Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Influencers e redes sociais: Manifesto desabafo de Soledad

Soledad reflete sobre a cobrança para que artistas se tornem influenciadores digitais
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Opiniao

Cansada de ter que ficar explicando porque não consigo e nem quero aderir à demanda de gerar conteúdo e que o fato de não ter um vídeo ou uma foto aqui todos os dias não significa que não estou cuidando dos meus trabalhos ou estou improdutiva; de ver artistas valioses desistindo porque não conseguem competir ou entrar neste sistema, porque não herdaram uma herança ou um nome, ou porque não têm 10 mil seguidores. De ver poucos com muito, e muitos morrendo. De me sentir culpada por não topar. de dizer que vai dar certo e acalmar a amiga pra ela não surtar. De ver a palavra e o corpo minimizados.

Nos enganam oferecendo $ como qualidade de vida em troca da nossa saúde mental e afetiva. Vale?! Isso tudo só beneficia esse sistema que, neste momento, sequer nos oferece o "pão e circo". O Instagram e o Tik Tok nos usam como bobes da corte. É cruel essa demanda, é desesperador termos que aderir a essa loucura para conseguirmos promover o nosso trabalho.

A pandemia aparece como um expoente das desigualdades sociais e da "privatização da nossa existência", apresentando um novo modo de nos relacionarmos com o estar na Terra e os saberes. Denunciando anos de exploração "colonizadora", pede-nos para produzir visões, desejos e relações novas que vão além do que permite a estrutura conduzida pela ordem imposta pelo patriarcado, para então superarmos as situações que são cada vez mais intoleráveis para a humanidade e, consequentemente, para a natureza. À medida em que o sistema segue implacável, a condição de vida neste planeta é minada. O mundo pesa, mas temos como armas a educação, as artes, a cultura e os esportes que atravessam a história nos dando coragem para sermos radicais e em seguida livres, coexistindo de maneira pacífica, encantada e também revolucionária. São bens valiosos demais para serem banalizados nessas redes que nos empurram para o abatedouro a cada dia.

Artistas e trabalhadores da cultura estão fazendo o que podem e o que não podem para se manter vives, então sejam gentis conosco e compreendam que: lugar de artista é no palco e não no Instagram. Não quero ser influencer.

Soledad é uma artista cearense radicada em São Paulo. Cantora, atriz, poeta e pesquisadora, ela tem dois discos lançados

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Booktokers: conheça os influenciadores do TikTok que incentivam a leitura

Influenciadores de livros
2021-07-19 19:30:00
Autor Clara Menezes
Foto do autor
Clara Menezes Autor
Ver perfil do autor
Tipo Análise

"E minha amiga que é doida pelo Lula e tá casada com um bolsominion? Ele não só é bolsominion, como tem a família inteira de direita, viciada no Bolsonaro. Ela é esquerda, lulista e tem a família toda petista. Eles se conheceram em uma festa antes da pandemia e, na época, não sabiam que eram tão diferentes. Só descobriram depois, quando estavam apaixonados. Mesmo assim, decidiram se casar". É dessa maneira que começa um dos vídeos mais famosos de Patrick Torres na plataforma TikTok. A história pode até parecer uma fofoca, mas, na verdade, o estudante de medicina e também influenciador digital adaptou o enredo do clássico "Romeu e Julieta", de William Shakespeare, para a realidade brasileira.

Ele tem uma dezena de outros conteúdos neste mesmo formato, que foi denominado de "fofoca literária". No total, reúne mais de dois milhões de curtidas e 220 mil seguidores em seu perfil @patzzic. Na contramão do baixo índice de leitura no Brasil, os "booktokers" ganham espaço na rede social do momento por falar sobre livros. A linguagem leve e descontraída se une à literatura para atingir, principalmente, um público jovem. Esses consumidores são diversos: gostam de romance, fantasia, ficção científica, clássicos e tudo aquilo que dialoga com o universo leitor.

Leia Também | Novo filme de Pedro Almodóvar com Penélope Cruz abrirá Festival de Veneza

"Eu estava em casa lendo bastante, vendo alguns filmes e, às vezes, queria criar algumas coisas. Fui para o TikTok porque tem várias ferramentas interessantes para você criar vídeos. Eu criava e mandava os links só para alguns amigos íntimos para eles assistirem. Só que, numa dessas, acabou que muita gente viu e pediu para fazer mais", explica Patrick. Com um processo orgânico e sem nenhuma divulgação, seus vídeos viralizaram. Agora com um dos maiores canais "booktok" do País, ele costuma indicar grandes títulos da literatura nacional e internacional.

Para Patrick, a rede social contribui para aproximar potenciais leitores das obras. Apesar de já serem introduzidos aos clássicos nas escolas, os usuários têm uma visão mais acadêmica do conteúdo. "Estar imerso no dia a dia da internet, de certa forma, contribui para essa sacada que eu consigo ter às vezes e que outros booktokers também têm de falar ao público sobre clássicos de um jeito mais leve. A gente só ganha com isso, porque aproxima obras e leitores em potencial", afirma.

Leia Também | Festival Jazz & Blues segue com inscrições abertas até 30 de julho

Esse é um fenômeno que já existia em outras plataformas: blogs, YouTube, Facebook e Instagram são redes cheias de influenciadores sobre livros. Um dos grandes exemplos é Pedro Pacífico, do perfil @book.ster. Entretanto, no TikTok, a veiculação se torna ainda mais dinâmica por causa da maneira em que os conteúdos são dispostos. Os usuários também são mais jovens. "O TikTok é a rede do momento para o público a partir de 10 anos de idade, que vê as recomendações de livros nesta rede. Se você vê algum livro jovem nas listas dos mais vendidos para este público, pode ter a certeza de que veio de gente recomendando ou mostrando no TikTok. O novo 'boom' de Harry Potter no Brasil ano passado, deve-se, em parte, a isso", avalia Bruno Zolotar, diretor de marketing e vendas da Rocco.

Aproximadamente 40% dos parceiros da editora já marcam presença na rede social, que ganhou mais repercussão no ano passado. De acordo com Bruno, a internet tem papel fundamental para o incentivo à leitura. "Não consigo imaginar a indústria do livro hoje, sem o que a internet agregou, que são milhares de pessoas falando sobre livros nas mais diferentes redes e plataformas. Se o espaço na televisão e no jornal é restrito, podemos dizer que, na internet, ele é ilimitado e feito por pessoas que são apaixonadas por livro, que divulgam por amor a leitura. E isso é muito importante para que o livro continue conquistando novas gerações", pontua.

Leia Também | HBO Max: Três atrizes disputam o papel principal em filme solo da Batgirl

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Do Instagram para o TikTok

Busca por novos leitores
2021-07-19 19:30:00
Autor
Tipo Análise

Diferente de Patrick, Rhayssa Rada, detentora do perfil @minhaestantecolorida, tinha criado primeiro um Instagram com o objetivo de conversar com outras pessoas apaixonadas pela literatura.

"Criei para compartilhar minhas leituras e conversar sobre livros, porque eu não tinha com quem falar sobre eles. Foi algo incrível. Fiz amizades maravilhosas e sempre recebo mensagens de pessoas que, de alguma forma, eu influenciei a ler", comenta.

De acordo com ela, o público que alcançava na rede social de Mark Zuckerberg era quem já tinha alguma proximidade com obras literárias. A diversidade chegou com o TikTok e, depois, com a ferramenta "Reels" no Instagram.

"Nos dois apps o processo de criação requer bastante criatividade. No Instagram, eu tento sempre chamar a atenção para as fotos e convencer o leitor nas resenhas. No TikTok, eu sempre tento ficar ligada nas trends e inovar nos vídeos para prender a atenção das pessoas com mensagens curtas e objetivas", explica sobre a maneira que elabora os conteúdos.

Agora, ela também trata de outras temáticas que envolvem cultura pop: o universo de Harry Potter, os funkos (bonecos colecionáveis) e animes são alguns dos assuntos que gosta e compartilha.

"Na era digital parece que é ainda mais difícil prender a atenção das pessoas em um livro. Por isso a importância de chamar novos leitores. Graças aos vídeos e aos diversos leitores nas redes sociais, isso parece estar mudando", pondera.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Literatura além dos clássicos

cartola
2021-07-19 19:30:00
Autor Clara Menezes
Foto do autor
Clara Menezes Autor
Ver perfil do autor
Tipo Análise

A influenciadora digital Jéssica Martins (@surtandonasleituras) já tinha um perfil no Instagram que estava parado há algum tempo. Foi com o Tiktok que ela reencontrou o público e agora já detém mais de 30 mil seguidores e 582 mil curtidas. Entre vídeos engraçados, trends e indicações, seu maior foco é romances eróticos.

“Nas duas plataformas, acabo tendo um público que ama vídeos curtos com dicas de livros hots e vídeos divertidos. Mas, sem dúvidas, os meus vídeos mais conhecidos são aqueles que indico livros hot para as pessoas (...). Independente da plataforma, quando termino um livro que amo, já penso: ‘Minha nossa, preciso muito indicar esse livro para os meus seguidores e eles precisam conhecer também’”.

Jess, como foi apelidada nas rede sociais, indica que seu maior objetivo é incentivar a leitura independente do gênero. “Acho muito importante as pessoas saberem que elas podem ler o que quiserem, que tem livros para vários gostos diferentes, que você não precisa se envergonhar por gostar de determinado gênero e não de outros”, defende.

Para ela, o público deve entender os benefícios que a leitura traz para a vida. “Acho que é muito importante usar a internet a nosso favor, nesse mundo tecnológico que estamos. Ao invés de indicar tal livro que amou para uma pessoa, porque não indicar para milhares?! Em algum momento, aquele livros poderão fazer a diferença na vida de pelo menos uma pessoa”.

Sua relação com os livros começou cedo e, como muitos brasileiros que hoje são leitores, lia os gibis da Turma da Mônica na infância. Durante a adolescência, parou com o hábito e só retornou depois, quando encontrou a saga Crepúsculo. “Me encontrei no gênero hot, que amo e que começo a indiar um tempo depois, em um momento de esgotamento que estava no meu antigo trabalho e que precisava, urgentemente, me distrair e ser levada para outro universo através das páginas”, recorda.

Por isso, defende que que as pessoas não devem desistir da leitura, mas persistir até encontrar um tipo que gosta. “A pessoa não deve desistir e, sim, achar um gênero que te faça falar: ‘Nossa, nunca pensei que um livro poderia ser tão bom’, pois a leitura pode transformar vidas, assim como transformou a minha. Os livros são onde me encontro. Se estou triste vou ler um livro feliz e sei que no final ficarei com o coração quentinho e aquele momento de tristeza vai amenizar”.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Conheça "booktokers"

2021-07-19 19:30:00
Autor
Tipo Análise

Rhayssa Rada - @minhaestantecolorida
Em sua página, Rhayssa compartilha experiências com livros, sua coleção de "funkos" (bonecos colecionáveis) e dicas de como arrumar a estante.

Jess Martins - @surtandonasleituras
Um dos gêneros favoritos de Jess é o "romance hot". Além de indicações de livros que dialogam com a temática, também traz outras obras.

Tiago Valente - @otiagovalente
Um dos mais famosos "booktokers" brasileiros, Tiago Valente sugere, principalmente, livros infanto-juvenis. Ainda produz conteúdos em que relaciona as referências literárias nas músicas de artistas.

Ivana Amaral - @ivanamamaral
No formato do TikTok, Ivana publica resenhas e indicações. Há livros de suspense, romance e conteúdos cômicos sobre literatura.

Patrick - @patzzic
Patrick também é um dos mais seguidos da plataforma. Ele utiliza a linguagem leve da rede social para falar sobre os clássicos, além de trazer curiosidades históricas sobre livros e autores.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Booktokers: conheça os influenciadores do TikTok que incentivam a leitura

Influenciadores de livros
2021-07-17 10:00:00
Autor Clara Menezes
Foto do autor
Clara Menezes Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

“E minha amiga que é doida pelo Lula e tá casada com um bolsominion? Ele não só é bolsominion, como tem a família inteira de direita, viciada no Bolsonaro. Ela é esquerda, lulista e tem a família toda petista. Eles se conheceram em uma festa antes da pandemia e, na época, não sabiam que eram tão diferentes. Só descobriram depois, quando estavam apaixonados. Mesmo assim, decidiram se casar”.

É dessa maneira que começa um dos vídeos mais famosos de Patrick Torres na plataforma TikTok. A história pode até parecer uma fofoca, mas, na verdade, o estudante de medicina e também influenciador digital adaptou o enredo do clássico “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare, para a realidade brasileira.

Ele tem uma dezena de outros conteúdos neste mesmo formato, que foi denominado de “fofoca literária”. No total, reúne mais de dois milhões de curtidas e 220 mil seguidores em seu perfil @patzzic. Na contramão do baixo índice de leitura no Brasil, os “booktokers” ganham espaço na rede social do momento por falar sobre livros.

A linguagem leve e descontraída se une à literatura para atingir, principalmente, um público jovem. Esses consumidores são diversos: gostam de romance, fantasia, ficção científica, clássicos e tudo aquilo que dialoga com o universo leitor.

“Eu estava em casa lendo bastante, vendo alguns filmes e, às vezes, queria criar algumas coisas. Fui para o Tiktok porque tem várias ferramentas interessantes para você criar vídeos. Eu criava e mandava os links só para alguns amigos íntimos para eles assistirem. Só que, numa dessas, acabou que muita gente viu e pediu para fazer mais”, explica Patrick.

Leia também | Privatização dos Correios: como a situação impacta o mercado editorial?

Com um processo orgânico e sem nenhuma divulgação, seus vídeos viralizaram. Agora um dos maiores canais “booktok” do País, costuma indicar grandes títulos da literatura nacional e internacional.

Para ele, a rede social contribui para aproximar potenciais leitores das obras. Apesar de já serem introduzidos aos clássicos nas escolas, os usuários têm uma visão mais acadêmica do conteúdo.

“Estar imerso no dia a dia da internet, de certa forma, contribui para essa sacada que eu consigo ter às vezes e que outros booktokers também têm de falar ao público sobre clássicos de um jeito mais leve. A gente só ganha com isso, porque aproxima obras e leitores em potencial”, afirma.

Esse é um fenômeno que já existia em outras plataformas: blogs, Youtube, Facebook e Instagram são redes cheias de influenciadores sobre livros. Um dos grandes exemplos é Pedro Pacífico, do perfil @book.ster.

Entretanto, no Tiktok, a veiculação se torna ainda mais dinâmica por causa da maneira em que os conteúdos são dispostos. Os usuários também são mais jovens.

Leia também | Paulo Coelho oferece auxílio para festival de jazz 'antifascista'

“O Tiktok é a rede do momento para o público a partir de 10 anos de idade, que vê as recomendações de livros nesta rede. Se você vê algum livro jovem nas listas dos mais vendidos para este público, pode ter a certeza de que veio de gente recomendando ou mostrando no Tiktok. O novo ‘boom’ de Harry Potter no Brasil ano passado, deve-se, em parte, a isso”, avalia Bruno Zolotar, diretor de marketing e vendas da Rocco.

Aproximadamente 40% dos parceiros da editora já marcam presença na rede social, que ganhou mais repercussão no ano passado. De acordo com Bruno, a internet tem papel fundamental para o incentivo à leitura.

“Não consigo imaginar a indústria do livro hoje, sem o que a internet agregou, que são milhares de pessoas falando sobre livros nas mais diferentes redes e plataformas. Se o espaço na televisão e no jornal é restrito, podemos dizer que, na internet, ele é ilimitado e feito por pessoas que são apaixonadas por livro, que divulgam por amor à leitura. E isso é muito importante para que o livro continue forte como mídia, conquistando novas gerações”, pontua.

Do Instagram para o Tiktok

Diferente de Patrick, Rhayssa Rada, detentora do perfil @minhaestantecolorida, tinha criado primeiro um Instagram com o objetivo de conversar com outras pessoas apaixonadas pela literatura.

“Criei para compartilhar minhas leituras e conversar sobre livros, porque eu não tinha com quem falar sobre eles. Foi algo incrível. Fiz amizades maravilhosas e sempre recebo mensagens de pessoas que, de alguma forma, eu influenciei a ler”, comenta.

Leia também | 10 anos do fim de Harry Potter: o que aconteceu depois da despedida nos cinemas

De acordo com ela, o público que alcançava na rede social de Mark Zuckerberg era quem já tinha alguma proximidade com obras literárias. A diversidade chegou com o TikTok e, depois, com a ferramenta “Reels” no Instagram.

“Nos dois apps o processo de criação requer bastante criatividade. No Instagram, eu tento sempre chamar a atenção para as fotos e convencer o leitor nas resenhas. No Tiktok, eu sempre tento ficar ligada nas trends e inovar nos vídeos para prender a atenção das pesssoas com mensagens curtas e objetivas”, explica sobre a maneira que elabora os conteúdos.

Agora, ela também trata de outras temáticas que envolvem cultura pop: o universo de Harry Potter, os funkos (bonecos colecionáveis) e animes são alguns dos assuntos que gosta e compartilha.

“Na era digital parece que é ainda mais difícil prender a atenção das pessoas em um livro. Por isso a importância de chamar novos leitores. Graças aos vídeos e aos diversos leitores nas redes sociais, isso parece estar mudando”, pondera.

Além dos clássicos

A influenciadora digital Jéssica Martins (@surtandonasleituras) já tinha um perfil no Instagram que estava parado há algum tempo. Foi com o TikTok que ela reencontrou o público e agora detém mais de 30 mil seguidores e 582 mil curtidas. Entre vídeos engraçados, trends e indicações, seu maior foco são os romances eróticos.

Leia também | "A Viagem de Chihiro" completa 20 anos; conheça o Studio Ghibli

“Nas duas plataformas, acabo tendo um público que ama vídeos curtos, com dicas de livros hots e divertidos. Mas, sem dúvidas, os meus vídeos mais conhecidos são aqueles em que indico 'livros hot' para as pessoas. Independente da plataforma, quando termino um livro que amo, já penso: ‘Minha nossa, preciso muito indicar esse livro para os meus seguidores e eles precisam conhecer também’”.

Jess, como foi apelidada, diz que seu maior objetivo é incentivar a leitura independentemente do gênero. “Acho muito importante as pessoas saberem que podem ler o que quiserem, que existem livros para vários gostos diferentes, que você não precisa se envergonhar por gostar de determinado gênero e não de outros”, defende.

Para ela, o público deve entender os benefícios que a leitura traz para a vida. “Acho que é muito importante usar a internet a nosso favor, nesse mundo tecnológico que estamos. Ao invés de indicar tal livro que amou para uma pessoa, porque não indicar para milhares? Em algum momento, aquele livros poderão fazer a diferença na vida de pelo menos uma pessoa”.

Conheça “booktokers”

Rhayssa Rada - @minhaestantecolorida
Em sua página, Rhayssa compartilha experiências com livros, sua coleção de “funkos” (bonecos colecionáveis) e dicas de como arrumar a estante.

Jess Martins - @surtandonasleituras
Um dos gêneros favoritos de Jess é o “romance hot” (eróticos). Além de indicações de livros que dialogam com a temática, também traz outras obras.

Tiago Valente - @otiagovalente
Um dos mais famosos “booktokers” brasileiros, Tiago Valente sugere, principalmente, livros infanto-juvenis. Ainda produz conteúdos em que relaciona as referências literárias nas músicas de artistas.

Ivana Amaral - @ivanamamaral
No formato do TikTok, Ivana publica resenhas e indicações. Há livros de suspense, romance e conteúdos cômicos sobre literatura.

Patrick - @patzzic
Patrick também é um dos mais seguidos da plataforma. Ele utiliza a linguagem leve da rede social para falar sobre os clássicos, além de trazer curiosidades históricas sobre livros e autores.

Podcast Vida&Arte

O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags