PUBLICIDADE
Saúde
saúde feminina

O que diz a ciência sobre a vaporização vaginal, prática que está na moda

Prática ficou conhecida após a atriz norte-americana Gwyneth Paltrow divulgá-la em seu site de estilo de vida, onde dá dicas sobre "tendências de saúde"

00:11 | 05/09/2018
Prática que está atualmente na moda, a vaporização vaginal consiste em sentar-se sobre um recipiente com água quente misturada à ervas aromáticas, permitindo que a região genital feminina receba o vapor. A terapia alternativa serviria para para desintoxicar, tonificar, limpar o útero e trazer reequilíbrio hormonal. Ela ficou conhecida após a atriz norte-americana Gwyneth Paltrow divulgá-la em seu site de estilo de vida, onde dá dicas sobre "tendências de saúde". As informações são da BBC Brasil.
 
Gwyneth Paltrow compartilhou a prática em seu site de estilo de vida, popularizando ainda mais a prática. (Foto: Reprodução/Instagram)
 

Em alguns lugares, como Nigéria e Coreia do Sul, o tal banho de vapor já era bastante comum. Mesmo não tendo sido aprovada por agências de saúde britânicas, a vaporização custa por volta de 35 libras (R$ 185) no Reino Unido. Nos Estados Unidos, onde também não foi aprovada, custa cerca de US$ 50 (R$ 200). No Brasil, os kits de ervas para realizar a prática em casa custam a partir de R$ 10.

Embora seja muito famosa, médicos e pesquisadores afirmam que não há nenhuma evidência científica de que a vaporização tenha algum benefício para a saúde. Em alguns casos, ela pode até fazer mal.

"A vagina e o útero se mantém limpos sozinhos", explicou à BBC a médica Suzy Elneil, especialista de urinoginecologia do hospital University College, em Londres. Além disso, a vagina tem uma série de bactérias que são naturais ao corpo e essenciais para o bom funcionamento do sistema genital feminino. Especialistas afirmam que a água simplesmente leva tudo embora, mesmo as bactérias "boas".

Os médicos deixam claro que é importante não confundir a vagina (parte interna que liga o útero com o exterior) com a vulva e os lábios, que ficam do lado de fora. Estes sim, precisam de limpeza, feita preferencialmente com água e sabonete neutro.

Sobre o suposto reequilíbrio hormonal oferecido pelos vapores, os especialistas explicam que hormônios são substâncias produzidas pr glândulas no cérebro e órgãos como o pâncreas e os ovários. Os hormônios "viajam" pela corrente sanguínea e têm efeitos específicos nos órgãos para os quais são destinados. As substâncias que poderiam vir a afetar a produção dos hormônios não podem ser absorvidas pelas paredes vaginais no contato com o vapor.

A tonificação também não seria possível somente por meio dos vapores, já que vem dos músculos. Além disso, a alta temperatura também traz riscos. Esquentar a vagina acima da temperatura do corpo (37°C) aumenta o risco de proliferação de bactérias ruins e fungos, como os que causam candidíase.

Os relatos de mulheres que dizem ter percebido melhorar após a prática, segundo os especialistas, seria o efeito placebo: quando um paciente recebe um tratamento não eficaz, mas que apresenta resultados graças ao efeito psicológico da crença do paciente de que está sendo tratado.
 
Redação O POVO Online