Participamos do

Em discurso na ONU, Bolsonaro diz que Brasil estava "à beira do socialismo"

Bolsonaro afirmou que o país tem um presidente que respeita a Constituição; entretanto há duas semanas ele participou de atos com teor antidemocrático no feriado de 7 de setembro
11:12 | Set. 21, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em seu discurso na 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nesta terça-feira, 21, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que foi ao encontro para apresentar um Brasil “diferente” daquele publicado em jornais ou visto na televisão. Segundo o presidente, o país "mudou muito" depois que ele assumiu o governo em janeiro de 2019.

"Estamos há dois anos e oito meses sem qualquer caso concreto de corrupção. O Brasil tem um presidente que acredita em Deus, respeita a Constituição, valoriza a família e que deve lealdade ao seu povo. Isso é muito, é uma sólida base se levarmos em conta que estávamos à beira do socialismo”, afirmou. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Entretanto, há duas semanas, no dia 7 de setembro, Bolsonaro participou de atos que pediam o fechamento do Supremo Tribunal Federal e intervenção militar. Na ocasião, o presidente também realizou discursos a apoiadores, em Brasília e em São Paulo, ambos com teor antidemocrático e em tom de ameaça à democracia e às instituições nacionais.

Segundo o presidente, estatais que davam prejuízo, hoje são lucrativas e bancos de desenvolvimento financiavam obras em países comunistas sem garantias. "Apresento agora um novo Brasil, com sua credibilidade já recuperada. O Brasil possui programas de investimentos com a parceira privada. Na Área de infraestrutura leiloamos aeroportos e terminais portuários".

E seguiu: "Introduzimos sistemas de autorizações ferroviárias, o que aproxima nosso modelo do americano (...) Em nosso governo promovemos o ressurgimento do modal ferroviário", destacou, acrescentando que com isso há redução de combustível fóssil e barateamento na produção de alimentos.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente