Participamos do

CPI da Covid não acusará Bolsonaro de genocídio indígena e homicídio diz Aziz

Os parlamentares devem pedir o indiciamento do presidente em pelo menos nove crimes, como prevaricação, charlatanismo, crime contra a humanidade, epidemia com agravante de resultar em morte, e outros
10:40 | Out. 20, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, sinalizou que o relatório final do colegiado não pedirá o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelos crimes de genocídio indígena e homicídio. Em versão anterior, que vazou à imprensa, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) havia incluído essas acusações e provocado divergências no grupo de senadores.

Com isso, os parlamentares devem pedir o indiciamento do presidente em pelo menos nove crimes, como prevaricação, charlatanismo, crime contra a humanidade e epidemia com agravante de resultar em morte. “O genocídio não era consenso. Entre juristas, também não havia consenso (...) O mais importante dessa reunião é que saímos unificados”, disse Aziz.

Os senadores do chamado G7, grupo de sete parlamentares que não são alinhados ao governo federal, se reuniu na casa do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) para acertar os detalhes finais do texto que será lido nesta quarta-feira, 20 de outubro.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags