Participamos do

Miss Brasil anti-Bolsonaro é desconvidada da premiação de 2021 e não poderá coroar sucessora

A direção executiva do evento disse que Gama descumpriu regras contratuais e descartou o viés político da decisão de desconvidá-la
11:34 | Nov. 05, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A modelo Julia Gama, atual Miss Brasil, disse ter sido desconvidada do evento que premiará a nova Miss Universo Brasil em 2021. Gama, que posiciona-se contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em suas redes sociais, disse ter recebido um e-mail informando que havia sido dispensada e que os motivos pelos quais isso ocorreu não foram explanados. A produção do evento é controlada pelo empresário bolsonarista Winston Ling. Tradicionalmente, a vencedora do ano anterior coroa a nova Miss Brasil, o que não será possível. 

Apesar de falar que não soube o motivo para ser desconvidada, a modelo escreveu em seu perfil no Instagram: “Mesmo que compartilhássemos de opiniões distintas e, até mesmo, de valores conflitantes, eu acredito que juntos, eu e a Organização Miss Universo Brasil, realizamos um trabalho incrível juntos, que nos rendeu o título de Vice Miss Universo”, recordou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em entrevista à Folha, Gama comentou o tema. "É tudo muito delicado pois eles não me deram uma justificativa exata, então tudo que eu falar vai ser uma suposição. Eu realmente não sei qual a razão deles para me desconvidar. Temos, sim, uma divergência política, já que eles são declaradamente bolsonaristas, e eu, não", disse. A direção executiva do evento disse que Gama descumpriu regras contratuais e descartou o viés político da decisão de desconvidá-la.

O empresário Winston Ling, que dirige o Miss Universo Brasil desde julho do ano passado, ficou conhecido por ter feito a ponte entre o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro. Durante a pandemia de Covid-19, ele defendeu medicamentos do chamado "tratamento precoce" e criticou medidas mais restritivas, como o lockdown.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags