajuda. "Ainda que a maioria dos meus vizinhos não estejam dentro dos grupos de risco, não custa ajudar as pessoas que estarão de quarentena", diz. "O que nós estamos enfrentando agora é uma crise de saúde pública, o tipo de coisa só dá pra ser resolvido se todos cooperarem. Quanto mais rápido forem nossas ações conjuntas, mais rápido nos livraremos do Covid-19".

Nessa quinta-feira, 19, o governador Camilo Santana editou decreto que estabelece o fechamento de estabelecimentos de comércio, restaurantes, bares, academias, shoppings, entre outros, pelos próximos 10 dias. Apenas serviços essenciais, como supermercados e farmácias, permanecerão abertos no período de quarentena. Nesta sexta, 20, o Senado aprovou decreto de calamidade pública no País.