PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Maioria do STF vota pelo arquivamento da investigação sobre cheques de Queiroz a Michelle Bolsonaro

Seis ministros, dos 11, já decidiram pelo arquivamento da investigação. Julgamento deve correr até o dia 2 de agosto

15:11 | 05/07/2021
Primeira-dama Michelle Bolsonaro  (Foto:  Presidência da República)
Primeira-dama Michelle Bolsonaro (Foto: Presidência da República)

O Supremo Tribunal Federal (STF) já formou maioria simples para arquivar o pedido de investigação sobre os cheques depositados na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro pelo ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Fabrício Queiroz. A acusação era de que o dinheiro seria oriundo de um esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Em julgamento virtual que corre desde o dia 25 junho e pode durar pouco mais de um mês, seis ministros dos 11 decidiram pelo arquivamento. Até agora, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Nunes Marques, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber seguiram o voto do relator, Marco Aurélio Mello.

A decisão atende a uma manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), que declarou que os argumentos contra Bolsonaro “são inidôneos, por ora, para ensejar a deflagração de investigação criminal, face à ausência de lastro probatório mínimo”.

O pedido de investigação pelo Supremo foi feito em 2020 pelo advogado Ricardo Bretanha Schmidt. Em uma notícia-crime, o advogado citou matérias jornalísticas que revelavam, com base na quebra do sigilo bancário de Fabrício Queiroz, que o ex-assessor depositou R$ 72 mil na conta de Michelle Bolsonaro, de 2011 a 2016. Queiroz é apontado pelo Ministério Público como operador do um esquema de rachadinha no gabinete de Flávio, então deputado estadual, na Alerj.

Os extratos bancários mostram que pelo menos 21 cheques foram depositados na conta de Michelle. Ela recebeu de Queiroz três cheques de R$ 3 mil em 2011, seis cheques no mesmo valor em 2012 e mais três de R$ 3 mil em 2013. Em 2016, foram mais nove depósitos, totalizando R$ 36 mil. Segundo reportagem da revista Crusoé, os cheques foram compensados em 25 de abril, 19 e 23 de maio, 20 de junho, 13 de julho, dois em 22 de setembro, 14 de novembro e 22 de dezembro.