Participamos do

Bolsonaro leva jogador de vôlei acusado de homofobia para falar com apoiadores

Maurício de Souza foi demitido do clube que atuava por manifestar discurso de ódio nas redes sociais
14:34 | Nov. 22, 2021
Autor Rose Serafim
Foto do autor
Rose Serafim Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Nesta segunda-feira, 22, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) trouxe um convidado para a tradicional conversa com apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada, em Brasília. O mandatário surgiu acompanhado de Maurício Souza, o jogador de vôlei demitido do Minas Tênis Clube em outubro após discurso homofóbico nas redes sociais. Os chegaram no mesmo carro e apoiadores do chefe do Executivo aproveitaram para tirar fotos com Maurício e Bolsonaro.

“Alguém conhece esse cara aqui?”, perguntou o presidente ao abrir a porta para Maurício, acrescentando em tom jocoso que iria ensinar o atleta a jogar vôlei pois este estaria “meio devagar”.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Mauricio Souza (@mauriciosouza17)

Em 12 de outubro, o jogador fez uma publicação criticando a história em quadrinhos do novo Super-Homem. Na imagem, havia um beijo entre dois homens.

"Ah é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar...", escreveu o jogador. Ele também criticou a decisão da TV Globo de utilizar pronome neutro em novelas, uma medida que respeitaria pessoas que não se identificam com um gênero específico.

Após repercussão do caso, patrocinadores do Minas pediram medidas cabíveis por promover discurso de ódio e ele foi demitido.

Na época da publicação, Souza tinha cerca de 250 mil seguidores no Instagram. Após o caso, ele aumentou o número para 2,7 milhões e tem feito publicações de tom político, criticando medidas sanitárias adotadas durante a pandemia de Covid-19 e até um vídeo em que recebe apoio da deputada federal Bia Kicis (PSL-RJ), que chegou a propor uma lei em nome do jogador contra o que chamou de “cerceamento ilegítimo” da opinião.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags