PUBLICIDADE
NOTÍCIA

"Nada a fazer": Leandra e Ângela Leal finalizam gravações de novo documentário

De acordo com a postagem de Leandra Leal nas redes sociais, o longa-metragem retrata a relação de mãe e filha entre as atrizes

15:32 | 09/07/2020
O documentário
O documentário "Nada a fazer" é fruto da parceria entre Leandra e Ângela Leal (Foto: Reprodução/Instagram/ Leandra Leal)

As atrizes Leandra e Ângela Leal finalizaram as gravações do novo documentário “Nada a Fazer”. O longa-metragem, que será o primeiro contracenado com as duas artistas, foi realizado no período de isolamento social. Com a mãe e a filha fora do Rio de Janeiro, Leandra Leal registra uma perspectiva sobre este momento de pandemia do coronavírus.

“‘Nada a fazer’ retrata e eterniza a relação com a minha mãe e o nosso encontro como atrizes, a nossa relacao com a arte, a importância da arte, do Teatro Rival e da cultura”, afirma em postagem no Instagram @leandraleal. Ainda sem data divulgada para o público, o projeto é uma de suas elaborações durante a circunstância atual.

Leia também | Com poesia, prosa e teatro, confira alguns títulos do "poetinha" Vinícius de Moraes

Além do documentário, a montagem da peça “Esperando Godot”, de Samuel Beckett, também está em processo de produção. O espetáculo mostra o diálogo de dois homens à espera de uma pessoa chamada “Godot”. O lançamento apenas será confirmado quando for possível levar a exibição aos palcos.

Leia também | Com Silvero Pereira e Gyl Giffone, peça "A Metrópole" será exibida este fim de semana no Instagram

“Posso dizer que consegui realizar um dos maiores sonhos da minha vida: contracenar com a minha mãe”, comenta Leandra nas redes sociais. Ângela Leal é, atualmente, dona e gestora do Teatro Rival Refit, localizado no Rio de Janeiro.

Sem a possibilidade de eventos presenciais, a casa comandada pela família Leal realiza transmissões ao vivo em seu canal do Youtube. Em formato de bate-papo, as lives trazem como convidados músicos, atores e outros artistas.

Leia também | Performance interativa convida o público a pensar o mundo pós-pandemia