PUBLICIDADE
Notícias

MDB e DEM vivem momento de incerteza

09:10 | 17/06/2018
Nas fileiras do MDB, o desânimo com a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles aumentou nos últimos dias. Reservadamente, parlamentares da sigla dizem que, além de não decolar, Meirelles não está nem mesmo cumprindo a "tarefa" de defender o presidente Michel Temer do tiroteio e de ser um "escudo" de proteção do Planalto. A entrevista que ele deu no dia 11 ao programa Roda Viva, da TV Cultura, foi definida por correligionários como "lamentável".

O ex-chefe da equipe econômica ainda terá de passar pelo crivo da convenção do MDB, no fim de julho, para se tornar candidato. "Não acredito que Meirelles seja homologado", afirmou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), adversário de Temer. "Na ausência de um nome competitivo, é melhor não ter candidato para chamar de seu e deixar as alianças estaduais liberadas", disse.

A semana também terminou com interrogações para o DEM. Com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ) a um passo de deixar o páreo para concorrer à reeleição, uma ala do DEM quer apoiar o tucano Geraldo Alckmin, outra defende Ciro Gomes (PDT) e há até mesmo quem pregue aval a Jair Bolsonaro, do PSL. Diante disso, o DEM começou a examinar nomes novos, como o do empresário Josué Alencar (filho do ex-vice-presidente José Alencar), filiado ao PR. Mesmo assim, a balança pende para Alckmin. O receio, porém, é que o tucano continue estagnado nas pesquisas.

"Quem atrapalha o Alckmin, nosso candidato preferido para enfrentar no segundo turno, é o Fernando Henrique Cardoso, que deveria vestir o pijama", disse o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT), coordenador da campanha de Ciro. "O Bolsonaro é mais fácil de derrotar, ele vai explodir de rejeição. Mas com o Alckmin teríamos mais condições de diálogo." Cid jantou com Maia na quarta-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Agência Estado

TAGS
MDB e DEM vivem momento de incerteza
PUBLICIDADE
Notícias

MDB e DEM vivem momento de incerteza

09:10 | 17/06/2018
Nas fileiras do MDB, o desânimo com a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles aumentou nos últimos dias. Reservadamente, parlamentares da sigla dizem que, além de não decolar, Meirelles não está nem mesmo cumprindo a "tarefa" de defender o presidente Michel Temer do tiroteio e de ser um "escudo" de proteção do Planalto. A entrevista que ele deu no dia 11 ao programa Roda Viva, da TV Cultura, foi definida por correligionários como "lamentável".

O ex-chefe da equipe econômica ainda terá de passar pelo crivo da convenção do MDB, no fim de julho, para se tornar candidato. "Não acredito que Meirelles seja homologado", afirmou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), adversário de Temer. "Na ausência de um nome competitivo, é melhor não ter candidato para chamar de seu e deixar as alianças estaduais liberadas", disse.

A semana também terminou com interrogações para o DEM. Com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ) a um passo de deixar o páreo para concorrer à reeleição, uma ala do DEM quer apoiar o tucano Geraldo Alckmin, outra defende Ciro Gomes (PDT) e há até mesmo quem pregue aval a Jair Bolsonaro, do PSL. Diante disso, o DEM começou a examinar nomes novos, como o do empresário Josué Alencar (filho do ex-vice-presidente José Alencar), filiado ao PR. Mesmo assim, a balança pende para Alckmin. O receio, porém, é que o tucano continue estagnado nas pesquisas.

"Quem atrapalha o Alckmin, nosso candidato preferido para enfrentar no segundo turno, é o Fernando Henrique Cardoso, que deveria vestir o pijama", disse o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT), coordenador da campanha de Ciro. "O Bolsonaro é mais fácil de derrotar, ele vai explodir de rejeição. Mas com o Alckmin teríamos mais condições de diálogo." Cid jantou com Maia na quarta-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Agência Estado

TAGS
MDB e DEM vivem momento de incerteza

O POVO Online

PUBLICIDADE
Notícias

MDB e DEM vivem momento de incerteza

09:10 | 17/06/2018
Nas fileiras do MDB, o desânimo com a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles aumentou nos últimos dias. Reservadamente, parlamentares da sigla dizem que, além de não decolar, Meirelles não está nem mesmo cumprindo a "tarefa" de defender o presidente Michel Temer do tiroteio e de ser um "escudo" de proteção do Planalto. A entrevista que ele deu no dia 11 ao programa Roda Viva, da TV Cultura, foi definida por correligionários como "lamentável".

O ex-chefe da equipe econômica ainda terá de passar pelo crivo da convenção do MDB, no fim de julho, para se tornar candidato. "Não acredito que Meirelles seja homologado", afirmou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), adversário de Temer. "Na ausência de um nome competitivo, é melhor não ter candidato para chamar de seu e deixar as alianças estaduais liberadas", disse.

A semana também terminou com interrogações para o DEM. Com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ) a um passo de deixar o páreo para concorrer à reeleição, uma ala do DEM quer apoiar o tucano Geraldo Alckmin, outra defende Ciro Gomes (PDT) e há até mesmo quem pregue aval a Jair Bolsonaro, do PSL. Diante disso, o DEM começou a examinar nomes novos, como o do empresário Josué Alencar (filho do ex-vice-presidente José Alencar), filiado ao PR. Mesmo assim, a balança pende para Alckmin. O receio, porém, é que o tucano continue estagnado nas pesquisas.

"Quem atrapalha o Alckmin, nosso candidato preferido para enfrentar no segundo turno, é o Fernando Henrique Cardoso, que deveria vestir o pijama", disse o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT), coordenador da campanha de Ciro. "O Bolsonaro é mais fácil de derrotar, ele vai explodir de rejeição. Mas com o Alckmin teríamos mais condições de diálogo." Cid jantou com Maia na quarta-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Agência Estado

TAGS
le
  • Revistas
  • O POVO CBN
  • Mucuripe FM
  • FDR
  • TV O POVO
  • Clube O POVO
  • Anuário do Ceará
  • Sustentabilidade
  • IR PARA A VERSÃO DESKTOP class="cartola noticias">LOTERIA

    Lotofácil Concurso 1716: prêmio acumula para R$ 4 milhões e 500 mil; confira resultado

  • 4 eleições

    Perdeu o debate entre candidatos a presidente no SBT? Assista aqui

  • 5 ELEIÇÕES 2018

    Bolsonaro e Haddad oscilam para baixo na nova pesquisa Ibope

  • Destaques do dia

    MDB e DEM vivem momento de incerteza
    PUBLICIDADE
    Notícias

    MDB e DEM vivem momento de incerteza

    09:10 | 17/06/2018
    Nas fileiras do MDB, o desânimo com a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles aumentou nos últimos dias. Reservadamente, parlamentares da sigla dizem que, além de não decolar, Meirelles não está nem mesmo cumprindo a "tarefa" de defender o presidente Michel Temer do tiroteio e de ser um "escudo" de proteção do Planalto. A entrevista que ele deu no dia 11 ao programa Roda Viva, da TV Cultura, foi definida por correligionários como "lamentável".

    O ex-chefe da equipe econômica ainda terá de passar pelo crivo da convenção do MDB, no fim de julho, para se tornar candidato. "Não acredito que Meirelles seja homologado", afirmou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), adversário de Temer. "Na ausência de um nome competitivo, é melhor não ter candidato para chamar de seu e deixar as alianças estaduais liberadas", disse.

    A semana também terminou com interrogações para o DEM. Com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ) a um passo de deixar o páreo para concorrer à reeleição, uma ala do DEM quer apoiar o tucano Geraldo Alckmin, outra defende Ciro Gomes (PDT) e há até mesmo quem pregue aval a Jair Bolsonaro, do PSL. Diante disso, o DEM começou a examinar nomes novos, como o do empresário Josué Alencar (filho do ex-vice-presidente José Alencar), filiado ao PR. Mesmo assim, a balança pende para Alckmin. O receio, porém, é que o tucano continue estagnado nas pesquisas.

    "Quem atrapalha o Alckmin, nosso candidato preferido para enfrentar no segundo turno, é o Fernando Henrique Cardoso, que deveria vestir o pijama", disse o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT), coordenador da campanha de Ciro. "O Bolsonaro é mais fácil de derrotar, ele vai explodir de rejeição. Mas com o Alckmin teríamos mais condições de diálogo." Cid jantou com Maia na quarta-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Agência Estado

    TAGS