PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Bolsonaro pode ser interditado pelo MP, diz jurista Miguel Reale Jr.

Apesar disso, o Procurador-Geral da República e chefe do MP, Augusto Aras, não irá tomar medidas em prol do afastamento de Bolsonaro, disse Reale Jr. Para o jurista, o presidente apresenta "quadros de anormalidade, falta de empatia, personalidade antipática e antissocial"

20:10 | 11/06/2021
Reale Jr. afirmou que está envergonhado de morar no Brasil e vê o País "abandonado, sem ninguém que cuide de nós" (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Reale Jr. afirmou que está envergonhado de morar no Brasil e vê o País "abandonado, sem ninguém que cuide de nós" (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Caso o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seja considerado mentalmente incapaz para seguir gerindo o Executivo federal, o Ministério Público (MP) tem o poder de afastá-lo do cargo, segundo afirmou o jurista Miguel Reale Jr. à revista Veja nesta sexta-feira, 11. Os pedidos de impeachment dos ex-presidentes Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff tiveram autoria dele.

Apesar disso, o Procurador-Geral da República e chefe do MP, Augusto Aras, não irá tomar medidas em prol do afastamento de Bolsonaro, disse Reale Jr. Para o jurista, o presidente apresenta “quadros de anormalidade, falta de empatia, personalidade antipática e antissocial” e “gosta de tortura”. “Diz ele: ‘Eu sou o presidente, tenho a caneta’. Tudo isso compõe esse comportamento tão desavisado”, acrescentou.

LEIA MAIS | Senador Randolfe Rodrigues revela que Pfizer enviou 53 e-mails ao governo sobre oferta de vacinas

Em outra entrevista concedida nesta sexta ao portal Uol News, Reale Jr. afirmou que está envergonhado de morar no Brasil e vê o País “abandonado, sem ninguém que cuide de nós”. Ele criticou a atuação da gestão Bolsonaro na pandemia do coronavírus. O jurista também sugeriu união de procuradores para pressionar Aras a mudar sua postura frente ao governo federal.

LEIA MAIS | #FechadoComBolsonaro: artistas e políticos publicam vídeo ironizando desempenho do presidente na pandemia

“Sensação que temos é de orfandade. Nós estamos no meio da pandemia, nas vésperas de ter 500 mil mortos [pela covid-19] e estamos sem instrumentos de contenção da loucura, da irresponsabilidade. Nós estamos soltos, ao léu, estamos abandonados. A sensação é de abandono”, declarou.