PUBLICIDADE
Analise

Com Teresa Cristina em destaque, lives de samba se espalham pelas redes sociais durante isolamento; confira agenda

Com uma variedade de estilos musicais sendo apresentada diariamente por meio de transmissões ao vivo nas redes sociais, o samba é um dos destaques de audiência

20:17 | 20/05/2020
Lives da cantora Teresa Cristina (ou, como chamam os fãs, a TT), são a alegria dos seguidores da artista nas noites  (Foto: Divulgação)
Lives da cantora Teresa Cristina (ou, como chamam os fãs, a TT), são a alegria dos seguidores da artista nas noites (Foto: Divulgação)

Com cerveja gelada, petiscos na mesa, convidados e muita música durante a noite. O cenário construído pela cantora Teresa Cristina em suas transmissões ao vivo se assemelha aos dias de roda de samba que tantos brasileiros apreciavam antes do isolamento social.

A artista diariamente faz tributos a importantes nomes do cenário artístico do País. Entre os que já foram homenageados, estão Cazuza, João Gilberto, Gal Costa e Clara Nunes. Com milhares de visualizadores e comentários, ela ainda traz o imprevisto como um elemento essencial das apresentações. Foi por meio dessas situações inesperadas que Caetano Veloso (assista ao vídeo abaixo), Daniela Mercury e Maria Gadú já apareceram de surpresa. Ainda recebe comentários de Anitta, Patrícia Pillar e até do ex-presidente Lula.



O fenômeno que Teresa Cristina representa pode ser visto em diversos outros parceiros do gênero. A primeira transmissão ao vivo da cantora Alcione, que aconteceu em abril, contou com 2,5 milhões de visualizações. A banda Raça Negra, em parceria com Wesley Safadão, teve mais de 13 milhões de acessos. O número da banda Sorriso Maroto, chegou a quase nove milhões.

A saudade desse estilo em momentos de diversão é tão grande que a população quer lembrar um pouco da experiência. O Grupo DTF, tradicional das rodas de samba do Bar da Mocinha, recebeu diversos pedidos de pessoas para que começasse a produzir lives. Por isso, no domingo passado, 17, fizeram sua primeira transmissão pelo Instagram.

"Muita gente mandou direct, mensagem no Whatsapp. Os clientes do bar queriam uma apresentação. Então a gente decidiu fazer um teste pelo celular. A repercussão foi tão boa que clientes e empresários perguntaram quando a gente faria no Youtube, para conseguirem ver da televisão", afirma Ítalo Neto, representante da banda.

Segundo o artista, os integrantes já estão planejando um evento para seu canal em junho e pretendem chegar a 1.000 inscritos. "A expectativa é muito boa. Nosso canal só tinha 100 inscritos, porque antes a gente não se importava muito. Agora está com mais de 400", diz. O objetivo para a próxima data é arrecadar dinheiro para o sustento dos músicos e de outros artistas que estão sendo prejudicados por causa da pandemia.

O gênero musical, que até hoje representa um dos mais marcantes símbolos do país, conecta artista com público mesmo à distância. A sonoridade de influências africanas, portuguesas e indígenas ecoa em todas as plataformas digitais. Essa afeição já era entoada por Dorival Caymmi há décadas: "quem não gosta do samba, bom sujeito não é. Ou é ruim da cabeça, ou doente do pé. O samba da minha terra deixa a gente mole, quando se canta todo mundo bole".

O afeto está presente em dezenas de eventos da capital cearense. Maurição Lima, um dos proprietários do Serpentina Bar & Cultura, idealizou o "Festivalzinho de Música Online" para auxiliar os músicos que regularmente tocavam no estabelecimento. "É uma forma de ajudá-los na manutenção financeira, já que a maior parte não tem outra fonte de renda a não ser sua própria arte. Além dessa questão, acho que o artista tem que estar sempre sendo visto pelo público", comenta.

O local, que é famoso pelo samba semanal, continua fazendo parcerias com músicos do estilo. "Nos finais de semana, tinha uns dez bares que faziam rodas de samba, todos lotados. A cidade se descobriu sambista. Então, no Festivalzinho, também tem isso", diz. Para ele, o Serpentina é um dos responsáveis por propagar ainda mais o gênero em Fortaleza.

São os frequentadores do bar que pedem por mais transmissões. O empresário percebe que, mesmo com o excesso de produções que estão sendo realizadas nas redes sociais, o público se renova. O formato também possibilita o cachê voluntário por parte de quem assiste. "É uma negociação. Cedemos o perfil do bar, que às vezes tem mais visitantes que o perfil pessoal dos artistas. É uma relação que não ganhamos nada dos artistas, não ficamos com nenhum percentual. Cedemos porque as pessoas são nossas amigas. Achamos justo fazer algo por eles", completa.

O "Festivalzinho de Música Online", promovido pelo Serpentina Bar & Cultura em parceria com o Pachamama Cultural, realiza sua terceira edição nesta semana. Até o momento de produção desta matéria, a programação completa não havia sido confirmada. A divulgação será feita pelo Instagram do estabelecimento @serpentinabarcultura.

Não deixe o samba acabar

Diversos sambistas do Brasil conseguem suas rendas por meio das apresentações em casas de shows, bares, restaurantes, entre outros lugares. Com o coronavírus, os profissionais estão impossibilitados de receber dinheiro. Para sair da crise que atingiu todos os setores do cenário artístico, pessoas e empresas estão buscando maneiras de manter uma sustentabilidade.

Exemplo disso é a campanha "Salve o Samba", promovida pelo Giz Cozinha Boêmia, em parceria com Koisa & Tao Produções e Deep Criativa. O objetivo é que a população colabore para auxiliar as pessoas envolvidas nos eventos de samba do restaurante.

Na compra de vouchers no valor de R$ 25, R$ 50 ou R$ 100, o total será revertido em consumação no Giz quando o restaurante voltar a funcionar após o isolamento social. O dinheiro será destinado a famílias que vivem do entretenimento. A divulgação está sendo realizada pelo perfil do Instagram @gizcozinhaboemia.

Outra iniciativa é a de Moacyr Luz e Samba do Trabalhador, do Rio de Janeiro. O grupo, conhecido por suas apresentações nos finais de tarde carioca, estão fazendo transmissões ao vivo nas redes sociais para arrecadar fundos aos músicos e a toda a equipe que trabalha no evento semanal. As doações estão realizadas por meio de vaquinha online. O link está disponível no perfil do Instagram @moacyrluzesambadotrabalhador.

Há também várias redes de apoio aos trabalhadores da cultura no estado, como a "Unidos Venceremos" (no Instagram como @unidos_venceremos_ce). Com a mobilização de centenas de cearenses, a mobilização está reunindo doações para diminuir os impactos financeiros da classe artística durante a pandemia.

No ritmo do samba

O fim de semana está para o samba tanto quanto a dança está para a canção. São várias as lives do gênero, com nomes como Ferrugem, ainda hoje, IMAGINAsamba, no sábado, e Alcione, no domingo.

Samba do Ouvidor
Quando: quinta-feira, 21
Onde: às 17h30min, com Gabriel da Muda, no perfil de Instagram @gabrieldamuda; às 18h15min, com Iuri Bittar, no perfil @iuribittar; às 19 horas, com Ronaldo Gonçalves, no perfil @ronaldogoncalves.oficial; às 19h45min, com Julião Pinheiro, no perfil @juliaorpinheiro

Ferrugem
Quando: quinta-feira, 21, às 20 horas
Onde: no Youtube do artista
Informações: no Instagram @ferrugem

imaginaSamba
Quando: sábado, 23, às 15 horas
Onde: no Youtube da banda
Informações: no Instagram @imaginasambaoficial

Teresa Cristina
Quando: todo os dias, às 22 horas; aos domingos, 12 horas
Onde: lives diárias no Instagram @teresacristinaoficial e lives de domingo no Youtube da artista
Informações: no Instagram @teresacristinaoficial

Grupo Revelação
Quando: domingo, 24, às 16 horas
Onde: no Youtube da banda
Informações: no Instagram @gruporevelacao

Alcione
Quando: domingo, 24, às 19h30min
Onde: no Youtube da artista
Informações: no Instagram @alcioneamarrom

Moacyr Luz e Samba do Trabalhador
Quando: toda segunda-feira
Onde: às 17 horas, com Moacyr Luz, no perfil @moaluz; às 17h30min, com Alexandre Marmita, no perfil @alexandremarmita; às 18 horas, com Gabriel da Muda, no perfil @gabrieldamuda; às 18h30min, com Mingo Silva, no perfil @mingo_silva; às 18h30min, com Nego Álvaro, no perfil @negoalvaro
Informações: no Instagram @moacyrluz e @sambadotrabalhador