PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Baseado em fake news, Girão questiona se há células "extraídas de fetos abortados" na CoronaVac

A célula é feita com o SARS-CoV-2 inativado e replicado em outra família de células, as Vero, que são derivadas de uma linhagem de células epiteliais renais do macaco-verde africano, desenvolvida em 1962 – para cultivar o vírus utilizado na produção da vacina

Filipe Pereira
15:21 | 27/05/2021
Brasilia em 20 de maio de 2021, Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPIPANDEMIA) realiza continuação do depoimento do ex-ministro da Saúde. O objetivo é obter respostas sobre a conduta do ex-ministro nos dez meses em que esteve à frente do ministério, em pontos como postura governamental, isolamento social, vacinação, colapso em Manaus e omissão de dados. 

O grande número de senadores inscritos para fazer perguntas e o início de votações no Plenário do Senado fizeram o presidente da CPI da Pandemia interromper o depoimento do ex-ministro ontem (19) e retomá-lo na manhã desta quinta-feira (20). 

À bancada, senador Eduardo Girão (Podemos-CE).

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Brasilia em 20 de maio de 2021, Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPIPANDEMIA) realiza continuação do depoimento do ex-ministro da Saúde. O objetivo é obter respostas sobre a conduta do ex-ministro nos dez meses em que esteve à frente do ministério, em pontos como postura governamental, isolamento social, vacinação, colapso em Manaus e omissão de dados. O grande número de senadores inscritos para fazer perguntas e o início de votações no Plenário do Senado fizeram o presidente da CPI da Pandemia interromper o depoimento do ex-ministro ontem (19) e retomá-lo na manhã desta quinta-feira (20). À bancada, senador Eduardo Girão (Podemos-CE). Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

*matéria atualizada às 12h55min do dia 28/5

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) questionou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, durante sessão da CPI da Covid, nesta quinta-feira, 27, sobre a presença de células "extraídas de fetos abortados" na CoronaVac. O boato de que vacinas são feitas com fetos abortados é antigo, tendo sendo desmentido em outras oportunidades. A CoronaVac, por sua vez, nunca utilizou esse tipo de material. 

A vacina do Butantan não é desenvolvida a partir de células-tronco de fetos

Assim como explicou Dimas Covas durante sessão da CPI da Covid, a vacina é feita com o SARS-CoV-2 inativado e replicado em outra família de células, as Vero, que são derivadas de macacos. Para entender melhor, na CoronaVac, segundo artigo publicado na revista Science, foram utilizadas células Vero – uma linhagem de células epiteliais renais do macaco-verde africano, desenvolvida em 1962 – para cultivar o vírus utilizado na produção da vacina. Sendo assim, não se utilizou fetos humanos como técnica.

A vacina do Butantan é feita a partir de vírus inativados, que se multiplicam por meio da cultura das células Vero. Depois são inativados com calor ou algum produto à base de alumínio. O sistema imune vai reconhecer e responder a esse vírus, induzindo a produção de níveis de anticorpos. 

O artigo da Science que foi utilizado na propagação das fake news demonstra que, há mais de cinco décadas, embriões eram utilizados para testar ou produzir vacinas. Como linhagens celulares desenvolvidas a partir de tecidos humanos mais comuns temos a PER.C6, criada em 1985, obtida a partir de células da retina. E a outra, cujo nome foi alvo de boatos e distorções, é a HEK-293, criada em 1973 a partir de células renais retiradas de um feto abortado legalmente na Holanda.

A partir de então, as células usadas nesses estudos passaram a ser obtidas a partir de réplicas derivadas de um embrião daquela mesma linhagem inicial e que sofreram modificações. As técnicas descritas no artigo são antigas e serviram para muitas pesquisas e testes de medicamentos e vacinas. Elas seguem sendo utilizadas até hoje, no mundo todo.

Mas é importante destacar que tais células não são componentes de vacinas; são somente utilizadas em testes para criar a proteína produzida por elas ou o vírus replicado nelas – vírus que sai da célula, fica no meio da cultura e é então coletado e purificado para a fórmula da vacina. 

Girão esclarece questionamentos

Em nota, o senador justificou os questionamentos a Dimas Covas falando sobre a importância de verificar diretamente com o especialista da área as informações a veracidade ou não de algumas informações sobre células humanas e vacinas, para esclarecimento de todos.

"Foi uma ótima oportunidade para que esclarecesse essa e outras questões, pois quanto mais informações de especialistas a população tiver acesso, menor será a resistência, aumentando o estímulo à vacinação, o que contribuirá para salvar muitas vidas", disse Girão na nota.

O senador cearense agradeceu aos esclarecimentos que Covas deu durante a sessão da CPI e reforçou que todos devem se vacinar. "Isso contribuirá não só para proteger nossas vidas, mas também de outras pessoas, inclusive, de nossos familiares, e para conseguirmos debelar, finalmente, essa pandemia", complementou.

Com informações do Instituto Butantan