Participamos do

Queiroga ficou na dúvida "entre ser médico ou obedecer ao Bolsonaro", diz Tasso

Para o senador tucano, o ministro Marcelo Queiroga "claramente não consegue responder perguntas ou assuntos que desagradem ao presidente Bolsonaro"
20:57 | Mai. 06, 2021
Autor Henrique Araújo
Foto do autor
Henrique Araújo Repórter Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Um dos integrantes da CPI da Covid, o senador cearense Tasso Jereissati (PSDB) avalia que o ministro da Saúde Marcelo Queiroga, ouvido hoje na comissão, ficou na dúvida “entre ser médico ou obedecer ao Bolsonaro”.

Para o tucano, Queiroga “claramente não consegue responder perguntas ou assuntos que desagradem ao presidente Bolsonaro”.

Terceira testemunha a passar pela CPI, o ministro depôs por quase 9 horas nesta quinta-feira, 6, durante as quais foi interpelado sucessivamente sobre se concordava com a inclusão da cloroquina e outros medicamentos sem eficácia no protocolo para combater a Covid.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O médico, todavia, esquivou-se de responder diretamente, afirmando que se tratava de decisão técnica e que seria objeto de análise posteriormente.

Queiroga também foi confrontado com as posições do presidente, que desrespeita uso de máscara e causa aglomerações, além de atrasos na compra de vacinas.

Sobre a conduta de Bolsonaro, disse que não poderia fazer juízo de valor. Já em relação à campanha de vacinação, enfatizou que a única forma de enfrentar a pandemia é ampliando o alcance vacinal.

De acordo com Tasso, a “CPI superou as expectativas com as duas primeiras oitivas, principalmente dos ministros Mandetta e Teich”.

O senador assinala que os antecessores de Queiroga no cargo “deixaram muito claro e trouxeram comprovação da impossibilidade de fazer um Ministério da Saúde técnico e científico compatibilizado com as ideias do Bolsonaro e sequer ter autonomia para fazer uma política de saúde”.

“O ministro Teich”, continua Tasso, “chegou a dizer claramente que teve que sair quando viu que o presidente queria forçar a inclusão da cloroquina no protocolo”.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags