Participamos do

Em dia de fúria, Bolsonaro tira máscara, manda jornalista calar a boca e xinga Globo

Questionado pela TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo, sobre ausência de máscara na chegada ao evento, se enraiveceu. Ele mandou repórter calar a boca
14:47 | Jun. 21, 2021
Autor Carlos Holanda
Foto do autor
Carlos Holanda Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse lamentar a marca de 500 mil mortes que o País atingiu no último sábado, 19. Ele está em Guaratinguetá, em São Paulo, onde acompanhou cerimônia de formatura da Escola de Especialistas de Aeronáutica. O mandatário chegou ao evento sem máscara e conversou com dois repórteres.

Questionado pela TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo, sobre ter chegado ao evento sem o equipamento, se enraiveceu. Respondeu que chega "como quiser" e "onde quiser". Ele argumentou que cuida da própria vida. 

A fala vai na contramão das diretrizes científicas segundo as quais o uso da máscara é uma prática para o bem coletivo, não individual, como a fala de Bolsonaro parece sugerir. A utilização do equipamento é um dos meios pelos quais a disseminação do vírus é contida, protegendo quem usa e quem está ao redor.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“Parem de tocar no assunto. (Tira a máscara) Você quer botar… Me bota agora… Vai botar agora… Estou sem máscara em Guaratinguetá. Está feliz agora? Você está feliz agora? Essa Globo é uma merda de imprensa. Vocês são uma porcaria de imprensa”, esbravejou. 

Quando o presidente retirou a máscara, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) também se desfez do objeto de proteção.

Antes do rompante, Bolsonaro a CNN Brasil, de linha editorial comumente apontada como alinhada ao Governo Federal. O presidente disse que a emissora teria "elogiado" o ato contrário a ele no último sábado, 19.

Outra fala anticientífica do presidente foi sobre o "kit covid", conjunto de remédios que fazem parte do "tratamento precoce", procedimento sem validação científica.

Bolsonaro afirmou que o Brasil saiu na frente ao defender a administração dos remédios no tratamento do vírus, pois, conforme disse, ele foi curado pelos medicamentos, assim como outras pessoas.

O vídeo foi publicado por um canal de militantes bolsonaristas:


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags