Peça mescla comédia com reflexões sobre comunidade LGBTQIAP+

Peça "A Cantora Careca" mescla comédia com reflexões sobre comunidade LGBTQIAP+; espetáculo terá exibição única no Teatro São José

Marcado para estrear nesta terça-feira, 18, o espetáculo “A Cantora Cabeluda” traz a comunidade LGBTQIAP+ para o protagonismo por meio da comédia. A produção é do grupo ESCATS e terá uma apresentação única na Sala Gasparina do Teatro Municipal São José.

A trama é uma releitura da peça “A Cantora Careca”, de Eugène Ionesco. Por meio de memes, risadas e reflexões, a montagem bebe do teatro do absurdo (rompe com as tradições aristotélicas, não necessariamente seguindo narrativas lineares) para trazer uma nova perspectiva sobre a rotina de pessoas queer.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Leia também | Reynaldo Gianecchini descobriu doença autoimune durante ‘Priscilla’

“A peça 'A Cantora Careca', de Eugène Ionesco, fala sobre casais cisgênero e heteronormativos na Inglaterra. Pensamos em formas de reescrever essa história, adaptando-a para a realidade de um casal gay aqui de Fortaleza”, conta o dramaturgo Vennicius Oliva (V Oliva), diretor da peça, em comunicado à imprensa.

Na história, dois amigos se encontram para fazer um bolo enquanto surgem conversas e situações inusitadas envolvendo a vida, o universo LGBTQIA+, músicas das divas pop, clichês e memes atuais.

Leia também | Lei Paulo Gustavo: cidades do Ceará repassaram média de 76% da verba

“A Cantora Cabeluda” surge da necessidade de demonstrar, por meio da comédia, as experiências de vida dos criadores Vennicius Oliva, Thiago Alves, Thiago Casemiro e Vinícius Martins.

O espetáculo havia feito sua estreia na Mostra Marmota da Cena, evento criado pelos alunos de Licenciatura em Teatro do Instituto Federal do Ceará (IFCE).

"É para rir, mas é sério": peça denuncia crimes contra LGBTQIA+

Por meio de uma estética lúdica, a peça aponta para a realidade do Brasil, que se manteve no posto de país com mais mortes de pessoas LGBTQIA+ do mundo em 2023.

Foram 257 pessoas da comunidade assassinadas de modo violento, segundo o Grupo Gay da Bahia (GGB), a mais antiga associação de defesa dos direitos humanos dos LGBTs no Brasil.

Ou seja, a cada 34 horas, uma pessoa perde a vida no País devido à sua orientação sexual e/ou identidade de gênero, de acordo com dados do GGB.

Espetáculo "A Cantora Cabeluda"

  • Quando: terça-feira, 18, às 19 horas
  • Onde: Sala Gasparina Germano do Teatro São José (rua Rufino de Alencar, 299 - Centro)
  • Gratuito

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

agenda cultural

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar