PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Irmão de Rollemberg possui "alta motricidade" no governo, diz Polícia Civil

23:00 | 14/08/2018
O advogado Carlos Augusto Sobral Rollemberg, irmão do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), é apontado pela Polícia Civil do DF como possuidor de "alta motricidade" perante a administração pública e responsável por "atuação fundamental" em uma organização criminosa investigada por tráfico de influência no governo para o favorecimento de empresas privadas. A informação foi revelada pelo portal de notícias Metrópoles e confirmada pelo jornal O Estado de S.Paulo.

 

"Por ser irmão do governador, Carlos Augusto possui alta motricidade perante a administração pública e figura como ponto focal de diversas ingerências, aparece também fazendo articulações de cunho político. Sua atuação é fundamental para que o grupo criminoso consiga alcançar alguns de seus objetivos", diz o documento sigiloso de 195 páginas da Polícia Civil.

 

Guto, como Carlos Augusto é conhecido, é um dos dez investigados na Operação "12:26". Também são investigados: Luiz Fernando de Souza Messina, Leonardo e Guilherme Rocha de Almeida Abreu, Marcelo Nobrega de Miranda Lopes, Flávio Dias Patrício, Hermano Carvalho, Augusto Diniz, Marcos Wortmann e Carlos André Duda (Falecido). De acordo com os investigadores, "cada um em seu campo de atuação, em clara divisão de tarefas, praticaram diversos atos visando beneficiar particulares perante a administração pública".

 

Com base em telefonemas interceptados pela autoridade policial, o documento narra pedidos feitos por políticos e empresários ao advogado. Segundo investigadores, Carlos Augusto usou sua influência para que Flávio Dias Patrício, que atua junto ao Grupo Iguatemi, e Cláudio Dall'Aqua, gerente de novos negócios do grupo, participassem de uma reunião no Palácio do Buriti com o governador do DF em abril.

 

Em outro exemplo citado pelos investigadores, no final de abril, Carlos Augusto praticou ingerências junto à Companhia Energética de Brasília para que uma ligação de energia fosse realizada em um prédio. Carlos Augusto pediu diretamente ao presidente do conselho da CEB que fizesse a ligação. A atitude, segundo a Polícia, demonstra que o advogado "possui alta motricidade perante a administração pública distrital, apesar de não ocupar cargo público".

 

A investigação mostra que, em conversa com o advogado em maio deste ano, um interlocutor chamado Hélio informa que o senador Wilson Santiago (MDB-PB) necessita de um favor em relação à instalação do Na Hora, serviço de atendimento aos cidadãos, em um shopping de propriedade dele. "Hélio fala que está precisando de um favor, falou que o senador construiu um shopping em Samambaia e vai levar o Na Hora, que deve inaugurar em outubro, mas está precisando de alguém para dar uma canetada, que já foram feitos os estudos", narra o documento.

 

Dois dias depois, o senador liga para Carlos Augusto e pede para marcar uma reunião entre ele e o governador. O assunto, de acordo com o parlamentar, é importante. "Fica clara a ingerência e liderança que Carlos Augusto exerce, mesmo sem ocupar cargo na administração pública. Vale ressaltar, que como é sabido, uma agência que reúne diversos serviços públicos tende a aumentar a concentração de usuários", destacam os investigadores.

 

"Há fortes indícios que o referido investigado, apesar de ser advogado, está praticando condutas alheias ao exercício da profissão e ao arrepio da Lei, sendo assim não é admissível que a inviolabilidade transforme o escritório no único reduto inexpugnável de criminalidade."

 

A reportagem entrou em contato com a defesa do advogado Carlos Augusto Rollemberg e com a assessoria de imprensa do governador do DF, Rodrigo Rollemberg, mas não obteve resposta até a publicação.

 

MANIFESTAÇÃO DOS CITADOS

 

Em relação à investigação realizada hoje pela Polícia Civil, o GDF esclarece o seguinte:

 

1. O pleito da empresa de ampliar de 0,5 para 1,5 o potencial construtivo almejado não foi atendido. Foram realizadas vários reuniões e audiências públicas, no âmbito da LUOS, e o Executivo não encaminhou qualquer alteração para a Câmara Legislativa do Distrito Federal. A demanda da revisão foi sobrestada pela Secretaria de Habitação e Gestão do Território (Segeth) até a conclusão das investigações.

 

2. Quanto ao contrato de aluguel de um prédio na 509 Norte, firmado pela gestão anterior, em que a parte solicitava pagamentos de atrasados e indenização por danos, não foi pago e o contrato extinto. Além disso, a Casa Civil determinou a abertura de Tomada de Contas Especial (TCE).  Mais informações na nota anexa da Secretaria da Casa Civil.

 

3. Quanto ao pagamento de R$ 1 milhão a um hospital, há de se registrar que, quando o atual governo assumiu, existiam serviços realizados por diversos fornecedores e não pagos da ordem de R$ 600 milhões, sem contratos. Ao longo dos anos foram regularizados os pagamentos, de acordo com a legislação. Hoje, esses serviços têm contratos.

 

4. O servidor Marcelo Nóbrega pediu exoneração do cargo comissionado que ocupava na Secretaria da Casa Civil, Relações Institucionais e Sociais.

 

Governo do Distrito Federal

 

NOTA DO ADMINISTRADOR DO LAGO NORTE, MARCOS WOORTMANN

 

A todos meus amigos, familiares, servidores e moradores do Lago Norte

 

A função de um Administrador Regional é a de representar o governo perante a comunidade, e representar os interesses da comunidade perante o restante do governo. Do gari ao soldado, ao idoso, ao agricultor, ao empresário que trabalha na comunidade. Meu trabalho é receber e ouvir as pessoas, da mais humilde à mais letrada. Recebo todos como iguais, como recebi os membros da diretoria do Iguatemi.

 

Trato a todos que me procuram de forma transparente e republicana, atendendo aos pleitos da comunidade sem distinção, em prol do interesse público. Por isso, inclusive, sempre prefiro me encontrar em locais públicos, tratando os assuntos dessa natureza de forma aberta e nítida.

 

O Iguatemi solicitou aumento de sua taxa de edificação de forma pública, na Segeth, órgão competente para análise deste pleito, que é responsável por encaminhar a proposta da LUOS (Lei de Uso e Ocupação do Solo) para a Câmara Legislativa. A LUOS é exatamente o instrumento previsto em lei para ser o canal de discussão entre as cidades e o governo, e como representante do governo no território, sempre tenho inúmeras reuniões sobre a LUOS e vários outros assuntos de interesse da cidade, pois este é o trabalho de um Administrador Regional.

 

Após o envio da proposta da LUOS (de todo o DF) à Câmara Legislativa, cabe àquela casa sua análise e alterações, como requer o princípio republicano de separação de poderes numa democracia. Assim, sugeri aos representantes do Iguatemi que procurassem apresentar seu pleito aos parlamentares que têm familiaridade com o Lago Norte - todos pessoas honestas e com anos de vida pública ilibada - algo que é seu direito, como é o de qualquer cidadão.

 

Minha vida é simples e transparente, e sempre me conduzi de forma correta, então confio que as apurações irão demonstrar que apenas cumpri o dever que meu ofício me incumbe, de cuidado e atenção com a comunidade do Lago Norte, onde cresci, onde vivo, e onde trabalho pela terceira gestão como Administrador Regional.

 

Marcos Woortmann

 

NOTA DO PSB-DF

 

1. O vazamento de parte do inquérito policial que investiga um suposto tráfico de influencia no Governo de Brasília, às vésperas do começo da campanha eleitoral,  é revelador do maquiavelismo e da perversa ação política que parte da polícia civil se envolveu.

 

2. Não se trata de um investigação séria e consistente e sim de um libelo político com o claro objetivo de impedir a reeleição do governador Rodrigo Rollemberg. Não conseguirão!

 

3. Juntar três atos de Governo, dos quais dois deles de três anos atrás, sem qualquer relação entre si, também revela o quanto parte da polícia civil - orientada por sindicalistas - faz campanha política contra a reeleição do governador Rollemberg.

 

4. Não à toa a operação de busca e apreensão ocorreu exatamente um dia depois da coligação “Mãos limpas” do governador Rollemberg ter lançado o seu slogan de campanha eleitoral.

 

5. Do mesmo modo, não é coincidência o vazamento do noticiário ter ocorrido num portal comandando da cadeia por um presidiário que, por sua capacidade financeira acumulada em negócios escusos, ainda se vê como “dono” de políticos.

 

6. O Partido Socialista Brasileiro se solidariza com o governador Rollemberg e seu governo, repudia e denuncia a covarde e vil articulação política que envolve parte de integrantes da polícia civil, da imprensa leviana e daqueles políticos que já foram presos e que ainda tentam retornar ao poder. Não conseguirão!

 

Executiva do PSB-DF

 

NOTA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS (MPDFT)

 

Nota oficial – Operação (12:26)

 

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, por sua 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep), repudia a publicização de elementos investigativos relacionados ao Inquérito Policial nº 386/2018, sob sigilo, que deu origem à Operação (12:26), deflagrada na última terça-feira, 7 de agosto.  As informações não passaram pelo juízo de valor definitivo do Ministério Público e expôs indevidamente pessoas cujas condutas recebem a proteção constitucional da presunção de inocência.

 

Roberto Carlos Silva

1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Prodep) 

 

Agência Estado

TAGS