PUBLICIDADE
Noticia

4,6 milhões de brasileiros perderam o hábito de leitura em quatro anos, indica pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil"

O Instituto Pró-Livro, em parceria com o Itaú Cultural e o Ibope Inteligência, divulgou a quinta edição da pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil", considerado o maior estudo sobre os hábitos de leitura no país

13:00 | 11/09/2020
Número de leitores diminuiu em 4,6 milhões, de acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil (Foto: Aurélio Alves / O Povo) (Foto: Aurelio Alves/ O POVO)
Número de leitores diminuiu em 4,6 milhões, de acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil (Foto: Aurélio Alves / O Povo) (Foto: Aurelio Alves/ O POVO)

4,6 milhões de brasileiros deixaram o hábito de leitura entre 2015 e 2019. Esse é um dos resultados da quinta edição da pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, realizada pelo Instituto Pró-Livro, em parceria com o Itaú Cultural e o Ibope Inteligência. Atualmente, 52% da população pode ser considerada leitora, ou seja, alguém que leu um livro completo ou parte dele em três meses.

Leia mais | Crise no mercado editorial: como escrever novos capítulos?

Essa atenuação pode ser explicada, principalmente, pela maior utilização das plataformas digitais. Dos 8.076 entrevistados de todos os estados, 66% citou que gosta de utilizar a internet durante o tempo livre; 62% preza pelo Whatsapp; e 51% tem preferência também por assistir filmes ou vídeos em casa.

Leia mais | Fim da meia-entrada e taxação de livros: o acesso à cultura está em xeque?

A diminuição aconteceu em todas as classes sociais. Mas o destaque é para as classes mais altas: enquanto a A reduziu em 9% seu índice, a B caiu 7%. De acordo com Zoara Failla, coordenadora do levantamento, essa foi uma das maiores surpresas. Outro ponto que destaca entre os dados alarmantes é a redução da leitura regular entre a faixa etária de 11 a 17 anos.

Leia mais | Festival literário reúne nomes como Gilberto Gil e Emicida em programação gratuita

“A gente não tem bibliotecas para o ensino fundamental e médio. Não podemos descuidar desse espaço que é a formação do futuro leitor. A gente desperta o interesse na infância, mas quem é o mediador a partir dos 11 anos? A família privilegiada não assume o papel de incentivador, e não há políticas públicas suficientes para formar o professor que ensina as crianças de famílias mais vulneráveis”, explica.

Leia mais | Estudante de 17 anos cria projeto de distribuição de livros pelo Instagram

O papel do profissional que incentive o hábito é ainda mais importante quando se percebe um outro fato: 52% das pessoas obtiveram interesse pela literatura por causa da indicação na escola, por meio de professores. Outros estímulos são os filmes baseados em obras escritas, com 48%, e influência de amigos, com 41%.

Leia mais | Contadores de histórias seguem encantando nas redes sociais

Para Marcos Pereira, vice-presidente do Instituto Pró-Livro, a atenuação de leitores demonstra que é necessário investir em políticas públicas. “Quando analisamos os últimos 12 anos, vemos que não estamos indo para lugar nenhum. Claro que precisamos de bons acervos, boas instalações, mas não estão investindo no professor, no contador de histórias, o formador”, comenta.

Podcast Vida&Arte

O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.