Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Após internação por covid-19, pacientes enfrentam distúrbios de sono

17:27 | Set. 13, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Pesquisadores do Instituto do Sono apontam que pacientes internados com covid-19 podem apresentar distúrbios do sono como manifestação de estresse pós-traumático. Durante o período de internação, é comum a piora na qualidade de sono decorrente do atendimento médico em horários diversos, barulho e iluminação excessiva. E, após o retorno para casa, são relatados casos de pesadelos e dificuldades para retomar um sono sem fragmentação.

“O ciclo circadiano [espécie de relógio interno controlado pela luz] está interrompido, então manter um horário de dormir e acordar é fundamental para que ele possa ter melhora na recuperação”, aponta Priscila Kalil Morelhão, pesquisadora do Instituto do Sono. A definição de um horário para deitar faz parte do que se conhece como “higiene do sono”, que envolve uma série de regras para garantir uma noite reparadora.

“O sono é um comportamento essencial para a nossa vida. A gente precisa dormir para que os reparos musculares e reparos na memória ocorram. Se eu não tenho uma boa qualidade do sono, o meu sistema musculoesquelético pode ser afetado, pode ser, não necessariamente é, por atrofias musculares, além de questões como mau humor, ansiedade e depressão”, explica Priscila. Ela destaca que a boa qualidade do sono é fundamental para a recuperação completa de paciente que tiveram covid-19.

A pesquisadora orienta que o ideal é buscar ajuda profissional para que sejam avaliadas as medidas necessárias em cada caso, mas algumas ações podem ajudar pacientes que já estejam num estágio de maior autonomia. Além de ter horário regular para deitar e acordar, é importante evitar estimulantes a partir do fim da tarde, como café. Atividades físicas também podem ajudar na regulação do sono. “Nós recomendamos não fazer essas atividades próximo do horário de dormir, porque pode ter aumento da adrenalina.”

A ingestão de bebidas alcóolicas também impactam na fragmentação do sono. Não é recomendado ainda o uso de eletrônicos, como televisão e celular, antes de dormir. “Todas essas medidas são importantes para que ele possa ter uma melhora da qualidade do sono e consequentemente uma melhor recuperação”, afirma a pesquisadora.

Em paralelo a essas medidas, profissionais de fisioterapia podem avaliar a necessidade de exercícios motores e cardiorrespiratórios. 

O Instituto do Sono sistematizou alguns exercícios que podem ajudar pessoas com dificuldade no sono. Após receber orientação de um profissional, para agilizar o processo de recuperação, o paciente poderá realizar exercícios em casa duas vezes ao dia.

“A pessoa deve começar de forma lenta, bebendo água no intervalo dos exercícios e aumentando a intensidade à medida que sentir mais confiança. Os exercícios devem ser suspensos em caso de febre, palpitações, dor de cabeça e coração acelerado”, alerta o instituto.

 

Exercício de respiração

Respire suavemente, usando o mínimo de esforço possível;

Inspire pelo nariz e expire pela boca, franzindo os lábios como se fosse apagar uma vela;

Tente liberar qualquer tensão em seu corpo a cada expiração;

Gradualmente tente respirar mais lentamente e fechar os olhos para se concentrar na respiração e relaxar.

 

Exercícios motores

Deite-se de lado na cama, dobre a perna de baixo e mantenha a perna de cima esticada;

Levante a perna esticada em direção ao teto;

Abaixe lentamente a perna em direção à cama. Se achar que é muito fácil, segure a perna para cima por 10 segundos.

 

Sentar e levantar

Sentar e levantar 5 vezes de uma cadeira.

 

Fortalecimento de ombro

Sente-se reto em uma cadeira ou fique de pé com os braços ao lado do corpo;

Levante o braço lateralmente até a altura do ombro e lentamente de volta ao seu lado;

Se achar que é muito fácil, segure um peso em suas mãos.

 

Exercícios de perna em pé

Fique de pé com os pés juntos, segurando uma cadeira firme para se apoiar;

Levante a perna de fora para o lado e retorne lentamente à posição inicial;

Repita o exercício levantando a perna para trás ou elevando o joelho para a frente.  Se achar que é muito fácil, repita os movimentos sem segurar na cadeira.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: Distrito Federal vacinará adolescentes de 14 e 15 anos

Saúde
17:13 | Set. 13, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Distrito Federal vai começar a vacinar adolescentes de 14 e 15 anos nesta quarta-feira (15). O avanço para novas faixas etárias foi decidido após o recebimento de 77,2 mil doses da vacina Pfizer para a primeira dose.

Com o que ainda resta nos postos de vacinação, pouco mais de 20 mil doses, no total serão mais de 100 mil doses disponíveis a partir de quarta-feira. A estimativa do governo do Distrito Federal é que haja cerca de 90 mil adolescentes nessas faixas etárias.

Os adolescentes com 16 e 17 anos seguem podendo buscar os postos para se imunizar, bem como faixas etárias mais velhas. A relação dos pontos de vacinação será feita no site da Secretaria de Saúde do DF nesta terça-feira (14).

As informações foram dadas - em entrevista coletiva - por representantes do governo do DF hoje (13).  Já para a segunda dose, o Distrito Federal vai seguir o calendário dos retornos previstos, com adiantamento até o dia 24 deste mês. Em semanas anteriores, a Secretaria de Saúde adiantou a conclusão do ciclo vacinal pela disponibilidade de doses.

Novas doses

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde do DF, Divino Valero, caso a capital da República receba novas doses, poderá ser anunciado o adiantamento até o fim desta semana.

O secretário de Saúde, general Manoel Luíz Pafiadache, destacou hoje a importância da conclusão do ciclo vacinal e da sensibilização das pessoas que receberam a primeira dose para que voltem para tomar a segunda dose dos imunizantes de duas doses (Coronavac, Pfizer e Oxford/AstraZeneca).

“A gente sempre pede para que pessoas que têm consciência, que percebem a importante da vacina, que levem e incentivem quem está em dúvida. É extremamente importante termos uma cobertura vacinal completa”, destacou.

Segundo o subsecretário Divino Valero, o início da aplicação da dose de reforço deverá ocorrer a partir do dia 15, para quando está prevista a chegada de uma remessa de doses específica para essa finalidade.

Até o momento, o Distrito Federal aplicou dois milhões da primeira dose, o que equivale a 79,4% da população adulta da capital, e 67% do conjunto dos moradores. Quanto à segunda dose, foram aplicadas 964,5 mil, correspondendo a 39,32% das pessoas com mais de 18 anos ou 33,2% do conjunto da população do DF.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Vacinação em Fortaleza: veja lista de agendados para esta terça (14/09)

Coronavírus
16:43 | Set. 13, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Prefeitura de Fortaleza divulgou novas listas com os agendamentos para a próxima terça-feira, 14 (14 de setembro). Na Capital, haverá aplicação da primeira dose (D1) para adolescentes e para repescagem de adultos que perderam sua convocação. Além disso, também será realizado o atendimento da segunda dose (D2).

É possível conferir o próprio agendamento, individualmente, por meio da plataforma Vacine Já ou pelo site da Prefeitura de Fortaleza específico sobre Coronavírus. Todos os nomes dos vacinados também são divulgados pela Prefeitura por meio de listas em PDF no site oficial da gestão. 

>> Confira lista da população agendada (D1) para terça (14/09)

>> Confira lista da população agendada (D2) para terça (14/09)

Até a sexta-feira, 10, 966.942 fortalezenses completaram o esquema vacinal contra a Covid-19, por meio da aplicação de duas doses ou com o imunizante de dose única, e garantiram uma maior proteção da doença. Com pelo menos uma das doses, o total de vacinados é de cerca de 1,8 milhões de pessoas. As informações foram divulgadas no Vacinômetro da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

LEIA TAMBÉM | O que fazer se perdi agendamento de primeira ou segunda dose em Fortaleza?

Repescagem da vacina contra a Covid-19: tira-dúvidas

O que levar para a vacinação

No ato da vacinação será necessário, obrigatoriamente, apresentar documento de identidade original com foto, Cartão Nacional de Saúde (CNS) ou CPF e comprovante de endereço no município de Fortaleza, pois serão contemplados apenas residentes da Capital.

Como saber se estou agendado? 

1) Para os fortalezenses, é possível consultar as listas diárias de vacinação publicadas no site Coronavírus Fortaleza e também conferir o cadastro pelo site Vacine Já (vacineja.sepog.fortaleza.ce.gov.br/);

2) No site Vacine Já, digite seu CPF, sua data de nascimento e o código solicitado. A seguir, clique em "Consultar". O sistema vai mostrar seus dados cadastrados e, se o agendamento estiver disponível, vai indicar seu horário e local de vacinação;



3) Quem não reside em Fortaleza deve lembrar que cada município possui uma logística própria de agendamento na vacinação da Covid-19 a partir dos dados do Saúde Digital. Por isso, é importante buscar os canais de comunicação da secretaria municipal de saúde da sua cidade e acompanhar como está o calendário de vacinação onde você mora. Confira no portal da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) os sites de cada prefeitura do Ceará.

Como fazer o cadastro no Saúde Digital? 

No Ceará, é preciso realizar o cadastro na plataforma Saúde Digital para a vacinação contra a Covid-19. O POVO explica como fazer o cadastro na plataforma.

1) Para se cadastrar, é preciso acessar o site Saúde Digital (vacinacaocovid.saude.ce.gov.br/) e clicar em "Ainda não tenho cadastro";


Cadastro de vacinação no Ceará contra Covid-19.
Cadastro de vacinação no Ceará contra Covid-19. (Foto: Reprodução/Site Saúde Digital)


2) Serão solicitadas informações básicas, como país de origem, CPF, nome completo, data de nascimento, nome da mãe, telefone para contato, sexo, raça/cor e informações profissionais. O fornecimento do Cartão Nacional de Saúde (CNS) é opcional;


Para se cadastrar, é necessário preencher os campos com dados pessoais.
Para se cadastrar, é necessário preencher os campos com dados pessoais. (Foto: Reprodução/ Saúde Digital)


3) A próxima fase pede dados de saúde para identificar se a pessoa faz parte de grupos prioritários. Também é questionado se você teve Covid-19 recentemente;


Na segunda etapa, são perguntadas informações sobre a classificação da pessoa em grupos prioritários.
Na segunda etapa, são perguntadas informações sobre a classificação da pessoa em grupos prioritários. (Foto: Reprodução/ Saúde Digital)


4) A última etapa do processo pede o endereço de residência da pessoa, que servirá de base para o agendamento no município de aplicação da vacina;


Na tela seguinte, é necessário fornecer dados sobre o endereço de residência.
Na tela seguinte, é necessário fornecer dados sobre o endereço de residência. (Foto: Reprodução/ Saúde Digital)


5) Após o preenchimento de todos os dados, será aberta uma página para a confirmação de todos os dados. Nela, a pessoa deve criar uma senha de acesso e informar um e-mail;

6) A Secretaria da Saúde enviará um link de confirmação do cadastro para o e-mail fornecido.

LEIA MAISPasso a passo: como se cadastrar para a vacinação contra a Covid-19 no Ceará

O que fazer se o e-mail de confirmação do cadastro não chegar?

Primeiro, confira todas as caixas do seu e-mail, como "spam" e "lixeira". Caso não encontre a mensagem, a Sesa disponibiliza o telefone gratuito 0800 275 1475 para questionamentos sobre o Cadastro Estadual de Vacinação. No site da Sesa e do Governo do Ceará, está disponível também o assistente virtual "Plantão Coronavírus".

Caso a dúvida seja relacionada à imunização em Fortaleza, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) disponibiliza o número 156.


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

"Vacinação é imprescindível para a retomada da economia", diz ministro

Saúde
14:53 | Set. 13, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que vacinação, capacidade de detecção de variantes, higiene e saúde pública são “imprescindíveis” para a retomada da economia global em tempos de pandemia. A afirmação foi feita hoje (13) durante seminário promovido pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

“Todos sabemos que a contenção da pandemia, por meio da vacinação em massa, da vigilância ativa para detectar rapidamente possíveis novas variantes, e das medidas de higiene e saúde pública, é imprescindível para a retomada da economia global”, disse Queiroga.

O ministro reiterou os elogios ao Sistema Único de Saúde (SUS), ressaltando sua relevância para o combate à pandemia e os reflexos das ações na economia do país, em meio a uma crise sanitária. Destacou também a contribuição e o papel estratégico do setor de saúde para a economia.

“O setor da saúde também tem importância econômica estratégica, com crescente participação na composição do valor adicionado total da economia brasileira (7.6%), na geração de renda (9.6%) e no número total de empregos (7.1%), com um crescimento no número de postos de trabalho maior que o observado para a média da economia”, argumentou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Mais de 400 mil adolescentes ainda não se cadastraram para serem vacinados contra Covid no Ceará

saúde
13:30 | Set. 13, 2021
Autor Júlia Duarte
Foto do autor
Júlia Duarte Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

162.711 adolescentes de 12 até 17 anos já foram vacinados contra a Covid-19 no Ceará. O número equivale 39% da estimativa de 414.002 pessoas dessa faixa etária feita pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) com base nos cadastros da Plataforma Saúde Digital. A pasta ressalta que a meta para a vacinação desse público, entretanto, é o dobro, contempla 824.226 meninos e meninas, com base nos números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2021. Considerando esse total, a porcentagem geral de imunização cai para 19,7%.

LEIA MAIS| Covid-19: metade dos municípios começou a vacinar adolescentes no Ceará

"A previsão da vacinação contra a Covid-19 nos adolescentes de 12 até 17 anos no Ceará depende da capacidade de vacinação dos municípios e envio de vacina da Pfizer pelo Ministério da Saúde", ressaltou por nota a secretaria. 

92 municípios já iniciaram aplicação da primeira dose da vacina em adolescentes de 12 a 17 anos.  Número corresponde à metade dos 184 municípios cearenses. O cronograma da aplicação da primeira dose da vacina nesse público ocorre conforme a organização de cada município. A Capital já está vacinando adolescentes de 12 anos.


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Varejo farmacêutico nacional fatura R$ 66 bilhões em um ano e mira indústria de exportação

ECONOMIA
13:19 | Set. 13, 2021
Autor Alan Magno
Foto do autor
Alan Magno Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Entre agosto de 2020 e julho de 2021, o setor varejista farmacêutico no Brasil computou faturamento estimado em R$ 66,07 bilhões. Montante representa crescimento de 14,69% nos últimos 12 meses, conforme levantamento feito pela Fundação Instituto de Administração (FIA) da Universidade de São Paulo (USP) e divulgado nesta segunda-feira, 13, pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

Segmento computa 27.476 empregos diretos e outros 162.230 postos indiretos como colaboradores no primeiro semestre de 2021 e consolida crescimento acelerado em meio a fragilidade econômica gerada pela pandemia de Covid-19. Foram 2,81 bilhões de produtos farmacológicos comercializados em 910 milhões de operações nos últimos 12 meses. 

No evento, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga destaca o amplo potencial de crescimento do setor impulsionado pela maior demanda gerada pela pandemia de Covid-19, porém, frisa a necessidade de modernização no segmento

"É necessário que seja mantido os investimentos na área, principalmente com relação a perspectiva industrial do segmento, não apenas para o consumo e atendimento interno, mas também pensando em exportação farmacológica", destaca.

O segmento de saúde suplementar no País e a cadeia farmacológica nacional, desde a produção de medicamentos até o consumo pelos brasileiros, na visão do gestor federal de saúde representa um núcleo estratégico para o desenvolvimento do País. "Não são apenas as farmácias, temos indústrias da produção de matérias primas, de insumos, toda cadeia química, bioquímica, de atendimento", complementa. 

Queiroga frisa que a constituição de hubs de saúde devem ser estruturados em diversas regiões do País em médio e longo prazo pelo segmento ser "motor indiscutível da economia". Como impulsionadores deste cenário, o ministro pontua a perspectiva de reforma tributária específica para produção e comercialização de medicamentos, a digitalização da cadeia, com fortalecimento do comércio digital e uma maior demanda gerada pelas preocupações com a pandemia. 

Tendências de comércio para o setor

Outro fator associado ao crescimento do segmento farmacológico no País é a adesão de serviços de telemedicina. Scott Langdoc, líder global da Cadeia de Varejo da Amazon Web Services, pontua que para o setor varejista de farmácias no Brasil, a digitalização deve ser a chave para expansão. 

Entre as novas tendências que devem se consolidar nos modelos de negócios para a área estão: 

  • Dinamicidade na compra, com ampla adesão de serviços de atendimento automatizados
  • Investimento em marcas autorais
  • Atendimento personalizado e intimista com cada cliente
  • Monitoramento de dados e padrões de consumo para experiências individualizadas de compra
  • Ampliação intensa de vendas online, por site, redes sociais e plataformas de marketplace

"Os consumidores do setor estão apresentando uma demanda crescente por melhores e mais amplas experiências de consumo, seja com maior independência na compra, facilidade de pagamento, oferta de produtos direcionados para o perfil de cada cliente. Os dados terão papel central na expansão do segmento", pontua Scott. 

Investimentos centrados em experiências de consumo inovadoras, dinâmicas, independentes e com atendimento humanizado e individualizado serão os principais diferenciais entre as grandes redes do segmento. A oferta de produtos e serviços complementares e relacionados a venda de artigos farmacológico irá implementar uma reestruturação física nas farmácias existentes. 

O foco deverá ser o sentimento antes, durante e depois da compra de cada cliente. "Cada marca é diferente, mas definir claramente o conjunto completo de atividades e interações baseadas na tecnologia que podem impulsionar a fidelidade à marca, a frequência e o valor vitalício é uma prioridade crítica e diferenciador de mercado para varejistas de farmácias", reforça o especialista.

Scott detalha sete pontos cruciais de investimentos para as empresas do setor:

>> Personalização da experiência de compra associando valores a cada produto.

>> Execução otimizada de compra com pagamentos digitais e serviços automatizados.

>> Engajamento e consulta de sobre cada consumidor das redes, buscando novos serviços requeridos para melhorar a experiência do cliente.

>> Privacidade, agilidade e segurança nas formas de pagamento.

>> Oferta de entregas dinâmicas, em horários diversos e com consulta prévia ao consumidor devem ser implementadas retorno da empresa com agradecimento ao consumidor pela compra como estratégia de fidelização.

>> Ações de consulta sobre a experiência do cliente com o produto e serviço contratado para criação de banco de dados que guiem reformulações nas unidades de venda.

"Outra perspectiva de crescimento para o segmento é a adoção de métricas de sustentabilidade, de responsabilidade social e no uso de dados para otimizar e aumentar a eficiência dos varejos", complementa.

Ele reforça a necessidade de um monitoramento constante do comportamento dos clientes, especialmente dos motivos que os levam a não comprar algo na unidade como forma de construir um modelo de negócios adaptável a cada padrão de comportamento, seja por região ou por grupo especifico de consumidores. 

"Quanto mais fortalecido estiver o varejo, mais impulsionado será toda cadeia produtiva daquele segmento", complementa ao relacionar as perspectivas de reestruturação industrial da cadeia farmacológica no Brasil com o aumento do consumo dos produtos no País e em eventuais transações econômicas de exportação. 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags