PUBLICIDADE
Saúde
Noticia

Quão rápido cachorros aprendem novas palavras?

Estudo analisa capacidade de aprendizado de cães e situações que facilitariam a aquisição de novos vocabulário. Pesquisa revela ainda que memória canina é curta

00:03 | 01/02/2021
Cientistas pesquisas inteligência dos cachorros (Foto: Aurélio Alves)
Cientistas pesquisas inteligência dos cachorros (Foto: Aurélio Alves)

Todos conhecemos a incrível capacidade farejadora dos cães. Este talento é usado em muitas áreas, na detecção de drogas pela polícia e também na medicina. Um bom olfato pode salvar vidas: cães podem farejar câncer, malária e até covid-19. Provavelmente não há nada que os amigos de quatro patas altamente sensíveis não possam farejar, de pessoas soterradas a dinheiro! Cães são, sem dúvida, muito talentosos. Mas com que rapidez eles podem aprender palavras? "Senta!", "Fica!" ou "Deita!" são comandos familiares para quase todos os cães, desde que tenham vontade − mas parece haver alguns amigos de quatro patas altamente dotados que aprendem particularmente rápido.

O projeto Cão de Família, do Departamento de Etologia (estudo do comportamento animal) da Universidade Eötvös Loránd, em Budapeste, está estudando os cães superinteligentes. A border collie norueguesa chamada Whisky, já conhecido por suas habilidades de categorização, e Vicky Nina, uma yorkshire terrier do Brasil, fizeram parte da experimento, no qual foi testada a capacidade das cachorras de aprender uma nova palavra após ouvi-la, no máximo, por quatro vezes.

"Onde está o brinquedo?"

"Queríamos saber sob quais condições os cães com talento especial podem aprender novas palavras. Para testar isso, expusemos Whisky e Vicky Nina às novas palavras sob duas condições diferentes", explica Claudia Fugazza, autora principal do estudo, "tanto em um contexto de exclusão quanto em um contexto socialmente lúdico com seus donos. É importante notar que os cães ouviram o nome do novo brinquedo exatamente quatro vezes em ambas as situações".

Houve duas situações diferentes: primeiro, os cães foram solicitados a aprender a nova palavra em uma tarefa baseada na exclusão. Nesta, foram apresentados ao cachorro sete brinquedos que ele conhecia, aos quais foi acrescentado um novo, desconhecido. Então foi testado se Whisky e Vicky Nina escolheriam o novo objeto quando ouvissem seu nome quatro vezes.

Escolha por exclusão

No segundo teste, houve a participação dos proprietários dos cães, que ao brincarem com o animal disseram quatro vezes o nome do novo objeto. Na tarefa baseada na exclusão, os cães mostraram ser capazes de selecionar o brinquedo certo quando seus donos diziam o nome do novo objeto. Isto confirma que eles podem escolher por exclusão − ou seja, eles excluíram todos os outros brinquedos porque já sabiam seu nome. E escolheram o único que não tinha um nome até agora. No entanto, Whisky e Vicky Nina não aprenderam realmente o nome do novo brinquedo. Isto porque os cães falharam quando testados em sua capacidade de reconhecer o brinquedo pelo nome ao serem confrontados com outro brinquedo e um novo nome.

Por outro lado, o segundo ambiente de teste social provou ser a melhor maneira de aprender o nome do novo brinquedo. Depois de ouvirem o nome algumas vezes, Whisky e Vicky Nina conseguiram selecionar os objetos corretos. "Tal aprendizado rápido parece ser semelhante à forma como as crianças humanas formam seu vocabulário por volta dos dois ou três anos de idade", disse Adam Miklósi, chefe do departamento de etologia e coautor do estudo.

Cães superinteligentes?

Para testar se a maioria dos cães pode aprender palavras desta maneira, outros 20 cachorros foram testados sob as mesmas condições, mas nenhum deles mostrou sinais de terem aprendido os nomes dos brinquedos. Isto confirma que o aprendizado rápido é realmente raro e apenas presente em alguns cães mais talentosos.

O estudo também mostrou que a memória de Whisky e de Vicky Nina se deteriora rapidamente. Enquanto os cães tiveram sucesso no primeiro teste − realizado alguns minutos depois de ouvir os nomes dos brinquedos − eles não tiveram tanto êxito nos testes seguintes, feitos após dez minutos e uma hora. Portanto, mesmo os gênios do mundo animal provavelmente precisam de mais treino para memorizar novas palavras em longo prazo.

Para descobrir mais sobre o tema, pesquisadores da Universidade Eötvös Loránd lançaram recentemente a competição Genius Dog Challenge, que busca o cachorro mais inteligente do mundo. Vicky Nina infelizmente morreu nesse ínterim e não pôde participar. Já Whisky faz jus a sua reputação de altamente dotado e já reconhece mais de 100 nomes de brinquedos.

Autor: Hannah Fuchs