PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Bolsonaro defende abertura de CPI para investigar o Consórcio Nordeste

O presidente diz que é preciso apurar supostas irregularidades em compra coletiva feita pelos estados

00:44 | 28/07/2021
Bolsonaro citou o investimento de cerca de R$ 49 milhões para compra de respiradores por meio do Consórcio  (Foto: ALAN SANTOS/PR)
Bolsonaro citou o investimento de cerca de R$ 49 milhões para compra de respiradores por meio do Consórcio (Foto: ALAN SANTOS/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu, nesta terça-feira (27), a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso para investigar o Consórcio Nordeste, que reúne os nove governadores da região. De acordo com o chefe do Executivo, é preciso apurar supostas irregularidades na compra coletiva feita pelos estados para aquisição de 300 respiradores mecânicos, cujo investimento foi de aproximadamente R$ 49 milhões.

Os equipamentos não chegaram a ser entregues, e o caso está sendo investigado pela Polícia Civil da Bahia. “A CPI poderia investigar o senhor Carlos Gabas que sumiu com R$ 49 milhões e não recebeu um respirador sequer”, disse Bolsonaro, afirmando que os gestores foram blindados da Comissão. “Eles são bons em mentir”, disparou.

+ Consórcio Nordeste vai pedir detalhes sobre decisão da Anvisa que negou Sputnik V

+ Vacinas compradas por consórcio do Nordeste irão para todo Brasil

+ CPI rejeita convocação de Carlos Gabas, ex-secretário do Consórcio Nordeste

A convocação do ex-secretário Executivo do Consórcio Nordeste, Carlos Gabas, para depor na CPI da Covid, apresentada pelos senadores governistas Ciro Nogueira (PP-PI), Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Podemos-CE), foi rejeitada pelo colegiado. O acordo para a compra dos respiradores da empresa Hempcare, firmado ainda em 2020, foi feito durante a presidência do governador da Bahia, Rui Costa (PT) e assinado por todos os gestores que compõem o grupo.

O presidente da República também afirmou, sem citar nomes, que os governadores teriam se apropriado de ações do governo federal no combate à pandemia, como se fossem iniciativas de gestão estadual. “Quando se fala em vacina, tem governador aí que fala que ele está vacinando. Não teve um centavo de governador, não comprou uma vacina sequer”, disse em entrevista nesta terça-feira (27) ao programa Frente a Frente, da Rede Nordeste de Rádio.