PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Documentário sobre prisão de Caetano Veloso é selecionado para o Festival de Veneza

"Narciso em Férias" será exibido fora da competição

12:23 | 28/07/2020
Caetano Veloso em cena de
Caetano Veloso em cena de "Narciso em Férias" (Foto: Divulgação)

O documentário "Narciso em Férias", sobre a prisão de Caetano Veloso em 1968 à época da ditadura militar brasileira, será exibido fora de competição no 77º Festival de Veneza, que acontece de 2 a 12 de setembro, na Itália.  A Mostra será marcada pelo cinema italiano, com quatro títulos na competição oficial, assim como pela pandemia de coronavírus que levou o festival a reduzir seu programa e a tomar medidas sanitárias.

O documentário é dirigido por Renato Terra e Ricardo Calil, produzido por Paula Lavigne, em coprodução com a Vídeo Filmes (Walter Salles e Joao Moreira Salles). "No longa, Caetano Veloso relembra sua prisão na ditadura militar, quando ele e Gilberto Gil foram retirados de suas casas e deixados em celas sem nenhuma explicação do regime. Cinquenta e dois anos depois, Caetano relata o período mais duro de sua vida e reflete sobre os 54 dias que passou encarcerado", publicou Caetano em seu Instagram, nesta terça. Confira a publicação: 

O Festival


"A decisão de realizar a 77ª edição da Mostra de Cinema de Veneza é um sinal de confiança", afirma o diretor do festival, Alberto Barbera, citado em um comunicado, no qual também falou de "uma primavera de angústia" (outono no Brasil), seguida da "incerteza". "A Mostra será realizada nas datas previstas, renunciando a algumas coisas", mas "o coração do festival está a salvo", acrescentou Barbera.

A competição oficial inclui 18 filmes, quatro deles italianos, dos diretores Emma Dante ("Le sorelle Macaluso"), Claudio Noce ("Padrenostro"), Susanna Nicchiarelli ("Miss Marx") e Gianfranco Orsi ("Notturno"). Outro filme italiano, "Lacci", de Daniele Luchetti, uma história de infidelidade em um casal napolitano, abrirá o festival, fora de competição. O evento vai de 2 a 12 de setembro.

Ao todo, haverá 60 filmes em cinco categorias diferentes e 15 curtas, assim como uma série de televisão, informaram os organizadores. Há diretores de países como México, Israel, Rússia, Irã, Japão e Índia.

O júri que entregará o Leão de Ouro de melhor filme será presidido pela atriz australiana Cate Blanchett e incluirá a atriz francesa Ludivine Sagnier, os cineastas Christian Petzold, alemão, e Cristi Puiu, romeno, o escritor italiano Nicola Lagioia e as diretoras Joanna Hogg, britânica, e Veronika Franz, austríaca.

Um Leão de Ouro pelo conjunto da obra será entregue à atriz britânica Tilda Swinton e a diretora de Hong Kong Ann Hui.

Com informações da AFP