Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Jogo Político entrevista deputado André Figueiredo sobre sucessão de Camilo; assista

Figueiredo deve ser questionado ainda sobre os atos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) registrados no último fim de semana e temas vinculados às eleições gerais do ano que vem
16:11 | Set. 14, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O programa Jogo Político desta terça-feira, 14 de setembro, entrevista o deputado federal André Figueiredo (PDT) sobre temas como os encontros regionais da legenda no Ceará que iniciaram o processo para escolha do nome que deverá concorrer à sucessão do governador Camilo Santana (PT). O programa vai ao ar a partir das 17h30min com transmissão nas plataformas digitais (Facebook, Twitter e YouTube) do O POVO.

LEIA MAIS l PDT trabalha com quatro nomes para a sucessão de Camilo em 2022

Além do processo de seleção interno entre os pedetistas, Figueiredo deve ser questionado sobre os atos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) registrados no último fim de semana e temas vinculados às eleições gerais do ano que vem. Esta semana, o quadro Confronto das Ideias recebe o deputado federal Célio Studart (PV) e o advogado Maia Filho. Ambos vão expor pensamentos a respeito das falas de Bolsonaro nos atos de 7 de Setembro.

No Histórias do Poder, o editor de Cotidiano e colunista de política Érico Firmo fala sobre o voto dos analfabetos e como o número de eleitores disparou a partir de 1985 com a possibilidade de voto para aqueles que não liam ou escreviam. Já no quadro Alguém me Disse, o jornalista Gualter George fala sobre o silêncio do senador Eduardo Girão (Podemos-CE) no debate sobre as armas.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

André Figueiredo afirma que PDT "já tem fechado" apoio a candidatura de Camilo ao Senado

POLÍTICA
18:54 | Set. 14, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O deputado federal André Figueiredo (PDT) afirmou nesta terça-feira, 14, que o partido já bateu o martelo sobre o apoio à candidatura do governador Camilo Santana (PT) ao Senado Federal em 2022, caso o petista decida disputar a vaga. Ao programa Jogo Político, o parlamentar comentou sobre os diálogo durante um cenário de saída do senador Tasso Jereissati (PSDB) no Congresso Nacional. 

LEIA MAIS l Tasso diz pela primeira vez que não pretende tentar reeleição ao Senado em 2022

"O Tasso é um dos grande orgulhos do Ceará, foi um grande governador, é um grande senador e nosso parceiro de caminhos e de visão do Brasil e do Ceará. Lamentavelmente, só teremos uma vaga, e no caso do governador Camilo sair candidato nós do PDT já temos praticamente fechado 100% com a candidatura do Camilo", disse o pedetista. 

Nesta terça, Tasso afirmou pela primeira vez que não possui interesse em disputar reeleição para o Senado Federal nas eleições de 2022. Figueiredo destacou que o partido, por intermédio da liderança do senador Cid Gome e do presidenciável Ciro Gomes, já pretende promover diálogos que defendam "manter o respeito" pelo tucano no Ceará. 

Atualmente, o Tasso tem se apresentado como pré-candidato nas prévias em que o PSDB escolherá o candidato do partido à Presidência da República, marcadas para 21 de novembro. Todavia, a expectativa entre os membros do partido é de que o senador desista da disputa para apoiar o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Governo assina concessão de bolsas para 184 agentes do Programa Mais Infância

PRIMEIRA INFÂNCIA
20:03 | Set. 13, 2021
Autor Isabela Queiroz
Foto do autor
Isabela Queiroz Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Governo do Ceará assinou concessão, nesta segunda-feira, 13, de bolsas de incentivo aos Agentes Sociais Mais Infância Ceará. Os 184 profissionais selecionados irão atuar apoiando as prefeituras e trabalhando na busca ativa das famílias a serem beneficiadas com o auxílio do Cartão Mais Infância.

Os agentes participaram de seleção para bolsistas em todos os municípios cearenses. Os selecionados serão contemplados com duas bolsas: uma no valor de R$ 1.800, para 30 horas semanais, e outra de R$ 1.200, para o cumprimento de 20 horas semanais.

Durante o evento transmitido ao vivo nas redes sociais, o governador Camilo Santana afirmou que os agentes sociais serão o elo entre o Estado e os municípios. “Será muito importante para aperfeiçoar, corrigir alguns erros e melhorar a execução do programa, para não deixar nenhuma mãe e criança de fora”, disse.

LEIA MAIS | Ceará seleciona 184 agentes sociais para atuação no Cartão Mais Infância

Os agentes irão colaborar com alimentação de informações em um sistema de monitoramento das famílias participantes do programa desenvolvido juntamente com a Casa Civil. Além disso, eles irão incluir famílias que estão em situação de vulnerabilidade, distantes das políticas públicas, fazer buscas ativas e avaliar o desenvolvimento das crianças, segundo a primeira-dama Onélia Santana.

Na ocasião, a vice-governadora Izolda Cela parabenizou os agentes selecionados e enfatizou a importância do programa para o desenvolvimento infantil. “Nós sabemos que as sociedades humanas não têm chance de melhorar realmente se não cuidarem dessa primeira infância”, afirmou.

Assinaram o termo de concessão da bolsa durante evento que aconteceu nesta tarde, com transmissão por meio das redes sociais, o governador Camilo Santana, a primeira-dama, Onélia Santana, a vice-governadora Izolda Cela e a secretária da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), Socorro França.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Cabines do Teleférico do Horto começam a ser instaladas, anuncia Camilo

Juazeiro do Norte
11:00 | Set. 12, 2021
Autor Mateus Brisa
Foto do autor
Mateus Brisa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em publicação nas redes sociais neste domingo, 12, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), anunciou o início da instalação das cabines do Teleférico do Horto, em Juazeiro do Norte. Com isso, a fase de testes do serviço deve começar em breve. Segundo o governador, o equipamento está “com quase 80% de execução das obras”.

As cabines do Teleférico serão climatizadas e terão capacidade para acomodar até oito passageiros sentados. Percurso entre as estações Romeiros (inferior) e Horto (superior) é de dois quilômetros, conforme o governador, a uma altura de 200 metros. De lá, público poderá ter vista privilegiada de Juazeiro do Norte e da Chapada do Araripe.

Orçado em cerca de R$ 70 milhões, o projeto do empreendimento é de autoria da Secretaria do Turismo do Ceará (Setur) e tem o andamento supervisionado pela Superintendência de Obras Públicas (SOP). Obra foi viabilizada por meio orçamento compartilhado entre o Estado e o Governo Federal.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

PDT vai distribuir 2 mil rosas na Paulista em ato de 12 de setembro contra Bolsonaro

12 de setembro
17:26 | Set. 10, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O diretório estadual do PDT em São Paulo planeja distribuir 2 mil rosas durante a manifestação de oposição ao presidente Jair Bolsonaro, marcada para o próximo domingo, 12. A ação será realizada em frente ao prédio do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na avenida Paulista, a partir das 14 horas. A informação é do jornal Folha de S.Paulo

A representação de uma mão segurando uma flor é o principal símbolo pedetista. O ícone socialista foi criado por Didier Motchane na França, e foi apropriado por partidos de esquerda em todo o mundo. Segundo o partido, a ação a ser executada rememora a Revolução dos Cravos, que em 1974 pôs fim a 48 anos de ditadura fascista em Portugal.

A distribuição também rebate a frase “com flores não se ganha a guerra”, reproduzida por Bolsonaro. A expectativa é que o momento conte com a participação do ex-ministro, Ciro Gomes. O presidenciável pelo partido para 2022 confirmou sua ida para os atos nesta quinta-feira, 9, em publicação no Twitter. 

Apesar de conflitos com o MBL, Ciro escreveu que “o futuro da democracia é maior que sacrifícios e riscos.” “Esta luta não é mais um símbolo ou uma metáfora, mas um embate real em defesa da justiça e da liberdade. Ela está acima de pessoas, de partidos ou posicionamentos ideológicos. Estamos às voltas com duas ameaça mortais: uma é a Covid e outra Bolsonaro”, continuou o pedetista nas redes sociais.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

PCdoB, PDT, PSB e grupos de esquerda se unem ao MBL para ato em Fortaleza contra Bolsonaro

Manifestações
16:35 | Set. 10, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os protestos contra o presidente Jair Bolsonaro organizados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem pra Rua para o próximo domingo, 12,  devem ganhar um reforço em Fortaleza. A dois dias dos atos, partidos e movimentos de esquerda já finalizaram as negociações e devem participar dos atos na capital, com concentração na Praça Portugal, às 15h, rumo à Avenida Beira-Mar.

Com a participação de partidos do centro e de esquerda, além das siglas de direita, objetivo é criar uma frente ampla, unindo forças para pedir o impeachment do presidente. Além disso, o protesto também será uma resposta aos atos com pautas antidemocráticas e discursos  contra o Supremo Tribunal Federal (STF) por parte de Bolsonaro, que ocorreram no feriado da Independência, 7 de setembro, pelo país.

Até o momento, partidos de esquerda como o PDT, PCdoB, PSB já confirmaram apoio ativo à manifestação. Além disso, também integram o movimento alguns grupos que representam a juventude das siglas. Entre eles: Juventude Pátria Livre, Juventude Socialista Partido Democrático Trabalhista (PDT), União da Juventude Socialista (UJS), Juventude Socialista Brasileira (JSB). 

Para ex-vereador de Fortaleza, Evaldo Lima (PCdoB), o partido tem defendido a formação de uma frente ampla que dê sustentação à oposição contra o presidente da República. “Esse movimento não tem uma hegemonia. O país precisa entender que o Bolsonaro representa uma ameaça às instituições. Logo, isso exige a participação de todas as forças políticas das quais a gente tem divergências. Há uma exigência da parte de todas as forças políticas em defesa da democracia e contra fascismo”, avalia. 

Segundo o presidente estadual do PDT, deputado André Figueiredo, a deliberação do partido é apoiar quaisquer manifestações que “sejam favoráveis à democracia e ao impeachment do atual presidente”. “Pelos desmandos sequenciais que ele vem externado em público, principalmente depois do último 7 de setembro, o PDT estará participando do dia 12 das manifestações programadas de todas as forças políticas”. disse o dirigente.

Nesta quinta-feira, 9, o ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes (PDT) confirmou sua participação nos atos do dia 12 de setembro que devem acontecer na Avenida Paulista, mesmo local onde o Bolsonaro mobilizou seus apoiadores no 7 de setembro. Em publicação nas redes sociais, o pedetista disse que pretende participar de todas as manifestações contra o governo Bolsonaro. 

O momento, segundo o presidente do PSB no Ceará, deputado Dênis Bezerra, representa uma "união do campo democrático para mobilizar todos os setores da sociedade a favor do impeachment do Bolsonaro, que ataca diariamente a democracia e os direitos dos brasileiros". "É uma luta contra o autoritarismo, contra a venda das nossas riquezas e do nosso país. Além disso, o PSB estará em qualquer manifestação a favor do Impeachment", destaca. 

De ideologias diferentes, juntam-se ao movimento os partidos Cidadania, Rede e PSDB. O apoio tucano a nível nacional foi confirmado nesta quinta. Além do MBL e o Vem pra Rua, também devem participar dos protestos os movimentos Acredito, União da Juventude Liberal (UJL), Livres, Juventude 23 e Juventude Tucana. 

O presidente estadual do Cidadania, Michel Lins, avalia o movimento se contrói como “suprapartidário e formado por "oposições unidas” contra Bolsonaro. “O Cidadania está fazendo seu movimento exatamente no movimento pela democracia, unindo as pessoas que acreditam que esse governo é um desgoverno que não tem avançado em políticas públicas e tem usado de muita falácia e pouca ação de verdade que possa mudar a vida do brasileiro”, diz.

"A avaliação geral do grupo é que as divergências político-partidárias e ideológicas devem ficar para depois. A principal necessidade do País hoje é comida na mesa do brasileiro, geração de emprego e renda, retomada da qualidade de vida, e isso passa imprescindivelmente pela saída de Bolsonaro do poder", afirma o MBL Ceará, em nota. Segundo a organização do evento, o objetivo é fechar uma "construção ampla com todas as forças e agentes civis e políticos, dispostos a lutar e defender a democracia"

Diante da divisão de opiniões entre representantes tanto da esquerda como da direita brasileira, os partidos PT e Psol alegam que não participarão de ato deste domingo na Capital. As legendas articulam a realização de outros atos contra o presidente da República na próxima semana e no mês de outubro. 

Em nota oficial na quarta-feira 8, o MBL mudou o tom e convocou “todos os partidos, lideranças civis e agremiações, desde que respeitem a necessidade de deixarem suas pautas particulares e suas preferências eleitorais fora do ato para nos unirmos pelo impeachment”. Antes, o grupo havia adotado o slogan “Nem Lula, nem Bolsonaro” para chamar os atos.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags