PUBLICIDADE
Notícias

Pesquisa revela que o uso prolongado de celulares não causa câncer

A pesquisa de 11 anos foi conduzida pelo programa Mobile Telecomumicações e Pesquisa de Saúde do Reino Unido

09:05 | 14/02/2014
NULL
NULL

Um longo programa de pesquisas sobre os possíveis riscos à saúde causados por telefones celulares revelou que não há evidências de quaisquer efeitos adversos. Celulares não causam câncer.

A pesquisa foi conduzida pelo programa Mobile Telecomumicações e Pesquisa de Saúde (MTHR, na sigla em inglês), baseado no Reino Unido, e custeada pelo governo e empresas de telecomunicações por US$ 22 milhões ao longo de 11 anos.

- Quando o programa MTHR começou, havia muita incerteza científica sobre os riscos à saúde relacionados à tecnologia e aos celulares - lembra o professor de saúde ocupacional e ambiental da Universidade de Southampton, David Coggon, que resumiu o relatório de 50 páginas em uma frase:

- Este programa independente agora está completo, e apesar de exaustiva pesquisa, não encontraram nenhuma evidência de riscos para a saúde das ondas de rádio produzidas por telefones celulares ou suas estações rádio-base.

Embora esse resultado não seja inesperado, ajuda a anular algumas das teorias da conspiração e é mais gratificante do que estudos anteriores que chegaram a esta conclusão com a observação “mais pesquisa é necessária”.

Os pesquisadores observaram, por exemplo, 1.400 casos de crianças que tiveram câncer e calculou quão longe elas estavam da estação base mais próxima no momento do nascimento, e qual era a “densidade de energia” em seu endereço de nascimento era. Eles não encontraram nenhuma correlação entre as medidas e a incidência de qualquer tipo de câncer.
Eles, então, pesquisaram leucemia, porque crânio e mandíbula contêm 13% da medula óssea ativa do corpo, e como eles estão mais perto do telefone quando ele é usado, a relação parecia fazer sentido. Mas através de entrevistas com pessoas diagnosticadas com leucemia, eles não encontraram nenhuma ligação com o uso do telefone regular. “Também não houve evidência de uma tendência de aumento de risco com o tempo que um telefone celular foi usado pela primeira vez, total de anos de uso, número acumulado de chamadas ou horas de uso”, escreveram os pesquisadores.

Outra área de interesse era saber se os sinais de transmissões por rádio TETRA utilizados pelos serviços de emergência poderiam resultar em sintomas da doença não-medicamente reconhecida de hipersensibilidade elétrica. Eles testaram se as pessoas que disseram que foram sensíveis a campos eletromagnéticos podem dizer quando foram expostos a sinais. Eles não podiam.

O relatório ainda admite que não vai resolver a questão. Porque, apesar de sua longa análise e resultados convincentes, é claro que também termina com um apelo para mais pesquisas. Um projeto, chamado COSMOS, ainda está em curso e é o acompanhamento de 100 mil usuários de telefonia móvel britânica de longo prazo “para ter certeza de que não existem efeitos adversos atrasados%u200B%u200B, que só se tornam aparentes após muitos anos”.

AFP

TAGS