PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Poderoso Chefão III terá final "mais apropriado", revela Coopola em parceria com a Paramount

A reedição do clássico será feita pelo produtor e diretor da trilogia original, Francis Ford Coppola com participação do roteirista Mario Puzo e será lançada em dezembro

22:54 | 03/09/2020
"Poderoso Chefão III" terá final "mais apropriado" revela diretor da trilogia original, Francis Ford Coopola. A produção será em parceria com o estúdio Paramount (Foto: Reprodução )

Uma nova versão de "O Poderoso Chefão III", um tardio e muito criticado final a dois dos filmes mais importantes da história, será lançado nos cinemas em dezembro, informou o estúdio Paramount nesta quinta-feira, 3.

O filme que encerra a ascensão e queda da família do crime Corleone foi relativamente mal recebido, mas a nova edição refletirá "a visão original do final" de Francis Ford Coppola, produtor e diretor da trilogia original, e do roteirista Mario Puzo.

"Para esta versão do final, criei um novo começo e fim, e reorganizei algumas cenas, tomadas e entradas de música", disse o diretor de 81 anos em um comunicado enviado à AFP.

"Com essas mudanças, e com o visual e o som restaurados, acho que é uma conclusão mais apropriada para 'O Poderoso Chefão' e 'O Poderoso Chefão II.'

A nova versão, intitulada "Mario Puzo's The Godfather, Coda: The Death of Michael Corleone" (ainda sem título em português) terá um lançamento limitado nos cinemas em dezembro, quando o filme original completa 30 anos, e depois será transferido para as plataformas.

"É um reconhecimento ao título favorito meu e do Mario, e às nossas intenções originais para o que se tornou 'O Poderoso Chefão III'", disse Coppola.

Apesar de não ter sido aclamado pela crítica como os dois primeiros, "O Poderoso Chefão III" foi indicado a sete Oscars, incluindo a categoria de melhor filme.

Lançado 16 anos após o segundo filme da trilogia, o terceiro mostra Michael Corleone, de Al Pacino, aos 60 anos, tentando tirar sua família do mundo da máfia.

O remake envolveu uma "restauração cuidadosa quadro a quadro" do filme original e a inclusão de material inédito, que durou seis meses.

O trabalho, que incluiu consertar arranhões e manchas nos negativos originais, teve que ser interrompido pela pandemia do coronavírus e concluído remotamente.

"O Sr. Coppola supervisionou todos os aspectos da restauração enquanto trabalhava na nova edição, garantindo que o filme não apenas parecesse e soasse puro, mas também atendesse aos seus padrões pessoais e visão de direção", disse Andrea Kalas, vice-presidente de arquivos da Paramount.

Coppola já relançou clássicos como "Apocalypse Now", cuja nova versão foi lançada em 2019.

Ouça o Podcast Vida&Arte