PUBLICIDADE
Notícias

Bolsonaro critica PGR por denúncia de racismo e diz que tem "imunidade total"

O deputado foi denunciado no STF por racismo praticado contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs

18:50 | 22/04/2018
Bolsonaro posa para foto ao lado de estudantes sorridentes
Bolsonaro posa para foto ao lado de estudantes sorridentes
[FOTO1]Pré-candidato à Presidência da República pelo PSL, o deputado Jair Bolsonaro (RJ) criticou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em entrevista à TV Bandeirantes. Ao apresentador José Luiz Datena, ele rebateu o conteúdo de denúncia por racismo apresentada contra ele pela PGR e disse que tem "imunidade total" para se expressar.

[SAIBAMAIS] 

A procuradora-geral da República apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncia contra o pré-candidato por racismo praticado contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. De acordo com a denúncia, em uma palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril de 2017, Jair Bolsonaro, em pouco mais de uma hora de discurso, "usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais".

 

"Ela (Dodge) acha muito e não encontra nada", disse Bolsonaro. "Quanto a quilombolas, eu tenho imunidade total por quaisquer palavras, opiniões e votos. Gostaria que Raquel Dodge nos acompanhasse nesse quilombola em que eu fui em Eldorado Paulista para ver o desperdício de recursos, maquinários abandonados. Eles não fazem absolutamente nada, é uma realidade", afirmou.

 

O deputado é processado por ter dito: "Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gasto com eles". Ele ainda disse: "Se eu chegar lá (na Presidência), não vai ter dinheiro pra ONG. Esses vagabundos vão ter que trabalhar. Pode ter certeza que se eu chegar lá, no que depender de mim, todo mundo terá uma arma de fogo em casa, não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola". 

 

Bolsonaro também criticou a procuradora-geral da República por ter entrado com uma ação no Supremo contra o voto impresso nas próximas eleições. "Por que ela entrou com a ação? Ela confia no voto eletrônico?", questionou. Segundo o parlamentar, com o voto impresso ele "ganharia a eleição no 1º turno".

 

No programa de TV exibido neste domingo, Bolsonaro comenta ainda a possível entrada do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (PSB) na disputa presidencial. Bolsonaro avaliou que tem "posições completamente diferentes" das do ex-ministro do Supremo e citou temas como as cotas raciais. O deputado se disse contrário a cotas raciais em universidades públicas.

 

Perguntado sobre como combater a corrupção, Bolsonaro afirmou que, para isso, é necessário diminuir o tamanho do Estado e não aceitar indicações políticas para cargos no governo. "As indicações políticas produzem a ineficiência do Estado e levam à corrupção."

 

Segundo o deputado, políticos corruptos "querem o fim do foro privilegiado casado com o fim da prisão após a condenação em segunda instância", pois os processos contra eles levariam muito mais tempo para serem concluídos, ou seja, somente quando chegarem à última instância.

 

Sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro disse que "não é caso de ficar feliz nem triste, mas tem que confiar na Justiça".

 

Bolsonaro criticou ainda a intervenção federal na segurança no Rio de Janeiro. O deputado considerou que a ação foi "uma medida de marketing" do governo do presidente Michel Temer. Ele disse haver falta de "retaguarda jurídica" para que militares atuem no Estado e classificou que a situação do território fluminense é de guerra. O candidato do PSL considerou que, da forma como está a legislação hoje, no caso de uma morte num confronto, o envolvido teria problemas na Justiça. "Se estamos em guerra, os dois lados podem atirar", disse.

Agência Estado

TAGS