PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Cachorro roeu carregador da tornozeleira eletrônica, diz Daniel Silveira

Segundo o acusado, o aparelho não foi recarregado entre 1º e 3 de maio devido a um blecaute na rede elétrica. O delegado disse que consultará a companhia de energia elétrica "para constatar a veracidade" da declaração

22:57 | 16/07/2021
O deputado retornou à prisão devido ao uso inadequado do aparelho (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
O deputado retornou à prisão devido ao uso inadequado do aparelho (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) justificou o descumprimento da ordem de uso de sua tornozeleira eletrônica afirmando que seu cachorro roeu o carregador do equipamento. Ele também alegou que um anti-inflamatório lhe provocava sono e que há interrupções na energia elétrica de Petrópolis (RJ), onde ele mora, fatores que impediam o carregamento do aparelho.

As razões para as 22 vezes em que descumpriu o uso da tornozeleira foram declaradas em depoimento prestado nessa quinta-feira, 15, à Polícia Federal (PF). Ele retornou à prisão devido ao uso inadequado do aparelho. Antes disso, Silveira estava em prisão domiciliar e responde por ataques aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

LEIA MAIS | Daniel Silveira deve pagar multa de R$ 100 mil por violação da tornozeleira eletrônica

O delegado Leonardo Reis Guimarães foi o responsável por informar o ministro Alexandre de Moraes sobre as justificativas de Silveira. Segundo o acusado, o aparelho não foi recarregado entre 1º e 3 de maio devido a um blecaute na rede elétrica. O delegado disse que consultará a companhia de energia elétrica “para constatar a veracidade” da declaração.

O deputado explicou, ainda, que deixou de carregar a tornozeleira enquanto participava de sessões virtuais da Câmara dos Deputados. Isso ocorreu, porém, “por falta de atenção, mas não deliberadamente”, segundo ele. Silveira também argumentou que o aparelho pode ter sido danificado durante seus treinos diários de muay thai.