PUBLICIDADE
Noticia

Projeto Maremota ressalta produção de música eletrônica e audiovisual do NE

Cinco filmes que misturam música eletrônica, elaborações de imagem e intervenção digital foram produzidos por artistas de estados nordestinos e serão lançados on-line neste domingo

João Gabriel Tréz
13:38 | 06/08/2020
"Enigma do abismo" (CE), filme feito por Perigo e Trojany (Foto: Produtora Maremota / divulgação)

Partindo de um viés colaborativo e totalmente digital, nasceu em meio ao período do distanciamento e isolamento social uma produtora voltada para a união entre música eletrônica e audiovisual feitas no Nordeste: a Maremota, cujo nome se inspira tanto pela simbologia do fenômeno da natureza como pela ideia de uma prática remota. A intenção é reverberar e amplificar as ondas de criação que nascem nos estados nordestinos. A estreia oficial da produtora ocorre no próximo domingo, 9, a partir das 19 horas, com o lançamento de cinco filmes produzidos de forma distanciada por artistas da região que apostam na aproximação entre experimentações na música e na imagem. O evento se dará na plataforma de transmissão de eventos de música Shotgun.

A Maremota é formada pelo DJ, produtor e co-fundador da coletiva ATRITA, de Fortaleza, Ryan Nogueira (CE); o DJ, músico e co-fundador da coletiva ATRITA Gabriel Farias (CE); a curadora, produtora audiovisual e DJ Anti Ribeiro (SE/PE); o ilustrador, DJ e produtor cultural Allan JNTH (RN); e a dupla de designers Zenóbio Almeida e Ygor Matheus (RN). A iniciativa surgiu na intenção de descentralizar o movimento da música eletrônica e fortalecer artistas do Nordeste.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por maremota (@marem0ta) em

Para tanto, a procura foi por reafirmar as articulações e diálogos já existentes entre artistas das cenas da região para buscar meios de manutenção e financiamento. “Criar essas interconexões na nossa região agora é essencial para mantermos contato e bolarmos planos para estar juntes, seja lá quando a pandemia passar. Estamos aqui, principalmente, para elaborar formas de financiamento para nós, que compomos essa cena na nossa região. Porém, também entendemos que esse processo será longo e estratégico”, afirma a produtora em resposta coletiva.

LEIA TAMBÉM | Como se manter fazendo arte no mercado de lives?

A partir das intenções, foi realizado um processo de curadoria no Ceará, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco à procura de artistas para a criação de obras audiovisuais envolvendo música eletrônica, “entendendo as potências da cena que envolve a música eletrônica e que existe aqui de forma muito particular”, ressalta o grupo. “Buscamos conversar com artistas que vivessem experiências das dissidências de raça, gênero e sexualidade. Entender a contribuição histórica desses corpos para que estejamos hoje trabalhando nesta cena é fundamental para não perder de vista quem tá na linha de frente e na luta que espaços onde possamos estar juntes sejam criados, se multiplique e prosperem”, avançam.

LEIA TAMBÉM | Aproximações e distanciamentos entre as linguagens do teatro e do cinema a partir de espetáculos virtuais

A união entre música e audiovisual é natural para a Maremota, já que, segundo defendem, “as experiências de pista sempre dialogaram com o audiovisual - agora em distanciamento, esse instrumento é ainda mais necessário”. Cada filme produzido reúne até três artistas da música e da imagem residentes em cada estado. Participam das produções que marcam a estreia dos trabalhos da Maremota: Trojany e Perigo (CE); Marxine Bardo e JNTH (RN); Libra, Cherolainne e Tiago Lima (PE); Purpura, Lilit e Canynana (PB); e , Dandara e Neto Astério (SE).

Clique na imagem para abrir a galeria

Os ingressos do primeiro lote do evento de estreia da produtora, no valor de R$ 10, já estão disponíveis. A Maremota separou, ainda, 30 ingressos gratuitos voltados para travestis, transmasculines, mulheres trans, homens trans e pessoas não-binárias. É preciso, para entrar nessa lista, entrar em contato com a produtora Anti no Instagram.

A quantia arrecadada com o evento será destinada para o pagamento da produção das artistas envolvidas. Em relação às ações futuras, a produtora adianta que a intenção é promover um processo de curadoria semelhante ao primeiro voltado para Alagoas, Bahia, Maranhão e Piauí. “Todos esses estados têm referências fortíssimas para nós, então diríamos que é o próximo passo”, afirmam.

Serviço

Maremota Premiere
Quando: domingo, 9, a partir das 19 horas
Onde: evento ocorre em streaming na plataforma Shotgun
Mais informações e contato em: @marem0ta