Participamos do

Girão crítica movimento para CPI contra Moro: "Querem transformar herói em vilão"

Em publicação, o parlamentar, cabo eleitoral de Moro no Ceará, avaliou a tentativa de CPI como "implacável e explícita perseguição política em ano eleitoral"
16:52 | Jan. 24, 2022
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O senador Eduardo Girão (Podemos) usou suas redes sociais nesta segunda-feira, 24, para criticar a articulação iniciada pelo deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara dos Deputados para investigar suposto "conflito de interesse" sobre o período em que o ex-juiz da Lava Jato e pré-candidato à Presidência Sérgio Moro (Podemos) trabalhou na empresa Alvarez & Marsal. O pedido de CPI está avançando e precisa de 171 assinaturas para ser instalada. 

Em publicação, o parlamentar, cabo eleitoral de Moro no Ceará, avaliou a tentativa de CPI como "implacável e explícita perseguição política em ano eleitoral". "Seria a desmoralização completa de nosso Congresso - já tão desacreditado perante o cidadão de bem brasileiro", disse. 

Segundo Girão, caso aprovada, a comissão deve ser prova da "subserviência" no Parlamento "a um governo que, infelizmente, abraça o Centrão", e ao "PT na sabotagem do enfrentamento à corrupção além de perpetuar velhas práticas da barganha politiqueira. "Aliás, bandeiras de campanha que tinha se comprometido com a população a não fazer, o fundão da vergonha (R$ 5 bilhões), o orçamento secreto- emendas do relator (R$ 16 bilhões) e o próprio pacote anticrime, de autoria do ex-juiz e ex-ministro, que o digam", escreveu. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em referência à instalação da CPI da Covid em 2021, da qual foi membro, o senador lembrou ter sido vítima ade uma "manobra" entre governistas e oposição que resultou na derrota de um requerimento seu que visava ouvir o diretor geral da Polícia Federal sobre supostos desvios de verbas da Saúde a serem enviados à Estados e municípios".

"Fui voto vencido. O único! Pois não é que se uniram novamente para transformar “herói em vilão” por puro projeto de poder? Uma inversão completa de valores. Entretanto, a justiça e a verdade vão prevalecer e Moro crescerá com essa 'caçada' pois a população não é tola e está percebendo por que isso tudo está acontecendo justamente agora", concluiu Girão. 

Investigação do Tribunal Contas da União (TCU) indica que Moro trabalhou em empresa que realizava a recuperação judicial de diversas construtoras prejudicadas pela operação Lava Jato. Desde que deixou o Ministério da Justiça e Segurança Pública, ainda em 2020, o ex-juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba Sérgio Moro foi para os Estados Unidos e prestou serviços de consultoria a essa administradora judicial. 

O ex-juiz confirmou que visitará o Ceará no próximo dia 6 de fevereiro, na esteira das articulações para as eleições deste ano. Girão deve ser o articulador da visita. 

Veja a publicação do senador Eduardo Girão:

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente