Submarino desaparecido: agência do ex-ministro Marcos Pontes vendia pacotes para passeio

O anúncio foi retirado do site oficial após o desaparecimento do módulo "por questão de segurança"

A Agência Marcos Pontes, que tem como um dos sócios o ex-ministro de Ciência e Tecnologia no Governo Bolsonaro e atual senador Marcos Pontes (PL), vendia pacotes para o passeio de submarino que despereceu. O passeio do submersível Titan, da empresa OceanGate, incluía a visitação aos destroços do Titanic. O veículo acabou desaparecendo no domingo com cinco tripulantes a bordo.

Esta era a quinta expedição aos escombros do local onde aconteceu o naufrágio do navio. Segundo a agência, a Ocean Gate, "assim como outras empresas de serviços em submergíveis", fazia parte do portfólio de serviços ofertados ao mercado pela instituição. 

O anúncio foi retirado do site oficial após o desaparecimento do módulo "por questão de segurança", conforme comunicado nas redes sociais. No texto, a empresa expressou "profunda consternação e preocupação" com o desaparecimento do submarino no Oceano Atlântico.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Nossa agência é uma representante comercial para diversas empresas ligadas ao turismo científico e de exploração nas mais diversas atividades. O passeio de submarino foi retirado do site oficial devido os acontecimentos, por questão de segurança", ressaltou a empresa. 

O pacote incluía uma reunião de orientação, explicação de como funcionava as operações e a segurança do submarino. Eram oferecidas também acomodação e refeições em um navio de apoio e uma palestra sobre a história do Titanic.

“Esta é uma das mais incríveis aventuras que oferecemos: ver de perto o navio mais conhecido do mundo, o Titanic! Isso só é possível graças a um veículo especial usado para fins científicos e capaz de atingir grandes profundidades”, anunciava o site da agência, conforme imagens recuperadas pelo O Globo. 

Para embarcar, a única exigência era que o cliente estivesse com boa saúde e condição física. Ainda é possível ver a opção "Passeio em Submarinos - Visita ao Titanic", na parte de "destinos no mar".  Ao clicar na aba, há o direcionamento para área que está fora do ar.

Submarino desaparecido: o que se sabe sobre expedição ao Titanic

Submarino desaparecido: Como era a viagem?

A expedição para ver o Titanic custa 250 mil dólares (cerca de aproximadamente R$ 1,2 milhão na cotação atual) e tem capacidade máxima para cinco tripulantes. A viagem chegaria a 3.800 km de profundidade,  próximo dos destroços do navio naufragado.

A viagem dura ao todo dez dias, sendo dois para sair do ponto de partida em Newfoundland, no Canadá, e mais oito dias para a expedição no fundo do mar.

A empresa Ocean Gates afirmou que várias expedições rumo ao Titanic estavam planejadas para este ano de 2023. A operadora começou as vendas da excursão após viagens bem-sucedidas nos anos de 2021 e de 2022.

Submarino desaparecido: O que se sabe? 

O transporte levava cinco pessoas, em uma expedição turística para ver os destroços do famoso navio naufragado Titanic. Segundo informações das autoridades, o equipamento perdeu o contato com a superfície menos de duas horas depois de deixar a superfície.

A Guarda Costeira dos Estados Unidos iniciou as buscas nessa segunda-feira, dia 19. O submarino é comandado por um controle que lembra o de videogame e o interior do transporte é pequeno, com três monitores e um banheiro improvisado. Os passageiros só podem se alimentar de comidas refrigeradas.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

submarino desaparecido Marcos Pontes Titanic buscas agência

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar