select ds_midia_link from midia where cd_midia = limit 1
Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Médicos apontam aumento da miopia durante a pandemia

Autor - Agência Brasil
Foto do autor
- Agência Brasil Autor
Tipo Notícia

Sete em cada dez médicos entrevistados em um levantamento do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) identificaram progressão de miopia em crianças durante a pandemia. Outros três em cada dez não constataram esse problema entre pacientes.

A pesquisa entrevistou 295 médicos oftalmologistas com diversas subespecialidades, como pediatria, córnea, catarata, glaucoma e retina. O estudo foi realizado em abril e junho deste ano.

Entre os que verificaram aumento dos graus de miopia, 6% apontaram o problema em 75% dos pacientes, 27% relataram a situação em 50% dos pacientes e 67% registraram o quadro em cerca de 25%.

Dos profissionais ouvidos, 75,6% avaliaram que o uso de diversos dispositivos eletrônicos pode agravar o quadro de miopia. Outros 22% entenderam que esse fator pode influenciar, mas apenas com uso de tablets e celulares. Apenas um pequeno percentual não viu relação entre os dois fenômenos.

Celular, televisão e videogames

Quase todos os profissionais ouvidos (98,6%) disseram que a redução do tempo gasto em telas (como celular, televisão e videogames) pode ajudar no caso de crianças míopes. Seis em cada dez entrevistados defenderam as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) sobre o tema.

A SBP orienta que seja evitada a exposição de menores de dois anos a telas, mesmo que passivamente. Para crianças entre dois e cinco anos, o limite deve ser de uma hora de tela, com supervisão. Para a faixa entre seis e dez anos, o tempo não deve ser superior a duas horas, também com supervisão.

Também quase a totalidade dos médicos consultados (96,3%) respondeu que considera o aumento de atividades fora de casa como um fator que pode contribuir para reduzir os graus de miopia em crianças.

Já quanto ao tempo ideal em atividades externas, os entrevistados se dividiram, com a maioria (43,2%) indicando pelo menos duas horas por dia, 31% considerando pelo menos uma hora diária adequada e 10% recomendando pelo menos quatro horas por dia.

O que é a miopia

Miopia é o nome dado a um erro de refração, quando a imagem se forma antes da retina. Ela causa uma visão embaçada, prejudicando a visualização de objetos e imagens que estão mais longe do indivíduo.

Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), há 59 milhões de pessoas com essa condição no Brasil, mais de 25% da população. Em todo o mundo, o número de pessoas com miopia chega a 2,6 bilhões.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Randolfe Rodrigues: CPI da Pandemia e os seus próximos passos

2021-08-02 00:00:00
Autor Randolfe Rodrigues
Foto do autor
Randolfe Rodrigues Autor
Ver perfil do autor
Tipo Opinião

A CPI da Pandemia reinicia seus trabalhos presenciais em 3 de agosto, após o término do recesso legislativo. Nas últimas duas semanas, embora não tenham ocorrido sessões deliberativas ou oitivas de testemunhas, as investigações não foram interrompidas: o tempo foi aproveitado para perícia dos documentos recebidos e cruzamento de informações com os dados já coletados pela CPI.

As suspeitas de adoção pelo governo federal de uma estratégia deliberada de exposição da população brasileira ao novo coronavírus em busca da imunidade coletiva de rebanho é reforçada com a análise minuciosa da documentação em posse da comissão, bem como a aposta no chamado kit-covid, um coquetel de medicamentos sem nenhuma eficácia comprovada contra os casos graves da doença ou mesmo impedimento para a contaminação.

Ainda neste sentido, os trabalhos até agora permitem afirmar que as medidas de contenção do espalhamento do coronavírus também foram negligenciadas pelo governo federal - senão ignoradas.

A tentativa de minimizar a gravidade da pandemia, o boicote ao uso de máscaras e ao isolamento social, a disseminação de desinformação e notícias falsas sobre a crise sanitária, entre outras atitudes, reforçam a negligência na condução do problema.

O volume de dados coletados e analisados ajuda a traçar um panorama da resposta governamental à pandemia do novo coronavírus e explica o elevado índice de contaminações e mortes decorrentes da covid-19 no Brasil.

Porém, foram as denúncias de superfaturamento em contratos e pedidos de propina para a compra de vacinas que explicitaram a trama macabra a qual o povo brasileiro foi submetido.

As suspeitas de corrupção envolvendo a compra de imunizantes para aplicação na população envolve diferentes vacinas e personagens. Entretanto, o esquema identificado é comum a todas as denúncias, isto é, respondem a um mesmo método: o uso de intermediários nas negociações e comissionamento pela participação no processo, com a celebração de contratos superfaturados para posterior distribuição de propina. Em outras palavras, corrupção clássica.

O surgimento dessas denúncias inaugurou um novo momento na CPI da Pandemia, além de obrigar a prorrogação dos trabalhos.

Queremos investigar a fundo as negociações envolvendo a compra de vacinas. Afinal, elas trazem esperança para o controle da pandemia e retomada da normalidade, sendo particularmente perverso usá-las para desvio de recursos públicos.

A previsão é de concluirmos os trabalhos já em setembro. A sociedade brasileira exige urgência nas respostas que elucidem como nos tornamos epicentro mundial da pandemia, além de contabilizarmos mais de cinco milhares de centenas de mortes por covid-19. E quer ver passada a limpo a questão dos imunizantes. Afinal, enquanto o povo pedia por vacina, o governo federal ia em busca de propina.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Brasil tem 20.503 casos e 464 mortes por covid-19 em 24 horas

Saúde
2021-08-01 19:38:10
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Dados do Ministério da Saúde mostram que, em 24 horas, 20.503 pessoas foram diagnosticadas com covid-19 e 464 pessoas morreram da doença.

01/08/2021/Divulgação Ministério da Saúde
01/08/2021/Divulgação Ministério da Saúde

Desde o início da pandemia, o Brasil acumula 19.938.358 diagnósticos e 556.834 mortes por covid-19. Segundo a pasta, 18.645.993 se recuperaram da doença.

Os dados estão na atualização diária sobre a pandemia do Ministério da Saúde, divulgada pela pasta neste domingo (1º). O balanço reúne os registros levantados pelas secretarias estaduais de saúde sobre casos e mortes relacionados à covid-19.

Estados

Com mais de 139 mil mortes, São Paulo é o estado com mais óbitos pelo novo coronavírus; Em seguida estão Rio de Janeiro, com 59.298 e Minas, com 50.611. Acre é o estado com menos mortes, com 1,8 mil óbitos, seguido de Roraima, com 1857 e Amapá, com 1907.

Vacina

Segundo o Ministério da Saúde, foram distribuídas 184.4 milhões de doses de vacina para todo o Brasil. Destas, 142,2 milhões foram aplicadas, sendo 100.9 milhões como primeira dose e 41,4 milhões como segunda dose ou dose única.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Vacinação em Fortaleza: veja listas de agendados para segunda e terça, apenas com D2

IMUNIZAÇÃO
2021-08-01 19:02:00
Autor Ana Rute Ramires
Foto do autor
Ana Rute Ramires Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Fortaleza continuará aplicando apenas a segunda dose (D2) das vacinas contra a Covid-19 na segunda, 2, e na terça-feira, 3. A expectativa da Prefeitura de Fortaleza é imunizar 43 mil pessoas nos dois dias. Ao longo deste fim de semana, também só foi realizada aplicação para completar a imunização de quem já havia recebido a primeira dose (D1). A imunização obedece ordem decrescente de idade.

>> Confira lista da agendados (D2) para segunda-feira (02/08): Clique aqui para baixar o PDF.

>> Confira lista da agendados (D2) para terça-feira (03/08): Clique aqui para baixar o PDF.

Atualmente, de acordo com o Vacinômetro da Prefeitura, já foram aplicadas 1.927.202 de doses de imunizantes contra a Covid-19 na Capital. Ao todo, 1.424.845 receberam uma dose e 502.357 pessoas também receberam a segunda vacina, completando imunização. Última atualização foi feita na quarta-feira, 28, às 22h47min.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: vacinação em massa na Maré, no Rio, ultrapassa 33 mil doses

Saúde
2021-08-01 18:37:41
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A campanha de vacinação em massa do Conjunto de Favelas da Maré contra a covid-19, na zona norte da capital Rio de Janeiro, aplicou 33.774 doses em moradores da comunidade entre a quinta-feira (29) e o meio-dia de hoje (1º). Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro.

Vacinação em massa na Maré supera as expectativas
Vacinação em massa na Maré supera as expectativas - Marcelo Piu/Prefeitura do Rio

O número superou a meta de antecipar a vacinação de 31 mil pessoas entre 18 e 34 anos. Houve ainda a aplicação de segunda dose e a imunização de pessoas fora dessa população jovem que ainda não tinham recebido a primeira dose.

O assessor de Relações Interinstitucionais e médico sanitarista da Fiocruz, Valcler Rangel, informou que amanhã (2) e na terça-feira (3) será feita uma busca ativa em moradores que ainda não receberam a primeira dose. Para ele, a campanha foi bem-sucedida porque teve grande adesão dos moradores. 

“A gente sabia que hoje seria um dia menos concorrido, até porque as pessoas acordam um pouco mais tarde, mas quando chegou perto do meio dia foi muita gente para se vacinar e a gente sabia que tinha superado a meta. Outra coisa importante é que o clima de mobilização foi muito positivo da população, dos voluntários que trabalharam, dos profissionais envolvidos”, disse em entrevista à Agência Brasil. 

Segundo Rangel, houve um consenso de que a ação teve importância para além da vacinação. “Muita gente declarando 'poxa tem alguém preocupado com a gente aqui na favela' que não é, e nem pode ser, só um lugar de batida policial. O clima foi muito favorável”

O sanitarista diz acreditar que a população se sentiu parte do processo. ”Toda a campanha foi discutida com as pessoas de lá. Os representantes das associações de moradores tiveram papel fundamental e participaram diretamente da vacinação. As associações funcionaram como postos de vacinação”.

Covid-19: Rio tem vacinas para imunização até a quarta-feira

Saúde
2021-08-01 17:08:05
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Apesar da programação da Prefeitura do Rio de Janeiro para a vacinação contra a covid-19, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da capital informou que com o estoque atual de imunizantes só será possível continuar com a vacinação até a próxima quarta-feira (4). 

O calendário vacinal desta semana na capital prevê a partir desta segunda-feira (2) uma faixa etária por dia para a vacinação contra a covid-19, começando com quem tem 32 anos, chegando no sábado (7) a quem tem 27 anos. De acordo com a SMS, a programação vai ser cumprida se a pasta receber mais doses.

Na semana seguinte, entre a segunda (9) e o sábado (14), também com uma faixa de idade por dia, serão os que estão entre os 26 e os 21 anos. A Prefeitura do Rio pretende encerrar a vacinação das pessoas com 18 anos ou mais no dia 18 de agosto. Antes disso, na segunda-feira (16), serão os jovens de 20 anos e na terça (17) os de 19 anos. A repescagem está suspensa até que seja concluída a vacinação das pessoas acima de 18 anos. Ao todo, a SMS tem 280 pontos de vacinação em toda a cidade, que funcionam de segunda-feira a sábado.

Distribuição

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) entregou ontem (31) aos 92 municípios do Rio de Janeiro 586.140 doses de vacina contra a covid-19. Foram 283.140 doses da Pfizer para primeira aplicação; 69 mil doses da Oxford/Astrazeneca para segunda aplicação; e 234 mil doses da CoronaVac para as duas aplicações do esquema vacinal.

A capital e os municípios de Niterói, São Gonçalo, Maricá e Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio, puderam retirar os seus lotes diretamente na Coordenação Geral de Armazenagem (CGA) da SES, em Niterói. As regiões Metropolitana I e II, Médio Paraíba, Serrana e Centro Sul receberam as doses por meio de vans e de caminhões, com escolta da Polícia Militar. Já para as regiões Noroeste, Norte, Baixada Litorânea e Costa Verde, a distribuição foi feita por quatro aeronaves, sendo uma do governo do Estado, uma da Polícia Militar, uma do Corpo de Bombeiros e outra da SES.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, com esta remessa, a SES ultrapassou a marca de 15 milhões de doses distribuídas aos municípios. “Estamos avançando na campanha de imunização e o resultado disso é que os dados epidemiológicos estão caindo. Nesta semana, registramos o menor número de internações por covid desde abril”, destacou.

A Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SVAPS) orienta frequentemente as secretarias municipais de Saúde sobre a importância de os responsáveis técnicos e gestores municipais organizarem suas ações de vacinação, respeitando a destinação das doses para a primeira ou segunda aplicação do esquema vacinal. “Essa destinação é sinalizada por meio de Informe Técnico enviado pelo Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, aos estados. A SVAPS ressalta que a distribuição do imunizante é feita de forma proporcional e igualitária a todos os municípios”, disse em nota.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags