PUBLICIDADE
Saúde
Noticia

Dicas para parar com o soluço e mitos envolvidos: levar susto resolve?

Gastroenterologista explica por que o soluço acontece e esclarece o que pode funcionar para acabar com o problema

Lais Oliveira
16:32 | 14/02/2020
Beber água estão entre as medidas mais utilizadas pelas pessoas para parar o soluço
Beber água estão entre as medidas mais utilizadas pelas pessoas para parar o soluço (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Quem nunca perdeu a paciência por causa do soluço? O problema é comum e pode ser definido como contração involuntária do diafragma. No momento em que ele contrai, as cordas vocais são fechadas e é produzido aquele som característico que chateia muita gente. O POVO ouviu com um especialista para saber qual a melhor forma de lidar com o problema e esclarecer mitos comuns sobre o soluço.

O gastroenterologista Miguel Ângelo, do Hospital Universitário Walter Cantídio, explica que o soluço é um sintoma, não uma doença, e pode ter causas diversas. “São vários fatores que podem predispor. Normalmente são causas específicas e que não correspondem a uma doença encoberta”, tranquiliza. O médico cita refeições em grande quantidade e excesso de bebida alcoólica como algumas das motivações para os soluços.

O tempo de duração considerado aceitável para soluços é de até 48 horas. Depois disso, se o soluço persistir, o ideal é procurar atendimento médico. Mesmo que seja apenas um problema comum na maior parte dos casos, o soluço também pode ser indicativo de doenças. Entre elas estão refluxo, inflamação no esôfago, na laringe e na faringe e ainda doenças neurológicas e metabólicas mais graves.

Ainda conforme o médico, todas as alternativas populares utilizadas com o objetivo de parar o soluço, não têm fundamentação científica, mas podem funcionar eventualmente. O gastroenterologista pondera que não há problemas em aplicar aquelas que não apresentam nenhum risco à saúde. Para evitar o soluços, Miguel Ângelo orienta a evitar situações de estresse e a ter cuidado com o excesso de bebida alcoólica. 

Veja algumas recomendações que podem funcionar com o soluço e o outras que não passam de mito:

Beber água

PODE FUNCIONAR. Tomar água em goles pequenos pode ajudar a controlar a respiração e colaborar para parar os soluços.

Prender a respiração

PODE FUNCIONAR. Parar a respiração por um breve momento colabora para ritmá-la e fazer com que volte ao normal. Mas não exagere, respeite seus limites.

Colocar o dedo na faringe

PODE FUNCIONAR. Inserir o dedo na proximidade da faringe, na região conhecida como “céu da boca", pode estimular o nervo que está relacionado ao soluço e interromper a crise.

Levar susto melhora o soluço

PODE FUNCIONAR. Eventualmente, por se bloquear a respiração naquele momento, o susto pode interromper os soluços. Porém, a medida é prejudicial para pessoas cardíacas. O recomendado é não fazer.

Pressionar os joelhos dobrados contra o peito ajuda a acabar com o soluço

PODE FUNCIONAR. A posição exige espaço pois a pessoa precisa estar deitada. Ela pode ajudar porque interfere no ritmo da respiração, ajudando a normalizá-la.

Tomar água de ponta cabeça resolve o soluço

MITO. Não faz diferença a posição em que a água é tomada. Além disso, não é nada prático.

Engolir miolo de pão é eficaz contra o soluço

MITO. Não há nenhuma relação entre os ingredientes do pão e uma solução para os soluços.

Comer gelo moído funciona contra as crises

PODE FUNCIONAR. Devido à baixa temperatura, o gelo moído estimula a região da faringe e pode ajudar com os soluços.

Colocar pedaço de linha úmida na testa do bebê ajuda a acabar com o soluço

MITO. Essa recomendação para bebês não tem qualquer ligação com o soluço. O refluxo é comum em crianças com menos de 1 ano de idade e é também um dos motivos para o soluço. Portanto, se uma criança tem soluços com frequência, a recomendação é buscar assistência médica.

Tomar antiácido

MITO. Isso não é medida caseira, é uma remediação para quem tem refluxo. Antiácidos devem ser tomados sobre prescrição médica. Quem tem refluxo, precisa ter procurar um médico.

LEIA TAMBÉM | 10 dicas para acabar com soluços