Participamos do

Deputados do Ceará irão votar repúdio a falas do ministro da Educação

Fala sobre alunos com deficiência foi alvo de diversas críticas na sessão desta quarta-feira, 18
18:52 | Ago. 18, 2021
Autor Carlos Mazza
Foto do autor
Carlos Mazza Repórter de Jornalismo de Dados
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O deputado Renato Roseno (Psol) apresentou nesta quarta-feira, 18, moção de repúdio contra fala do ministro Milton Ribeiro (Educação) de que estudantes com deficiência “atrapalham” outros alunos em sala de aula. A medida, que pode ser votada nas próximas sessões da Casa, foi um dos assuntos mais comentados na sessão desta quarta-feira.

Repudiando a fala do ministro, Roseno classificou a declaração como “carregada de preconceito, ignorância e falta de conhecimento sobre legislação constitucional”. A fala de Milton Ribeiro ocorreu na última segunda-feira, 9, durante entrevista do ministro ao programa Sem Censura, da TV Brasil.

“O que é inclusivismo? A criança com deficiência é colocada dentro de uma sala de alunos sem deficiência. Ela não aprendia, ela ‘atrapalhava’ — entre aspas, essa palavra eu falo com muito cuidado – ela atrapalhava o aprendizado dos outros, porque a professora não tinha equipe, não tinha conhecimento para dar a ela, atenção especial”, disse.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A questão foi rebatida por diversos deputados cearenses. "É uma fala desumana", disse Queiroz Filho (PDT), que destacou ainda desafios do Brasil para avançar na educação inclusiva. "O ministro deveria buscar ajudar, e não atrapalhar", disse.

A deputada Dra. Silvana (PL), no entanto, saiu em defesa do ministro. Segundo ela, a fala de Milton Ribeiro teria sido "tirada de contexto", no que ela classificou como "estelionato da esquerda". Segundo ela, o ministro teria dito apenas que a política de inclusão seria insuficiente diante da falta de capacitação específica de colégios e professores.

A tese de “incompreensão”, no entanto, foi minimizada nos discursos dos deputados.“É justamente a inclusão o seu desafio. Acho que o ministro ainda não entendeu o seu papel. A inclusão é o fim mais esperado por todas as políticas públicas, o índice do sucesso, o fator primordial para a existência de todos nós, homens e mulheres da vida pública. O mundo fala é em equidade”, disse o deputado Romeu Aldigueri (PDT).

O deputado destacou ainda que não é a primeira vez que o ministro dá declarações questionáveis, lembrando que, na semana passada, Milton chegou a afirmar que a universidade "deveria ser para poucos" no País. “Como se admite o ministro da educação, em duas semanas, cometer dois desatinos a esse nível? É inadmissível. Não podemos perder a capacidade de nos revoltar com isso”, disse.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags