Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Dia Mundial do Orgasmo: mais da metade das brasileiras não chega lá

Ainda, 60% das mulheres brasileiras fingem chegar ao clímax. Entre várias causas estão: cansaço, insegurança, medo e até para aumentar a excitação do parceiro
12:04 | Jul. 31, 2021
Autor - Isabela Queiroz Especial para O POVO
Foto do autor
- Isabela Queiroz Especial para O POVO Autor
Tipo Noticia

Neste dia 31 de Julho é comemorado o Dia Mundial do Orgasmo. A data surgiu na Inglaterra, em 1999, por iniciativa de proprietários de sex shops - lojas de produtos eróticos - com o objetivo de alavancar as vendas e ampliar o debate sobre o prazer feminino. Na época, um estudo inglês mostrou que cerca de 80% das mulheres não conseguiam atingir o orgasmo durante o sexo.

No Brasil, e quase 20 anos após a criação da data, a realidade não é muito diferente. Um estudo do Departamento de Transtornos Sexuais Dolorosos Femininos da Universidade de São Paulo (USP) realizado em 2017, concluiu que 55% das brasileiras não têm orgasmos nas relações sexuais. Entre as várias causas, 67% delas responderam que têm dificuldade para se excitar e 59,7% sentem dor na relação.

Há ainda uma pesquisa da Archives of Sexual Behaviors, publicada em novembro de 2019, que afirma que 60% das mulheres em relacionamentos heterrosexuais fingem o orgasmo. A prática é frequente para 55% dessas e os motivos são: cansaço, vontade de terminar logo a relação sexual, disfarçar a insegurança, medo de não chegar a um orgasmo e até mesmo para aumentar a excitação dos parceiros.

Além do principal fator, que é a falta de autoconhecimento, já que mulheres não são incentivadas a se tocar e conhecer o próprio corpo, a educação sexual é precária, heteronormativa e “traumatizante”, não ensinam a anatomia feminina e ainda colocam o sexo como algo não só impuro, mas também que mulheres devem temer, explica Myrella Pontes influencer e estudiosa autodidata sobre sexualidade feminina.

Historicamente, a sexualidade feminina tem sido resumida à reprodução e à satisfação masculina, por questões não só culturais, como religiosas. O sexo por prazer ainda é um tabu. Segundo Myrella, o tema é proibido principalmente quando voltado ao prazer de mulheres e pessoas com vulva, já que a mulher “pura” ainda é o ideal para o patriarcado, que a sustenta com o mito da virgindade.


“Recebo inúmeras dúvidas de seguidoras que mesmo tomando todos os cuidados, sentem muito medo, principalmente de gravidez, e considerando que nosso principal órgão sexual está na nossa mente, gatilhos de medo e ansiedade por exemplo são suficientes para impedir alguém de relaxar e gozar”, relata Myrella.

Não existe um “caminho” para o orgasmo. A influencer que fala sobre sexualidade por meio do seu perfil nas redes sociais explica que há um ponto de partida. “Todos temos e vamos descobrir (ou pelo menos, deveríamos) formas de nos dar prazer, de atingir o orgasmo, mas definitivamente ele é diferente para cada um, mas o ponto de partida ainda é o mesmo: autoconhecimento”, afirma Myrella.

Para mulheres que nunca atingiram o orgasmo, ela ressalta que nunca é tarde para começar a se conhecer. “Se tocar, se descobrir, romper com tabus, culpa e vergonha enraizados, além de descobrir o amor próprio. Nós estamos sempre nos conhecendo, então tenha calma e respeite seu processo, seus limites e seu corpo, temos a vida inteira para isso”, disse.

Já para os homens, o principal é pesquisar e parar de usar a pornografia como referência para o que fazer no sexo. “O corpo feminino inteiro é erógeno e com grande potencial orgástico. Por fim, se tiver uma parceira que tenha vulva, converse com ela, ninguém vai conhecer melhor o corpo do que ela própria. A preliminar começa no diálogo”, finaliza Pontes.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Desfalcado, Fortaleza encara São Paulo e tenta quebrar tabu histórico no Morumbi

Embate tricolor
2021-07-17 00:30:00
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Outrora marcante pela presença de Rogério Ceni no banco de reservas diante da equipe que defendeu por mais de 25 anos, o embate tricolor entre Fortaleza e São Paulo, às 17 horas de hoje, pela 12ª rodada da Série A, tem outro atrativo histórico: um tabu favorável aos donos da casa nos duelos disputados no Morumbi.

Em nove partidas realizadas no estádio, entre Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, o Leão perdeu sete vezes e empatou duas - ainda houve um revés no Pacaembu, em 2019. No cenário geral do duelo, a equipe do Pici também amarga longo jejum: a última vitória foi em 2006, no Castelão, pelo Brasileirão. Desde então, foi derrotada em quatro oportunidades e ficou na igualdade em outras três.

Embalado pela boa campanha - ocupa a quarta posição, com 21 pontos -, o Tricolor de Aço tentará encerrar a marca negativa como visitante e torcer por tropeços de RB Bragantino-SP e Atlético-MG para subir na classificação, de olho na vice-liderança. Os comandados de Juan Pablo Vojvoda aproveitaram os dois jogos dentro de casa para bater América-MG e Corinthians-SP.

"Sabemos que é um jogo muito importante. Viemos de dois placares positivos e vamos tentar fazer história, um feito inédito, que é ganhar no Morumbi. O Fortaleza nunca ganhou, e nós estamos dispostos a fazer história. Estamos trabalhando muito forte para isso", disse o volante Ronald, que deve seguir entre os titulares.

A missão, no entanto, não será simples. O Tricolor do Morumbi passou as nove primeiras rodadas da elite nacional sem vencer e figurou na zona de rebaixamento, mas conseguiu superar Internacional-RS e Bahia em sequência, deixou o grupo da degola e ensaia reação. O foco, entretanto, está dividido com o jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores - visita o Racing, da Argentina, na próxima terça-feira, 20.

Para o embate em solo paulista, Vojvoda não poderá contar com o goleiro Felipe Alves e o atacante Wellington Paulista, lesionados, nem com o volante Felipe, suspenso. Em contrapartida, o volante Matheus Jussa se recuperou de contusão no ombro, viajou com a delegação e está novamente à disposição. Marcelo Boeck será o titular na meta, enquanto Ronald deverá formar dupla com Éderson no meio-campo.

"A gente sabe que o São Paulo já vem de duas vitórias, então já mudou. No Brasileirão eles estão reagindo. Sabemos que vão ter jogo da Libertadores na terça-feira, com certeza vão poupar alguns jogadores, estão com muitas lesões também, mas acho que fica até mais difícil porque os atletas que vão estar em campo vão querer mostrar mais", ponderou o lateral-direito Tinga, que tem atuado como zagueiro.

O São Paulo, por sua vez, não terá o zagueiro Miranda, o meia William e os atacantes Rigoni, Éder e Luciano, todos em processo de recuperação de lesão. Além disso, o técnico Hernán Crespo deverá poupar algumas peças visando o duelo decisivo na Argentina. O comandante argentino, aliás, enfrentará o compatriota pela segunda vez na carreira: no primeiro confronto, à frente do Banfield, foi derrotado pelo Talleres de Vojvoda por 3 a 1.

São Paulo x Fortaleza

São Paulo
3-5-2: Tiago Volpi; Bruno Alves, Arboleda e Léo; Galeano, Luan, Rodrigo Nestor (Talles Costa), Igor Gomes e Reinaldo; João Rojas e Pablo. Técnico: Hernán Crespo

Fortaleza
3-5-2: Marcelo Boeck; Tinga, Marcelo Benevenuto e Titi; Yago Pikachu, Ronald (Matheus Jussa), Éderson, Matheus Vargas e Lucas Crispim; Robson e David. Técnico: Juan Pablo Vojvoda

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo/SP
Data: 17/7/2021
Horário: 17 horas (horário de Fortaleza)
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio/DF
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade/DF e José Reinaldo Nascimento Junior/DF
VAR: Rodrigo Carvalhaes de Miranda/RJ
Transmissão: Premiere, Rádio O POVO CBN e Tempo Real O POVO Online

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

No Morumbi, Fortaleza visita São Paulo pelo Brasileirão

Embate tricolor
2021-07-16 19:29:02
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Outrora marcante pela presença de Rogério Ceni no banco de reservas diante da equipe que defendeu por mais de 25 anos, o embate tricolor entre Fortaleza e São Paulo, às 17 horas deste sábado, 17, pela 12ª rodada da Série A, tem outro atrativo histórico: um tabu favorável aos donos da casa nos duelos disputados no Morumbi.

Em nove partidas realizadas no estádio, entre Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, o Leão perdeu sete vezes e empatou duas - ainda houve um revés no Pacaembu, em 2019. No cenário geral do duelo, a equipe do Pici também amarga longo jejum: a última vitória foi em 2006, no Castelão, pelo Brasileirão. Desde então, foi derrotada em quatro oportunidades e ficou na igualdade em outras três.

Embalado pela boa campanha - ocupa a quarta posição, com 21 pontos -, o Tricolor de Aço tentará encerrar a marca negativa como visitante e torcer por tropeços de RB Bragantino-SP e Atlético-MG para subir na classificação, de olho na vice-liderança. Os comandados de Juan Pablo Vojvoda aproveitaram os dois jogos dentro de casa para bater América-MG e Corinthians-SP.

LEIA MAIS

+ Ronald comemora novas chances no Fortaleza e mira fim de tabu no Morumbi
+ Trio artilheiro do Fortaleza marcou mais gols que 11 clubes da Série A

A missão, no entanto, não será simples. O Tricolor do Morumbi passou as nove primeiras rodadas da elite nacional sem vencer e figurou na zona de rebaixamento, mas conseguiu superar Internacional-RS e Bahia em sequência, deixou o grupo da degola e ensaia reação. O foco, entretanto, está dividido com o jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores - visita o Racing, da Argentina, na próxima terça-feira, 20.

Para o embate em solo paulista, Vojvoda não poderá contar com o goleiro Felipe Alves e o atacante Wellington Paulista, lesionados, nem com o volante Felipe, suspenso. Em contrapartida, o volante Matheus Jussa se recuperou de contusão no ombro, viajou com a delegação e está novamente à disposição. Marcelo Boeck será o titular na meta, enquanto Ronald deverá formar dupla com Éderson no meio-campo.

O São Paulo, por sua vez, não terá o zagueiro Miranda, o meia William e os atacantes Rigoni, Éder e Luciano, todos em processo de recuperação de lesão. Além disso, o técnico Hernán Crespo deverá poupar algumas peças visando o duelo decisivo na Argentina. O comandante argentino, aliás, enfrentará o compatriota pela segunda vez na carreira: no primeiro confronto, à frente do Banfield, foi derrotado pelo Talleres de Vojvoda por 3 a 1.

São Paulo x Fortaleza

São Paulo
3-5-2: Tiago Volpi; Bruno Alves, Arboleda e Léo; Galeano, Luan, Rodrigo Nestor (Talles Costa), Igor Gomes e Reinaldo; João Rojas e Pablo. Técnico: Hernán Crespo

Fortaleza
3-5-2: Marcelo Boeck; Tinga, Marcelo Benevenuto e Titi; Yago Pikachu, Ronald (Matheus Jussa), Éderson, Matheus Vargas e Lucas Crispim; Robson e David. Técnico: Juan Pablo Vojvoda

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo/SP
Data: 17/7/2021
Horário: 17 horas (horário de Fortaleza)
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio/DF
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade/DF e José Reinaldo Nascimento Junior/DF
VAR: Rodrigo Carvalhaes de Miranda/RJ
Transmissão: Premiere, Rádio O POVO CBN e Tempo Real O POVO Online

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags