PUBLICIDADE
Vida & Arte
Noticia

Plataforma virtual conta histórias de artistas da música cearense

A partir do site Digital da Música Cearense, os internautas podem se adentrar nas narrativas musicais

16:24 | 04/01/2021
Cena do documentário
Cena do documentário "Centauros e Canudos Redivivo", de Pingo de Fortaleza (Foto: Divulgação)

Pingo de Fortaleza é um cantor, compositor e poeta que sempre admirou as vozes femininas. Em sua carreira, já produziu diversas músicas e três álbuns dedicados a cantoras. A partir dessa afeição, iniciou um trabalho de pesquisa em que produziu obras como o livro "Pérolas - O Feminino no Cancioneiro Cearense - 1900-2017, Relatos e Histórias de Vida" e o documentário "Mulheres na Noite - Música em Fortaleza". Essa busca evoluiu e deu origem ao site que hoje é coordenado pela jornalista e produtora Joanice Sampaio, o Digital da Música Cearense.

O portal é um compilado de projetos de Pingo de Fortaleza e disponibiliza todos os materiais gratuitamente, dentre livros, vídeos, partituras e discografias. "Me sinto muito orgulhosa de fazer parte disso pela importância desse resgate cultural", celebra Joanice.

O último feito é a série de quatro episódios "Depoimentos Musicais - Digital da Música Cearense", em que é possível conhecer a trajetória de Pingo, Eliahne Brasileiro, Jord Guedes e Juliana Roza. O músico e responsável pelo projeto conta que busca aprofundar a vida desses artistas reunindo novos relatos em busca de contribuir na construção da memória da música cearense. "Uma coisa é você conhecer a discografia de alguém, outra é saber de onde veio, sua relação com os pais, sua infância...", completa.

Leia também | Fagner estreia na Biscoito Fino com álbum dedicado às serestas

Na série, devido a pandemia do coronavírus, cada um gravou sozinho de sua casa, mas isso não calou a potência das vozes convidadas. Além de Pingo de Fortaleza, saiba um pouco mais sobre as outras artistas:

Eliahne Brasileiro é de Pentecoste, município cearense. Além de cantora, também é compositora, intérprete e preparadora vocal. Com um violão do lado e um tambor na mão, ela compartilha quem é e disserta sobre sua arte.

Já Jord Guedes vem da terra dos indígenas Cariri, no Crato. Seu imaginário é composto pelos saberes nordestinos e leva consigo os ritmos do samba, pop, maracatu e baião.

Juliana Roza, dentre instrumentista, intérprete e compositora também se define como brincante popular. A fortalezense divide com a tela que a música tem um lugar afetivo e harmonioso em sua vida e conta sua história desde o nascimento.

Para o futuro, o site que está no ar há dois anos planeja o lançamento do Prêmio Digital da Música Cearense e a busca por novos depoimentos.

Serviço
Série Depoimentos Musicais – Digital da Música Cearense
Onde: no site e no canal do YouTube Digital da Música Cearense