PUBLICIDADE
Política
Noticia

Fundão de R$ 5,7 bilhões coloca Bolsonaro em crise entre Centrão e apoiadores

Presidente deverá optar entre desagradar base parlamentar ou seus seguidores

Filipe Pereira
16:01 | 17/07/2021
Fundão de R$ 5,7 bilhões coloca Bolsonaro em crise entre Centrão e apoiadores (Foto: Alan Santos)
Fundão de R$ 5,7 bilhões coloca Bolsonaro em crise entre Centrão e apoiadores (Foto: Alan Santos)

Encurralado entre o desgaste de sua popularidade e a dependência do Centrão no Congresso Nacional, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), agora, terá um difícil desafio entre vetar ou sancionar o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) com previsão de R$ 5,7 bilhões para o fundão que foi aprovado pelo Congresso.

LEIA MAIS l Saiba quanto cada partido vai receber do fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões

Um possível veto ao fundo incomodaria o Centrão, integrado por parlamentares que são sua base de sustentação, garantem a aprovação de projetos e impedem o andamento dos mais de 100 processos de impeachment. Em 2022, muitos deles pretendem fazer uso desses valores em campanhas eleitorais. 

Logo após a aprovação do Fundão, parlamentares bolsonaristas que votaram "sim" à tramitação do texto integral da LDO sofreram uma série de críticas por seus seguidores. Contudo, caso opte pela sanção do texto, o presidente geraria ainda mais desgaste com os apoiadores, processo já em curso devido uma série de investigações que envolvem Bolsonaro no âmbito da CPI da Covid-19, por exemplo. 

LEIA MAIS l Cid e Wagner votam sim à LDO; Capitão faz declaração escrita contra aumentar fundo eleitoral

"Houve uma época em que ele estava frágil no Parlamento, mas com muito apoio popular. Hoje, tem menos apoio popular do que em qualquer outro momento e está mais dependente do que nunca de sua base no Congresso. Ele vai ter que pesar”, diz Marcelo Ramos (PL-AM), vice-presidente da Câmara.

O deputado Major Vitor Hugo (GO), líder do PSL na Câmara, adiantou que bolsonaristas esperam o veto, mas ressalta que o chefe do Executivo tem “um espectro grande de componentes políticos a serem avaliados.” Para Bohn Gass, líder do PT na Casa, o dilema comprova que o presidente "está na mão do Centrão."

Em 2020, Bolsonaro sancionou o fundo eleitoral no valor de R$ 2 bilhões. Ele defendeu que poderia sofrer impeachment por crime de responsabilidade caso optasse pelo veto. Logo depois, em contradição, o mandatário apoiou a campanha "não vote em quem usa o fundão".