PUBLICIDADE
Saúde
CANADÁ

Estudo sugere que falhas na memória são importantes para o cérebro

21:47 | 22/08/2017
Uma pesquisa de cientistas canadenses sugere que o esquecimento pode ter sua importância para a preservação da memória. A tese é a de que o esquecimento de informações banais auxilia o cerébro a focar nos aspectos capazes de melhorar a tomada de decisões do cotidiano. As informações são do UOL.

O cientista da Universidade de Toronto e principal mentor do trabalho, Blake Richards, diz que o verdadeiro papel da memória é melhorar o processo decisório. Para ele, a maioria das pesquisas em neurobiologia no campo da memória prioriza mecanismos celulares de armazenamento de informações pelo cérebro, o que é conhecido como persistência. No entanto, presta-se pouca atenção aos mecanismos responsáveis pelo processo de esquecimento, a transiência.

Paul Frankland, outro cientista que participou do estudo, afirma que há grandes evidências da existência de mecanismos que promovem a perda de memória e que são diferentes dos envolvidos no armazenamento dessas informações.

Outro experimento feito por Frankland em seu laboratório no hospital infantil SickKids descobriu que o crescimento de novos neurônios do hipocampo, principal área responsável pela memória, aparenta potencializar o esquecimento. Essa área gera mais células em pessoas jovens.

Richards diz que existem duas razões para explicar o motivo de o cérebro gastar energia para deletar informações após também consumirem reservas para armazená-las. A primeira é que é indispensável para o cérebro deletar informações ultrapassadas. O cientista diz que se o cérebro armazena com frequência informações conflitantes, a tomada de decisões fica prejudicada. Para Richards, o melhor da memória não é guardar tudo. Ele relativiza a idealização de pessoas com boa memória.
 
Redação O POVO Online