Participamos do

Associação de servidores do Inep solicitam "atuação urgente" do MEC após demissões em massa

A duas semanas das provas do Enem, servidores alegam que as decisões não são tomadas com base em critérios técnicos
18:32 | Nov. 08, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Após o pedido de demissão em massa de mais de 31 servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a Associação dos Servidores do Inep (Assinep), associação dos servidores do órgão, pediu uma "atuação urgente" do governo federal e do Ministério da Educação (MEC).

Fontes ouvidas pelo UOL afirmaram que o que ainda segura Danilo Dupas, presidente no Inep, no cargo é sua relação pessoal com o ministro da Educação, Milton Ribeiro.

Às vésperas da primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), funcionários pediram demissão do Inep, órgão responsável pela realização do exame. Segundo a Assinep, mais demissões devem ocorrer ao longo desta segunda. A associação "lamenta que a situação tenha chegado a este ponto" e pede atuação do Ministério da Educação (MEC). Os funcionários pediram demissão dos cargos que ocupam, mas continuam como servidores do Inep.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Os servidores enviaram uma carta de demissão em que se justificam dizendo que as decisões sobre o Enem não seguem critérios técnicos. No texto, eles destacam que "não se trata de uma posição ideológica ou de cunho sindical" e alegam "fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima do Inep".

Segundo texto publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, "o atual presidente Danilo Dupas — o quarto em três anos — é acusado pelos funcionários de desmonte do órgão mais importante do MEC (Ministério da Educação), assédio e desconsideração de aspectos técnicos na tomada de decisões".

Até o momento, pediram demissão:

1- Natalia Fernandes Camargo

2- Gizane Pereira da Silva

3- Marcela Guimarães Côrtes

4- Vanderlei dos Reis Silva

5 - Nathalia Bueno Póvoa

6 - Hélida Maria Alves Campos Feitosa

7 - Samuel Silva Souza

8 - Camilla Leite Carnevale Freire

9 - Douglas Estevão Morais de Souza

10 - Patricia da Silva Onório Pereira

11 - Denys Cristiano de Oliveira Machado

12 - Alani Coelho de Souza Miguel

13 - Leonardo Ferreira da Silva

14 - Elysio Soares Santos Junior

15 - Francisco Edilson de Carvalho Silva

16 - Silvana Maria Lacerda Gonçalves

17 - Andréia Santos Gonçalves

18 - Victor Rezende Teles

19 - Helciclever Barros da Silva Sales

20 - Helio Pereira Feitosa

21 - Saulo Teixeira dos Santos

22 - Edivan Moreira Aredes

23 - Rita Laís Carvalho Sena Santos

24 - Danusa Fernandes Rufino Gomes

25 - Claudia Maria Ribeiro Gonçalves Barbosa Marques

26 - Rosária Duarte Melo

27 - Karla Christina Ferreira Costa

28 - Adelino Nunes de Lima

29 - Clediston Rodrigues Freire

Na última sexta-feira, 5, dois coordenadores, de áreas estratégicas para a realização do exame — montagem da prova e logística —, também deixaram o Inep. Na quinta-feira (4), a Assinep realizou uma assembleia em que denunciou Dupas por assédio moral. Na manifestação, os servidores alertaram que o instituto corre risco.

Em um documento de cinco páginas, os servidores dizem que "o Enem, o Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), o Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica) e os Censos da Educação Básica e da Educação Superior estão em risco, em razão das decisões estratégicas que estão sendo adotadas no âmbito da Presidência do Inep.

O manifesto também destaca que, "para além de problemas estruturais que foram negligenciados ao longo da atual gestão do Inep, os servidores denunciam o assédio moral, o desmonte nas diretorias, a sobrecarga de trabalho e de funções e a desconsideração dos aspectos técnicos para a tomada de decisão".

Há denúncia de "níveis excessivos de ingerência, que impossibilitam o devido cumprimento das tarefas e resultaram em diversos pedidos de exoneração de cargos e funções comissionadas, assim como em ociosidade de cargos por desinteresse de servidores em compor a alta gestão, rejeitando inclusive cargos comissionados de nível intermediário".

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags