PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Além de Eduardo Leite, conheça outros políticos homossexuais no Brasil e no mundo

Além do Brasil, outros representantes LGBTQI+ do mundo também alcançaram cargos de representatividade na política.

Filipe Pereira
19:49 | 02/07/2021
Em 2015, o premiê de Luxemburgo, Xavier Bettel, assumiu sua homossexualidade e casou-se com o belga Gauthier Destenay.

 (Foto: Reprodução/Twitter)
Em 2015, o premiê de Luxemburgo, Xavier Bettel, assumiu sua homossexualidade e casou-se com o belga Gauthier Destenay. (Foto: Reprodução/Twitter)

Na madrugada desta sexta-feira, 2, o governador do Rio Grande do Norte, Ricardo Leite (PSDB), declarou ser homossexual em entrevista ao programa Conversa com Bial, da TV Globo. O gesto repercutiu nas redes sociais e o gestor foi parabenizado por aliados políticos e opositores nas redes sociais. Além do tucano, outros políticos também possuem a mesma orientação sexual. 

Apesar de ser raro no Brasil, alguns nomes nacionais são assumidamente homossexuais. É o caso do ex-deputado Jean Wyllis (PT-RJ), do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), do deputado federal David Miranda (Psol-RJ, substituto Wyllis) e do ex-prefeito de Lins (SP), Edgar de Souza (PSDB). Também está na lista o deputado Clodovil Hernandes, falecido em 2009. 

As eleições de 2020 representaram um marco histórico em diversidade e representatividade nas câmaras municipais pelo Brasil. Com aumento de 275%, o número de candidatos a vereador travestis e transexuais eleitos passou de 8, em 2016, para 30 neste ano, segundo a Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais).

É o caso da professora Duda Salabert (PDT), a primeira vereadora transexual eleita de Belo Horizonte (MG). Ela também recebeu o maior número de votos da história da Câmara da cidade: 37.613. A parlamentar defende a bandeiras da educação e do meio ambiente.

Em Aracaju (SE), a vereadora eleita Linda Brasil (Psol) quebrou um recorde de votações, com 5.773 votos. Ela também luta pelo reconhecimento do gênero feminino das mulheres trans e travestis. Em São Paulo, a mulher com maior número de votos nestas eleições foi Erika Hilton (Psol), que conquistou 50.700 eleitores na capital paulista, tornando-se  a primeira mulher trans da Câmara da cidade. 

Também na capital paulista, Thammy Miranda (PL) é o primeiro homem trans eleito vereador. Com 43.321 votos, ele foi o 9º mais votado na cidade.

Em Fortaleza, o Psol elegeu a vereadora lésbica Lila. M. Salu, do Coletivo Nossa Cara. A integrante faz parte de grupo rapper. Estudante de Humanidades na Universidade de Lusofonia Afro Brasileira (UNILAB), ela é feminista e ativista integrante do Tambores de Safo, grupo de percussão composto por lésbicas e bissexuais, que fazem da arte um instrumento político e de comunicação. 

FORTALEZA, CE, BRASIL, 17.11.2020: Nossa cara - Mandato Coletivo do PSOL - Adriana Gerônimo, Louise Anne de Santana e Lila M. Salu formam trio eleito, com 9.824 votos, para ocupar uma das 43 cadeiras da Câmara Municipal. Em época de COVID-19. (Foto: Aurelio Alves/O POVO).
FORTALEZA, CE, BRASIL, 17.11.2020: Nossa cara - Mandato Coletivo do PSOL - Adriana Gerônimo, Louise Anne de Santana e Lila M. Salu formam trio eleito, com 9.824 votos, para ocupar uma das 43 cadeiras da Câmara Municipal. Em época de COVID-19. (Foto: Aurelio Alves/O POVO). (Foto: Aurelio Alves)

Outros países

Alguns políticos gays alcançaram cargos de representatividade na política no mundo. Hoje, apenas dois  abertamente gays são chefes de governo— em Luxemburgo e na Sérvia. Em 2009, a Islândia elegeu a ex-aeromoça Johanna Sigurdardottir como primeira-ministra.

A líder sindical foi a primeira chefe de Estado do mundo abertamente homossexual. No ano seguinte, a Islândia aprovou uma lei permitindo casamento entre pessoas do mesmo sexo, e a gestora casou-se com sua esposa. 

O ex-premiê da Bélgica, Elio Di Rupo, que governou o país entre 2011 e 2014, foi o segundo político assumidamente gay a virar chefe de Estado. Ele revelou sua sexualidade em 1996, após um escândalo de pedofilia em que políticos belgas o acusaram de envolvimento. Ele foi inocentado e as acusações foram consideradas falsas pela Justiça.

O primeiro-ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, é o único chefe de Estado gay na União Europeia. Eleito em 2013, ele casou-se com seu parceiro dois anos depois, já no cargo, após a promulgação de uma lei permitindo casamentos gays. Ele foi reeleito.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Xavier Bettel (@xavier.bettel)

Em 2017, a Sérvia, mesmo diante de um forte conservadorismo, elegeu Ana Brnabic como primeira mulher e primeira homossexual no posto de primeira-ministra. Porém, ela foi criticada por não atuar em favor das pautas de direitos sociais e chegaram a fazer uma campanha para que a premiê não participasse de uma das paradas do Orgulho Gay do país.

Na Irlanda, o político gay Leo Varadkar foi nomeado chefe de Estado entre 2017 e 2020. Ele se declarou homossexual em 2015, antes de ocupar o cargo, quando a Irlanda legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em 2019, ele foi acompanhado de seu marido durante visita oficial aos Estados Unidos. 

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Leo Varadkar (@leovaradkar)

Nos EUA, o político assumidamente homossexual Harvey Milk, do partido Democrata, se elegeu vereador de San Francisco nos anos 1970. O ex-militar tornou-se um ícone entre ativistas por defender direitos LGBTQI+. Contudo, ele foi assassinado em 1978 dentro da prefeitura de San Francisco por um adversário político. 

O Democrata Barney Frank foi dos políticos norte-americanos mais influentes a assumir sua homossexualidade. Ele atuou como deputado entre 1981 e 2013. Um dos parlamentares mais influentes do Congresso americano, Frank assumiu ser gay em uma entrevista em 1987. 

Atualmente, a democrata Tammy Baldwin é uma das políticas gays mais famosas do Congresso americano. Deputada do Estado de Wisconsin, ela se tornou a primeira a assumir o cargo sendo abertamente gay em 1999 e a primeira senadora em 2013.