PUBLICIDADE
Saúde
Noticia

Confira as principais vacinas que crianças devem tomar até os 9 anos

PNI organiza calendário de vacinação entre crianças, adolescentes, adultos, idosos, gestantes e viajantes. É através das vacinas que nosso sistema imunológico nos protege e garante que casos de poliomielite, caxumba ou rubéola não voltem às crianças brasileiras.

Marília Freitas
20:06 | 13/01/2021
FORTALEZA, CE, BRASIL, 15-08-2015: Criança recebe dose de vacina. Dia D da Campanha de Vacinação contra a paralisia infantil, no posto de saúde Paulo Marcelo, no Centro. (Foto: Edimar Soares/O POVO) (Foto: EDIMAR SOARES)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 15-08-2015: Criança recebe dose de vacina. Dia D da Campanha de Vacinação contra a paralisia infantil, no posto de saúde Paulo Marcelo, no Centro. (Foto: Edimar Soares/O POVO) (Foto: EDIMAR SOARES)

Atualizada em 14/1/2021, às 18h30min

A dor e o medo temporário da aplicação presume uma segurança ao longo da vida: o calendário de vacinação infantil é viabilizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) e há 45 anos no País avalia o alcance da cobertura vacinal para o público. Através da distribuição gratuita de vacinas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Ceará disponibilizará até 2021 um total de doze vacinas entre o nascer aos nove anos, variando entre doses únicas ou mais.

Se hoje não temos casos de caxumba, rubéola ou polimielite confirmados em crianças no Estado, agradeça às vacinas e às amplas campanhas brasileiras de imunização: antes mesmo de convivermos com a doença e com suas consequências, temos as respectivas vacinas disponíveis no SUS, impedindo os casos. É por meio delas que o sistema imunológico cria anticorpos e nos protege.

Nos primeiros minutos de vida, já nos protegemos com as doses únicas da vacina BCG — famosa pela cicatriz no braço — e a de hepatite B. Aos dois meses, iniciamos a vacinação de rotina contra a poliomielite através da vacina inativada (VIP), administrada em três doses até os três meses, e da vacina oral contra a poliomielite (VOP) com dois reforços até os quatro anos de idade. Inclusive, a vacina contra a poliomielite foi incentivo para o Ministério da Saúde (MS) criar o mascote Zé Gotinha em 1986 que permanece até hoje.

“Imagina quantas crianças morriam ou ficavam com sequelas de doenças infecciosas e que hoje em dia nem ouvimos falar? As vacinas de modo geral afetaram positivamente a humanidade toda e aumentaram nossa qualidade de vida”, evidencia o imunologista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Edson Teixeira. “Por menor que seja a cidade, tendo uma equipe de Saúde da Família e um posto de saúde, você tem uma sala de vacinação. Conseguimos distribuir vacina com qualidade devido a isso”.

Até os seis meses, já tomamos as primeiras e segundas doses da vacina contra o rotavírus humano, a vacina da Pneumocócica 10 (doenças causadas pelo pneumococo como meningite, pneumonia e otite) e a vacina da Meningocócica C (contra meningite e meningococcemia). A vacina pentavalente (pcontra doenças como coqueluche, tétano, hepatite B e difteria) e a vacina inativada (VIP) da poliomielite são aplicadas com três doses no intervalo de tempo.

A partir dos nove meses tem a dose inicial da febre amarela. Aos doze meses, há o reforço na vacina da Pneumocócica 10 e Meningocócica C, ainda a primeira dose da tríplice viral (protege contra sarampo, caxumba e rubéola). Aos 15 meses, temos o 1º reforço da vacina DTP (difteria, tétano e coqueluche) e da poliomielite, e as doses únicas da tetra viral (Sarampo, caxumba, rubéola e varicela) com a da Hepatite A. Os reforços são importantes para que os níveis de imunidade no corpo voltem a subir no organismo

No calendário infantil, aos quatro anos, há o reforço da DTP, da poliomielite, febre amarela e da vacina varicela monovalente (protege contra a varicela). Aos nove anos de idade, está disponível na rede pública a vacina contra o Papilomavírus Humano, conhecida como vacina da HPV, e que pode ser aplicada até os 14 anos, 11 meses e 29 dias. Tudo é disponibilizado gratuitamente pelo SUS.

Entretanto, o Brasil vem observando uma queda em seus índices de cobertura vacinal (ICV) infantil. No Ceará, a vacina BCG teve uma cobertura vacinal de 63,47% em 2020, resultado abaixo dos índices de 86,05% em 2019 e de 104,89% em 2018. O índice ideal de vacinação é próximo dos 95%, o que mostra uma drástica redução no ICV.

Os motivos para a redução são múltiplos, avalia a pediatra e diretora da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBIm), Flávia Bravo. A pandemia e falta da lembrança da devastação da doença é um dos principais fatores. “Você não temendo a doença, passa a discutir se existe validade em vacinar”, pontua referindo-se ao sarampo, doença que voltou a circular no País devido à queda do ICV. “Temos que manter as doenças sob controle e só conseguimos isso através da vacinação em massa. Precisamos de cobertura vacinal para diminuir os agentes”, alerta Flávia.

Outra dificuldade de acesso às vacinas do calendário infantil seriam a alta oferta de pedidos junto à baixa produção dos antídotos. "Por exemplo, poucas empresas fabricam o antígeno, mas fornecem para o mundo todo", cita a diretora. Ainda, os horários comerciais dos postos seriam outro problema. Caso o responsável pela criança esteja trabalhando entre às 8h às 18h, provavelmente não será possível vaciná-la naquele horário. O crescimento de movimentos antivacinas também é chave na redução da cobertura vacinal.

"Eu quero acreditar que o brasileiro sempre adorou vacina. Isso vem mudando, mas acredito que ainda não é um sentimento geral. Mesmo porque quando observamos grupos antivacinistas, é uma camada da população com acesso à informação", relembra a diretora.

A redução da ICV, inclusive, motivou o primeiro censo de vacinas em 14 anos. Até meados de março, Fortaleza participará de estudo que propõe estimar a cobertura vacinal aos 12 meses, aos 18 meses e aos 24 meses de vida em nascidos vivos entre os anos de 2017 e 2018 nas áreas urbanas brasileiras. Deverão ser avaliadas 1.808 crianças através de entrevistas e de uma foto da caderneta de vacinação.

Confira as vacinas que crianças devem tomar, do nascer aos nove anos de idade:

  • Ao nascer: BGC e Hepatite B (dose única)
  • Dois meses: 1º dose do Rotavírus, Pentavalente, Poliomielite e Pneumocócica 10
  • Três meses: 1º dose da Meningocócica C
  • Quatro meses: 2º dose da Rotavírus, Pentavalente, poliomielite e Pneumocócica 10
  • Cinco meses: 2º dose da Meningocócica C
  • Seis meses: 3º dose da Pentavalente e da poliomielite
  • Nove meses: dose inicial da febre amarela
  • Doze meses: reforço da Pneumocócica 10; 1º reforço da Meningocócica C; e 1º dose da Tríplice viral
  • Quinze meses: 1º reforço da DTP; 1º reforço da Poliomielite; e doses únicas da Tetra Viral e da Hepatite A
  • Quatro anos: 2º reforço da DTP; 2º reforço da vacina contra a poliomielite; Reforço da vacina contra a febre amarela; 2º dose da Varicela monovalente
  • Nove anos: dose da vacina contra a febre amarela e duas doses da HPV.


Grupo da UFC tira dúvidas sobre vacinações

O Laboratório Integrado de Biomoléculas (Libs/UFC) do Departamento de Patologia e Medicina Legal abriu em sua página no Instgaram (@libsufc) uma sessão tira dúvidas sobre vacinas e a Covid-19.

Para enviar perguntas, basta preencher o formulário no link do perfil @libsufc. As perguntas são respondidas diariamente nos stories.