PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Bolsonaro: acham que não tem gente lá (Saúde) com interesse? Tem sim

16:43 | 07/07/2021

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta quarta-feira, 7, que existem pessoas "com interesse" no Ministério da Saúde, diante de orçamento diário de R$ 550 milhões da Pasta. O orçamento atrairia pessoas com interesse de "entrar lá e fazer besteira".

Bolsonaro, porém, voltou a afirmar que, apesar da propensão para malversação de recursos públicos e dos supostos esquemas revelados envolvendo a Pasta, seu governo não tem casos de corrupção. "Não compramos uma dose (da Covaxin), não pagamos um centavo. Estamos há dois anos e meio sem corrupção", disse, em entrevista à rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul.

Segundo o presidente, uma vez que o governo não comprou doses da vacina Covaxin, contra a covid-19, nem fez o pagamento das reservas, não é possível afirmar que houve desvios de recursos públicos. A CPI da Covid no Senado, no entanto, apura irregularidades no contrato de compra dos imunizantes, entre elas a disparidade de doses da vacina contratada e ausência de fiscalização, ainda que temporária.

Na entrevista, Bolsonaro disse também que "nenhum lugar do Brasil recebeu vacina que não seja do governo federal". A afirmação vem na esteira de questionamento dele da eficácia da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, do Estado de São Paulo, primeira vacina contra a covid-19 a ser aplicada no País e que integra a lista de imunizantes do Plano Nacional de Vacinação.

Bolsonaro ainda responsabilizou jornalistas por reações intempestivas e pela associação entre o governo e supostos atos de corrupção na aquisição de vacinas. "De vez enquanto eu dou uns coices mesmo. É lamentável o nível das pessoas que nos entrevistam."