PUBLICIDADE
Saúde
Doença de Haff

Casal é infectado com doença rara que deixa a urina preta por peixe comprado em Fortaleza

Casal é cearense, vive em São Paulo e comeu peixe comprada em Fortaleza

14:30 | 04/10/2018
 
Casal cearense foi vítima de doença rara após comer peixe comprado em Fortaleza. A advogada Karyne Castro, 39 anos, e o marido, Handerson Castro, 38, moram em São Paulo e levaram a carne após visita à Capital do Ceará. Os dois foram infectados com a doença de Haff, complicação que deixa a urina da vítima escura e causa dores intensas. A informação foi divulgada pela Folha de S. Paulo

Karyne e Handerson dizem ter comido o peixe, conhecido como arabaiana ou olho-de-boi, em duas ocasiões, ambas em agosto deste ano. Na primeira, sentiram algumas dores temporárias. Quatro dias depois, após ingerirem o alimento novamente, precisaram ser internados na unidade semi-intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein.
A doença é provocada por toxina presente na carne dos animais. O produto danifica os músculos do corpo humano, satura o sangue de proteína e sobrecarrega os rins. A enfermidade perde força com o passar dos dias. A preocupação dos médicos é com os danos que podem causar definitivamente às funções renais. Atualmente, o casal já teve alta e é monitorado semanalmente por médicos. 

Urina preta

Em fevereiro de 2017, os cearenses ficaram em alerta com pelo menos dez casos da doença no Estado. À época, foi chamada de “doença da urina preta”. Pesquisas ligaram o sintoma à real enfermidade: doença de Haff. Artigos de Antonio Carlos Bandeira, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Gúbio Soares, também da UFBA, e outros 11 pesquisadores foram publicados sobre o assunto. 

Estudos analisaram fezes, urina e sangue de 15 pacientes. Destes, 14 pessoas relataram o consumo de peixe – a maioria olho de boi (Seriola spp) e badejo (Mycteroperca spp). A 15ª pessoa afirmou ter ingerido comida baiana, o que possivelmente poderia incluir essas espécies.

Os primeiros casos de doença de Haff foram descritos em 1924, na Rússia e na Suécia, e envolveram o consumo de diferentes peixes de água doce. No Brasil, um surto de 27 casos de doença de Haff ocorreu em 2008, durante 4 meses no estado norte do Amazonas. Os peixes de água doce pacu-manteiga (Mylossoma duriventre), tambaqui (Colossoma macropomum) e pirapitinga (Piaractus brachypomus) foram os causadores.
 
Redação O POVO Online