Agronegócio brasileiro vai perder mercado se Bolsonaro for eleito, avalia Haddad
PUBLICIDADE
Notícias


Agronegócio brasileiro vai perder mercado se Bolsonaro for eleito, avalia Haddad

22:00 | 15/10/2018
O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse acreditar que o agronegócio brasileiro perca mercado em caso da eleição do concorrente dele, Jair Bolsonaro (PSL). Para ele, o apoio dos ruralistas ao deputado federal seria, portanto, um "tiro no pé" do setor.

Haddad disse ainda que, na visão dele, a União Europeia sinalizou que não vai fazer acordo com o Brasil se Bolsonaro vencer a eleição.

"Com Bolsonaro, o Brasil vai perder mercado, porque ninguém vai importar de um País que foi estuprado do ponto de vista ecológico e ambiental. É um tiro no pé", afirmou.

O petista criticou ainda a ideia de Bolsonaro de incorporar o Ministério do Meio Ambiente à Agricultura. "Isso é um absurdo, um tremendo absurdo. A questão regulatória tem e pode ser aperfeiçoada. Mas não se pode submeter à lógica do lucro de curto prazo", disse.

Pior parlamentar

Haddad elevou mais uma vez o tom contra o concorrente Jair Bolsonaro (PSL), voltando a dizer que ele é um dos "piores parlamentares" do País.

"Ele é uma pessoa que só promove a discórdia. Não tem interlocução com quem pensa diferente. É um problema de formação... De deformação. Tenho a certeza que, dos 513, ele é um dos dez piores parlamentares do Brasil", disse.

Para Haddad, Bolsonaro está com "dificuldade" de participar de debates. "A covardia é a característica de pessoas violentas", atacou.

Fake News

O candidato do PT à Presidência disse que as fake news produzidas contra ele podem ter origem no exterior.

"Ninguém é ingênuo. O Brasil virou alvo de cobiça por causa do petróleo. Estão querendo criar confusão no continente, no Brasil e na Venezuela, por causa do petróleo", afirmou o petista.

Para Haddad, os eleitores estão expostos a "absurdos". "Dia desses me colocaram saindo de uma Ferrari. Pegaram uma foto minha na reinauguração do Autódromo de Interlagos. É um absurdo", disse.

Agência Estado

TAGS