Participamos do

Carlos Bolsonaro apaga tuíte sobre corrupção no PL após anúncio da filiação do pai à sigla

Na postagem, o filho do presidente Jair Bolsonaro compartilhava uma reportagem sobre recebimento de propina por Valdemar Costa Neto e a sigla comandada por ele
10:59 | Nov. 09, 2021
Autor Alice Araújo
Foto do autor
Alice Araújo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Após o anúncio que confirmou a filiação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao PL, para concorrer à Presidência nas eleições de 2022, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) apagou um tuíte publicado por ele em 2016, sobre um suposto caso de corrupção envolvendo Valdemar Costa Neto, presidente da sigla.

Na postagem excluída, o filho 02 do presidente compartilhava uma reportagem da revista Época a respeito de uma delação premiada, no âmbito da Lava Jato, do empreiteiro José Antunes Sobrinho, na época sócio da Engevix. No depoimento, Sobrinho afirmava que Costa Neto e o PL (então PR), tinham recebido R$ 2,5 milhões em propina.

Tuíte excluído por Carlos Bolsonaro, com compartilhamento de reportagem da revista Época.
Tuíte excluído por Carlos Bolsonaro, com compartilhamento de reportagem da revista Época. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Exclusivo: Delator aponta propina de 3,5% para PR e Valdemar Costa Neto nos contratos de Furnas", dizia o título da notícia compartilhada em 28 de abril de 2016, que hoje não está mais disponível no perfil do vereador.

Em 2012, Valdemar Costa Neto foi condenado a sete anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, durante as investigações do mensalão. Em 2016, foi solto por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags