Participamos do

No Ceará, Bolsonaro ataca CPI e se diz inocente: "Não temos culpa de absolutamente nada"

O presidente retomou sua defesa aos medicamentos ineficazes contra a Covid-19 e disse que governo federal é contra obrigatoriedade de vacinação
13:14 | Out. 20, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em discurso no município de Russas, na região do Vale do Jaguaribe, no Ceará, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), fez duras críticas ao trabalho da CPI da Covid. O chefe do Executivo nacional acusou a comissão de não realizar nada "de produtivo" e de ter "tomado o tempo" de ministros, empresários e "pessoas humildes". 

"Como seria bom se aquela CPI tivesse fazendo algo de produtivo para nosso Brasil. Tomaram tempo de nosso ministro da Saúde, de servidores, de pessoas humildes e de empresários. Nada produziram a não ser o ódio e o rancor entre alguns de nós, mas nós sabemos que não temos culpa de absolutamente nada. Sabemos que fizemos a coisa certa desde o primeiro momento", disse Bolsonaro, no mesmo dia em que o colegiado faz a leitura do seu relatório final nesta quarta-feira, 20. 

LEIA MAIS l Em Russas, Bolsonaro confirma Auxilio Brasil de R$ 400 e promete não furar teto de gastos

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Logo depois, o presidente retomou sua defesa aos medicamentos ineficazes contra a Covid-19. "No momento que ninguém soube como tratar aquela doença, eu tive a coragem de me apresentar, depois de ouvir muita gente, em especial médicos, me apresentar para uma possível solução e obviamente essa solução calcada na autonomia do médico brasileiro. O medico que deve orientar e receitar cada um de vocês", reforçou.

Após defender a autonomia médica em função do Conselho Federal de Medicina (CFM), o mandatário iniciou uma enquete para saber quem tinha contraído coronavírus e, após a infecção, teria tomado medicamentos do "Kit Covid". "Eu quero que levantasse a mão quem aqui foi acometido de Covid. Baixe o braço. Quem tomou cloroquina ou ivermectimna levanta o braço. Obviamente vocês foram orientados por médicos", disse, contando com a participação de vários seguidores. 

"Alguns achavam, como meu ex-ministro Mandetta, que você deveria ir para casa e, quando sentisse falta de ar, procurasse um hospital. Procurar um hospital para que? Já esta quase morrendo", completou Bolsonaro. 

O presidente também lembrou do número de aquisições de vacinas obtidas pelo governo federal. Porém, ao invés de estimular a imunização coletiva, o mandatário reforçou que não concorda com a obrigatoriedade da vacinação.

"Deixo bem claro, para nós, do governo federal, ela [vacinação] é voluntária. Não concordamos com a obrigatoriedade da mesma, assim como não concordamos com o passaporte de vacinal. A liberdade é em toda a sua extensão, a liberdade é um bem sagrado maior que a nossa própria vida", disse.

Com informações do repórter Henrique Araújo

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags