Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

CPI: Coronel mostra áudios de negociação de vacina; senadores veem atividade ilegal

As conversas se deram no mês de fevereiro, entre 9 e 22, mesmo sem a aprovação de uma legislação que permitia a venda de vacinas pela a iniciativa privada
Autor - Filipe Pereira
Foto do autor
- Filipe Pereira Repórter Política
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O tenente-coronel Marcelo Blanco apresentou, durante sua oitiva na CPI da Covid, nesta quarta-feira, 4, uma série de mensagens trocadas com o policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que se apresentou à CPI como um vendedor de vacinas por intermédio da Davati. O conteúdo foi apresentado enquanto Blanco tentava explicar a sua participação na negociação de compra de vacinas da AstraZeneca. 

Os áudios e mensagens mostram Blanco, já fora departamento de Logística do Ministério da Saúde, tratando de negociação de venda de vacinas para a iniciativa privada. As conversas se deram no mês de fevereiro, entre os dias 9 e 22.

Porém, a compra de vacinas pela iniciativa privada apenas foi sancionada no dia 11 de março. As datas fizeram com que os membros da CPI constatassem que a compra tratava-se de uma atividade ilegal, uma vez que a legislação que autorizava sua efetivação no momento.

“A primeira menção a se ter uma lei é do dia 18 de fevereiro. A primeira reunião ocorre no dia 21 de fevereiro, eu participei, sob a resistência do governo [ao projeto de lei]”, disse o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues.

Segundo o parlamentar, a legislação sancionada permite a compra por iniciativa privada apenas após a vacinação de todos os grupos prioritários pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). O projeto de lei que previa a compra imediata por iniciativa privada só viria a ser apresentado e aprovado pela Câmara em março. A proposta acabou engavetada no Senado.

Em defesa, o coronel aformou que estava apenas se adiantando e "construir um modelo de negócio” antes da aprovação da lei. “A gente vem acompanhando [o debate] no que é público. E eu falei para ele [Dominghetti] ‘precisamos desenhar uma estratégia almejando esse mercado’. Eu gostaria de ter algo já desenhado”, disse Blanco.

CPI da Covid ao vivo: Coronel que esteve em jantar onde houve suposto pedido de propina depõe nesta quarta-fera, 4:

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Coronel Blanco diz que sabia que Roberto Dias estaria no jantar em restaurante

Política
12:08 | Ago. 04, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O coronel Marcelo Blanco, ex-assessor do Ministério da Saúde, afirmou em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, nesta quarta-feira, 4, que sabia que o então diretor de Logística do ministério, Roberto Dias, estaria presente no restaurante onde suposto pedido de propina envolvendo aquisição de vacinas teria ocorrido.

A fala contradiz o depoimento de Roberto Dias que falou em “jantar causal” no shopping. De acordo com o policial militar Luiz Paulo Dominguetti, que se apresentou como vendedor de vacina por intermédio da empresa Davati, foi nesse encontro em que se discutiu o suposto pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina. O policial também disse que Blanco foi quem o levou ao jantar.

Blanco disse que conversou com Dias, que voltava de viagem e comentou que estaria no restaurante Vasto, em Brasília. "Comentário natural, onde se conversa amenidades, ‘estou cansado, estou vindo de viagem, estou estressado, vou ao Vasto mais tarde’, algo desse tipo”, disse Blanco à comissão.

E seguiu: "Eu sugiro ao Dominghetti: 'Dominghetti, aproveitando que você está hospedado próximo ao Brasília Shopping, o que você acha, eu me encontro contigo lá, a gente come alguma coisa, eu trato de privado, o Roberto deverá estar no Vasto (restaurante em Brasília). Falou que estaria, eu te apresento o diretor e você pede a sua agenda”, contou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

OMS pede que países adiem doses de reforço contra covid-19 ao menos até setembro

INTERNACIONAL
11:31 | Ago. 04, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu nesta quarta-feira, 4, que os países imponham uma "moratória" e adiem doses de reforço da vacina contra a covid-19, ao menos até setembro. Durante entrevista coletiva, a entidade insistiu na necessidade de distribuir melhor os imunizantes pelo mundo, a fim de controlar a pandemia.
"Mais de 4 bilhões de doses contra a covid foram administradas globalmente. Não podemos aceitar que os países que mais tem vacinas usem ainda mais", afirmou Tedros Adhanom. Segundo ele, o curso da pandemia nesse contexto depende da liderança dos países do G-20.
Consultor sênior da OMS, Bruce Aylward disse que uma potencial dose de reforço é "uma grande decisão", que precisa ser baseada em dados para que exista clareza sobre esse tema. Segundo ele, o prazo até setembro poderia fazer com que mais pessoas possam se imunizar pelo mundo. "O que esperamos é que não se avance para uma dose de reforço até que a maior parte do mundo esteja vacinada", insistiu.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

"Os mesmos vícios", critica Girão sobre retomada dos trabalhos na CPI da Covid

Política
10:40 | Ago. 04, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) comentou a retomada dos trabalhos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid na última terça-feira, 3, e criticou a postura da comissão no reinício das diligências.

“Mesmo após o recesso (parlamentar), a comissão vem com os mesmos vícios e ânsia que chega a cegar pelo ódio. Isso que a gente vê na postura de agora, de ter requerimentos com objetivo de tornar essa CPI um instrumento político, querendo calar a imprensa”, disse, referindo-se ao requerimento apresentado durante o recesso pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) que solicitava a quebra de sigilo bancário da Jovem Pan.

Na sessão desta terça-feira, Calheiros retirou o requerimento e pediu desculpas falando que tratava-se de um “equívoco” cometido no período de recesso. Ele não disse quem seria o responsável pela formulação do requerimento sobre a Jovem Pan.

Girão considerou o primeiro depoimento desta nova fase, do reverendo Amilton Gomes, “muito frágil” e novamente cobrou a investigação das gestões dos estados e municípios na pandemia. “Não houve nada de reflexão em relação a esse período de recesso”, reforçou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

CPI da Covid ao vivo: Coronel que esteve em jantar onde houve suposto pedido de propina depõe hoje

Política
10:07 | Ago. 04, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid ouve, nesta quarta-feira, 4, o depoimento do tenente-coronel da reserva e ex-assessor do departamento de Logística do Ministério da Saúde, Marcelo Blanco da Costa. Ele foi citado em depoimentos na CPI como elo entre representantes da empresa Davati Medical Supply e o governo federal.

Blanco participou de jantar no qual teria ocorrido suposto pedido de propina de US$ 1 em troca da aquisição da vacina AstraZeneca. Ele era subordinado a Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de logística do Ministério e suposto autor do pedido de propina.

Blanco deve ser questionado sobre a participação no jantar, realizado em fevereiro deste ano no restaurante Vasto, em Brasília. O policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que se apresentou à CPI como um vendedor de vacinas por intermédio da Davati, disse que Blanco foi quem o levou para o jantar. As negociações que transcorreram são suspeitas de irregularidades.

Segundo Dominghetti, Roberto Dias condicionou a compra de vacina ao pagamento de US$ 1 adicional por dose. Blanco teria apresentado Dias a Dominghetti e presenciado a negociação. Na ocasião, a tentativa era de ofertar um suposto lote de 400 milhões de doses da AstraZeneca.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

França ativa plano de emergência em hospitais após aumento de casos de Covid

verão de julho
09:46 | Ago. 04, 2021
Autor AFP
Tipo Notícia

A turística região de Provence-Alpes-Côte d'Azur, no sudeste da França, ativou um plano de emergência em seus hospitais em meio a um aumento significativo de casos da Covid-19 - anunciou a agência regional de saúde nesta quarta-feira (4).

 

Na última semana, "registrou-se um aumento de 56% no número de hospitalizações por Covid" nesta região, que recebe cerca de 30 milhões de turistas a cada ano, informou a agência, acrescentando que "o aumento chega a 46%" na unidade de terapia intensiva.

 

Na terça-feira (3), as autoridades sanitárias também ativaram um plano de emergência nos hospitais da ilha mediterrânea da Córsega. A medida permite liberar mais leitos para UTI e mobilizar mais pessoal médico.

 

A situação na Córsega se agravou, provavelmente, pela tradicional chegada de veranistas em julho. A ilha já havia reintroduzido o uso obrigatório de máscara em suas principais cidades em meados do mês passado.

 

Vários resorts costeiros na França também voltaram a impor o uso de máscara, menos de dois meses depois de as autoridades terem suspendido essa restrição ao ar livre.

 

No noroeste da França, o departamento de Finistère, na Bretanha, ordenou o retorno do uso de máscara ao ar livre, após um aumento no número de casos de Covid-19. Na zona de Morbihan, também na Bretanha, seu uso é obrigatório desde a semana passada.

 

As autoridades dos Pireneus Orientais, na fronteira com a Espanha, introduziram medidas similares, salvo na praia e em grandes espaços naturais.

 

Em toda França, a variante Delta está aumentando o número de internações hospitalares, conforme dados de saúde pública divulgados na terça-feira.

 

Os pacientes em UTI agora estão em 1.331, contra 978 na semana anterior. O número de óbitos nas últimas 24 horas chegou a 57, o eleva para mais de 112.000 o total de mortes por Covid-19 no país.

 


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags